Go_to_top Bar
Seu carrinho está
vazio

Publique livros gratuitamente

Clube de Autores é a maior comunidade de autopublicação da América Latina. Inicie agora!

O POETA É UM FINGIDOR

TRIBUTO A FERNANDO PESSOA

Ajaxloader
por
R$ 54,67
por
R$ 20,45

Sinopse

FERNANDO PESSOA E SEU CONTEXTO HISTÓRICO

Por Leon Cardoso da Silva

O início do século XX foi marcado por grandes transformações sociais, políticas e literárias. Na noite de 3 para 4 de outubro de 1910 diversas forças militares e civis portuguesas se rebelam contra a monarquia. Após muitos combates estas forças saem vitoriosas e dois dias depois proclamam a Primeira República portuguesa. Isso resultou na “construção” ou fortalecimento de um clima de profundo nacionalismo e de rupturas que vinham ocorrendo em Portugal, sobretudo, no século XIX quando parte da população almejava uma mudança de regime político. Assim, Portugal no início do século XX foi marcado por intensas turbulências políticas que impactaram a sociedade e influenciaram diversas manifestações artísticas e literárias.

Em 1914 a Europa e o mundo ficaram abalados por causa da deflagração da Primeira Guerra Mundial. Mais precisamente em 4 de agosto, deste mesmo ano, chega a Portugal a notícia da declaração de guerra da Inglaterra à Alemanha devido esta última violar o tratado de 1831 que declarava a Bélgica como território neutro naquela região. Entretanto, Portugal só entra de fato na guerra em 1917 quando no dia 2 de fevereiro suas tropas chegam a Brest, porto da Bretanha, rumo à frente de batalha na Flandres francesa.

O modernismo em Portugal teve início em 1915 quando veio a lume uma importante revista que criou um cenário novo e polêmico nas letras portuguesas. Intitulada como Orpheu esta revista – embora de curta duração, pois como se sabe foram produzidas apenas duas edições – tinha como principal objetivo, além de oferecer uma alternativa econômica mais acessível para os leitores, pois, os livros eram praticamente artigos de luxo pela questão do custo financeiro, a revista buscava realizar certas rupturas com temas da tradição literária. Inevitavelmente, com características inovadoras o modernismo português movia-se entre herança e memória, inovação e ruptura. Daí resulta o fato da revista ter sido combatida por alguns intelectuais, uma vez que, numa perspectiva moderna de inovações, apresentava alguns conteúdos incompatíveis com a cultura que vigorava no país conservador.

Foi exatamente neste contexto sócio histórico que Portugal viu surgir Fernando Pessoa, o poeta português mais festejado desde Camões e um dos maiores de todos os tempos.

No que diz respeito ao aspecto biográfico podemos dizer que Fernando Antônio Nogueira Pessoa nasceu em Lisboa, em 13 de Julho de 1888. Aos cinco anos de idade ficou órfão de pai e, dois anos depois, viajou para Durban, na África do Sul após sua mãe casar-se pela segunda vez. Este fato é bastante relevante porque ainda na África, em 1901, Fernando Pessoa escreve seu primeiro poema em Inglês, língua a qual lhe rendeu prêmios durante o período em que estudou em colégios de freiras e em Durban High School, recebendo educação inglesa. E essa influência da língua inglesa foi tão intensa que, entre 1902 e 1908, Pessoa compunha seus versos e prosas somente nesta língua – só a partir dos 20 anos de idade é que passou a escrever em sua língua materna.

Em 1915, liderou um grupo de jovens escritores – Mário de Sá-Carneiro, Almada-Negreiros, Luís de Montalvor e o escritor brasileiro Ronald de Carvalho – e fundou a revista Orpheu, aqui já mencionada. É bastante interessante observarmos a relevância das revistas para o contexto literário português daquele período porque ficou bastante comum a definição de duas vertentes do modernismo português a partir de duas grandes revistas: a Orpheu e a Presença.

À medida que a Orpheu privilegiava as ideias de renovação futurista e de liberdade de expressão e criação literária, a Presença posteriormente buscou aprofundar estas perspectivas, mas com grande influência da psicanálise freudiana ao difundir a valorização de aspectos psicológicos, intuitivos e de criatividade individual. Com outro olhar, podemos entender que estas revistas eram vitrines, pois o público leitor além de ter mais facilidade de acesso econômico a outro meio de divulgação literário, serviram também para a divulgação de textos e manifestações artísticas diversas, fato este que fortaleceu e difundiu muitos movimentos de vanguarda.

Na Orpheu, por exemplo, Pessoa publicou os poemas “Ode Triunfal” e “Opiário”, ambos assinados por seu heterônimo Álvaro de Campos, e escandalizaram a sociedade conservadora. Isso fez com que reações críticas violentas apontassem os autores desta revista como “loucos” e “insanos”. Entretanto, isso não foi uma exclusividade de Portugal, pois em outros países as mesmas rupturas que outros escritores modernos propuseram também foram recebidas com reações semelhantes.

Posto isso, já não é difícil de compreendermos como ocorreu a influência entre Fernando Pessoa e seu contexto histórico. Assim como outros escritores, Pessoa foi influenciado por inúmeros aspectos contextuais e universais, tendo este último como conhecimento literário e desenvolvimento criativo individual do próprio autor ou do próprio fazer criativo que é característico de cada escritor ou obra específica com a prerrogativa de estarem dentro de um contexto histórico-literário.

Não podemos esquecer que a Orpheu veio a lume em 1915, portanto, em meio a sangrentos conflitos da segunda guerra mundial. Não era de surpreender que justamente nesta revista Pessoa tenha publicado dois poemas de seu heterônimo Álvaro de Campos em sua fase mais pessimista. No poema “Ode triunfal” podemos observar os seguintes versos:

(...)

Olá anúncios elétricos que vêm e estão e desaparecem!

Olá tudo com que hoje se constrói, com que hoje se é diferente de ontem!

Eh, cimento armado, beton de cimento, novos processos!

Progressos dos armamentos gloriosamente mortíferos!

Couraças, canhões, metralhadoras, submarinos, aeroplanos!

Amo-vos a todos, a tudo, como uma fera.

Amo-vos carnivoramente.

(...)

“Progressos dos armamentos gloriosamente mortíferos / Couraças, canhões, metralhadoras, submarinos, aeroplanos”. Diante de uma modernidade que busca avançar para o progresso há um pessimismo dos sujeitos portugueses ante a iminente participação do país nos conflitos armados da guerra. Este paradoxo que sai dos versos de um heterônimo e envolve diretamente o escritor autor em sua própria pessoa, em sua própria visão de mundo confunde-o com sua criação, personagem que o imita ou que é imitado por ele.

Já em o “Opiário”:

(...)

É antes do ópio que a minh'alma é doente.

Sentir a vida convalesce e estiola

E eu vou buscar ao ópio que consola

Um Oriente ao oriente do Oriente.

(...)

“É antes do ópio que a minh'alma é doente. / Sentir a vida convalesce e estiola”. Neste poema, o autor propõe uma fuga da realidade. Um tipo de busca por uma realidade artificial que supere o risco e a vacuidade existencial, “Por isso eu tomo ópio. / É um remédio / Sou um convalescente do Momento. / Moro no rés-do-chão do pensamento / E ver passar a Vida faz-me tédio”. Em alguns momentos talvez isto se confunda com o próprio Pessoa, ortônimo.

Entre outras características, este poema aborda também um tema bastante específico do contexto social português do início do século XX. “Volto à Europa descontente, e em sortes / De vir a ser um poeta sonambólico. / Eu sou monárquico, mas não católico / E gostava de ser as coisas fortes”. Pessoa foi um crítico da I República. Esta se tornou muito violenta e isso deu margem para o golpe que, realizado em 1926, havia feito duas promessas: a de justamente acabar com a violência na república e dar início a ações para criar uma “nova dignidade constitucional”. Fato este que fez com que nosso poeta apoiasse o golpe, mas este o frustrou por não realizar a segunda promessa.

Após esta breve leitura podemos entender que Pessoa não foi autor somente de muitos poemas relevantes – o que já o tornaria grande dentro da literatura e da cultura portuguesa. Foi antes autor de um extenso e coerente projeto literário. Disso surge a sua principal criação literária: seus heterônimos. Cada heterônimo por si próprio representa uma faceta distinta de um mesmo autor. Mas não simplesmente faces diversas, mas faces que se moldam para em conjunto formar um todo coerente e pensado nos seus pormenores.

Assim, surgiram os heterônimos: Ricardo Reis, Álvaro de Campos e Alberto Caeiro, cada um com sua história e estilo próprio. Diante de cada tendência literária específica Pessoa produz assumindo as identidades de seus heterônimos. Com isso, surge a compreensão de que o poeta português foi autor de um imenso e relevante projeto literário coerente.

Em vida, Pessoa deixou um livro publicado “Mensagem”. Foi uma obra que ele escreveu como ele mesmo (ortônimo) assumindo em seu nome a autoria dos poemas. Costuma-se classificar este livro a partir de duas perspectivas distintas, mas não antagônicas: a lírica e a saudosista-nacionalista.

No que diz respeito à lírica, diversos são os poemas que seguem nesta linha. No poema “Mar português” o poeta escreve: “Ó mar salgado, quanto do teu sal / São lágrimas de Portugal! / Por te cruzarmos, quantas / mães choraram, / Quantos filhos em vão rezaram! / (...) Valeu a pena? Tudo vale a pena / Se a alma não é pequena. / Quem quer passar além do Bojador / Tem que passar além da dor”. (...) O mar representa as conquistas e as vitórias portuguesas embora esta tenha ocorrido em meio ao sofrimento dos navegadores e de suas famílias que ficaram olhando a imensidão do mar, na espera ansiosa do regresso. Bojador era o nome dado a uma região que fica no Marrocos, que nas grandes navegações ficou conhecido como Cabo do Medo devido ao fato de muitas embarcações não conseguirem ultrapassar. Noutra perspectiva, podemos dizer que de acordo com o poema devemos ultrapassar nossos medos e dores para realizarmos nossas conquistas e realizações.

Com relação ao aspecto saudosista-nacionalista, não é difícil de compreendermos que seus primórdios conceituais surgem com a própria perspectiva modernista. Embora o modernismo português tenha se voltado para características mais abrangentes da Europa, a própria ideia modernista já é por si de valorização do ideal de nacionalidade.

No poema QUINTA / D. SEBASTIÃO, REI DE PORTUGAL o poeta faz uma homenagem saudosa e nacionalista a D. Sebastião, último rei da dinastia Avis que tinha o sonho de conquistar Jerusalém para o catolicismo. Sabe-se que este rei sumiu após intensas batalhas para conseguir seus objetivos. Após um terço do exército português ser destruído, procurou-se o rei e este não foi encontrado. A este desejo de conquista, Pessoa se questiona: D. Sebastião queria grandeza? Ele seria um “louco” ou um sonhador? À primeira questão, nosso poeta português responderia pela afirmativa, a segunda diria facilmente que D. Sebastião era um sonhador. Se, por exemplo, substituirmos as palavras “louco” no primeiro verso da primeira estrofe por “sonho” ou “sonhador” podemos perceber mais diretamente este aspecto de homenagem e saudosismo.

Louco, sim, louco, porque quis grandeza

Qual a Sorte a não dá.

Não coube em mim minha certeza;

Por isso onde o areal está

Ficou meu ser que houve, não o que há.

Minha loucura, outros que me a tomem

Com o que nela ia.

Sem a loucura que é o homem

Mais que a besta sadia,

Cadáver adiado que procria?

Mas a loucura ainda assim aqui é vista de forma positiva pelo poeta. Ora, “sem a loucura” o homem poderia ser classificado como um “cadáver adiado que procria”. Isso divide o poema em duas partes, exatamente como estão postas as estrofes seguidas de versos irregulares com rimas ricas e pobres predominando o ritmo binário com rimas cruzadas e emparelhadas. Na primeira estrofe o sujeito se caracteriza como louco que de tão certo a própria certeza não lhe cabe. Na segunda estrofe, o poeta faz uma espécie de divulgação e valorização da loucura a ponto de afirmar que outros a tomem e deem continuidade aos seus anseios de conquista e de grandeza. Outros poemas se seguem neste mesmo tom apontando para aspectos de valorização da identidade nacional portuguesa.

Postumamente os poemas de Pessoa (ortônimo) foram reunidos e publicados em diversas coletâneas. Dentre os que se destacam está um bastante significativo intitulado como “Autopsicografia” onde trata do fazer poético e da verdadeira intenção do poeta.

O poeta é um fingidor

Finge tão completamente

Que chega a fingir que é dor

A dor que deveras sente

Nesta primeira estrofe, o poeta apresente a ideia fundamental do poema, quando, usando uma metáfora, classifica o poeta como fingidor “O poeta é um fingidor”. Obviamente isso não quer dizer que ele seja um mentiroso “finge tão completamente”, mas que consegue se colocar no lugar do outro “que chega a fingir que é dor” e reproduzir para este os sentimentos que ele capta “a dor que deveras sente”, embora ele, o poeta, não necessariamente esteja sentindo no momento em que produz o poema.

E os que lêem o que escreve,

Na dor lida sentem bem,

Não as duas que ele teve,

Mas só a que eles não têm

Categorias: Popular, Jazz, Composição, Poesia, Música, Escatologia
Palavras-chave: poesia

Características

Cover_front_perspective
Número de páginas: 224

Edição: 1(2018)

ISBN: 978-85-923110-6-3

Formato: A5 148x210

Coloração: Preto e branco

Acabamento: Brochura c/ orelha

Tipo de papel: Offset 75g

Reconhecimento

Sobre o autor

Mini
Clebio Jose Pessoa de Melo

Evan do Carmo, Nascido na Paraíba em (29/04/64) é poeta, escritor, romancista, jornalista, músico, filósofo e crítico literário. Fundou e dirigiu o jornal Fakos Universitário. Criou em 2009 a revista Leitura e Crítica. Tem 22 livros publicados, sua obra está disponível em 12 países, (um livro editado em inglês. (O Moralista) Entre outros estão: O Fel e o Mel, Heresia poética, Elogio à Loucura de Nietzsche, Licença Poética, Labirinto Emocional, Presunção, O Cadafalso, Dente de Aço, Alma Mediana, e Língua de Fogo. Participou também com muitos contos em antologias. Foi um dos vencedores do concurso Machado de Assis do SESC DF de 2005. Em 2007 foi jurado na categoria contos do concurso Gente de Talento 2007 promovido pela Caixa Econômica Federal, ao lado de Marcelino Freire. Em 2012 criou e editou até 2015, os Jornais: Correio Brasília, Jornal de Vicente Pires, Jornal de Taguatinga e o Jornal do Gama. Evan do Carmo é estudioso da obra de José Saramago, em 2015 publicou o livro Ensaio Sobre a Loucura, e o livro Reflexões de Saramago, momentos antes de sua morte, o livro nos oferece um panorama perfeito na voz do próprio Saramago em forma de ficção ensaísta, sobre a obra do Nobel Português. Em 2016 criou a Editora do Carmo e o projeto Dez Poetas e Eu, onde já publicou 100 poetas, e o livro Um Brinde à Poesia, uma obra de coautoria com outros poetas contemporâneos.

Palestras e oficinas literárias (61) 8413-0422


Mais publicações desse autor

Demasiado Humano Demasiado Humano Evan do Carmo
R$ 40,90 Impresso
R$ 20,45 Ebook
Atrás da Porta Atrás da Porta Evan do Carmo
R$ 46,81 Impresso
R$ 20,45 Ebook
The Moralist The Moralist Evan do Carmo
R$ 57,02 Impresso
R$ 31,21 Ebook
Eduardo Campos Eduardo Campos Evan do Carmo
R$ 62,92 Impresso
R$ 41,98 Ebook
Robereto Freire Robereto Freire Evan do Carmo
R$ 61,06 Impresso
R$ 41,98 Ebook
Rodrigo Rollemberg Rodrigo Rollemberg Evan do Carmo
R$ 60,48 Impresso
R$ 41,98 Ebook
O moraralista O moraralista Evan do Carmo
R$ 46,53 Impresso
Diante do Nada Diante do Nada Evan do Carmo
R$ 49,89 Impresso
R$ 20,45 Ebook
licença poética licença poética Evan do Carmo
R$ 37,67 Impresso
R$ 15,07 Ebook
100 Frases 100 Frases Evan do Carmo
R$ 26,60 Impresso
R$ 9,69 Ebook
100 Frases 100 Frases Evan do Carmo
R$ 44,38 Impresso
R$ 20,45 Ebook
Doces Palavras Doces Palavras Evan do Carmo
R$ 37,21 Impresso
R$ 18,30 Ebook
presunção presunção Evan do Carmo
R$ 36,92 Impresso
HERESIA POÉTICA HERESIA POÉTICA Evan do Carmo
R$ 38,92 Impresso
Improváveis Poemas Improváveis Poemas Evan do Carmo
R$ 39,99 Impresso
R$ 20,45 Ebook
Alma Mediana Alma Mediana Evan do Carmo
R$ 40,20 Impresso
R$ 9,69 Ebook
Dentes de Aço Dentes de Aço Evan do Carmo
R$ 38,63 Impresso
R$ 15,07 Ebook
Hiato Poético Hiato Poético Evan do Carmo
R$ 38,83 Impresso
R$ 18,30 Ebook
Salve o Leão Salve o Leão Evan do Carmo
R$ 40,44 Impresso
R$ 15,07 Ebook
Língua de Fogo Língua de Fogo Evan do Carmo
R$ 39,00 Impresso
R$ 15,07 Ebook
o fel e o mel o fel e o mel Evan do Carmo
R$ 43,41 Impresso
R$ 15,07 Ebook
Livro do Desassossego Livro do Desassossego Fernando Pessoa
R$ 37,81 Impresso
R$ 9,69 Ebook
DEZ POETAS E EU VOL 2 DEZ POETAS E EU VOL 2 EVAN DO CARMO
R$ 30,38 Impresso
R$ 9,69 Ebook
Desafio Desafio IRANETE DO CARMO
R$ 38,79 Impresso
R$ 20,45 Ebook
Celina Leão Celina Leão Evan do Carmo
R$ 41,06 Impresso
R$ 20,45 Ebook
Dez Poetas e Eu vol 4 Dez Poetas e Eu vol 4 Evan do Carmo
R$ 39,24 Impresso
R$ 20,45 Ebook
DEZ POETAS E EU VOL 7 DEZ POETAS E EU VOL 7 EVAN DO CARMO
R$ 40,65 Impresso
R$ 20,45 Ebook
DEZ POETAS E EU VOL 8 DEZ POETAS E EU VOL 8 EVAN DO CARMO
R$ 41,39 Impresso
R$ 20,45 Ebook
VISÃO DE UM JOVEM SOBRE O MUNDO VISÃO DE UM JOVEM SOBRE O MUNDO GEH-POESIAS
R$ 37,02 Impresso
R$ 20,45 Ebook
DEZ POETAS E EU VOL 6 DEZ POETAS E EU VOL 6 EVAN DO CARMO
R$ 40,81 Impresso
R$ 20,45 Ebook
O AUTODIDATA O AUTODIDATA EVAN DO CARMO
R$ 45,99 Impresso
R$ 20,45 Ebook
Grito e Silêncio Grito e Silêncio Witima Santos
R$ 41,06 Impresso
R$ 20,45 Ebook
SOMBRAS CÁLIDAS SOMBRAS CÁLIDAS ALERTO BIA
R$ 37,93 Impresso
R$ 20,45 Ebook
DEZ POETAS E EU VOL 5 DEZ POETAS E EU VOL 5 EVAN DO CARMO
R$ 40,90 Impresso
R$ 20,45 Ebook
O PEQUENO PRÍNCIPE O PEQUENO PRÍNCIPE Antoine de Saint-Exupéry
R$ 51,43 Impresso
R$ 20,45 Ebook
O Canto Da Cotovia O Canto Da Cotovia Josenira do Nascimento
R$ 37,60 Impresso
R$ 20,45 Ebook
DEZ POETAS E EU VOL 9 DEZ POETAS E EU VOL 9 EVAN DO CARMO
R$ 40,15 Impresso
R$ 20,45 Ebook
SAFIRA SAFIRA IVANILDO BATISTA CHAVES
R$ 49,70 Impresso
R$ 25,83 Ebook
ELOGIO À LOUCURA DE NIETZSCHE ELOGIO À LOUCURA DE NIETZSCHE Evan do Carmo
R$ 41,02 Impresso
R$ 15,07 Ebook
INSEPARÁVEIS INSEPARÁVEIS Victor Almeida
R$ 38,59 Impresso
R$ 16,14 Ebook
Dez poetas e Eu Dez poetas e Eu Evan do Carmo
R$ 46,32 Impresso
R$ 9,69 Ebook
DEZ POETAS E EU VOL 10 DEZ POETAS E EU VOL 10 EVAN DO CARMO
R$ 40,48 Impresso
R$ 20,45 Ebook
Um Brinde à Poesia Um Brinde à Poesia Evan do Carmo
R$ 39,49 Impresso
R$ 20,45 Ebook
AS MÁSCARAS DO DESTINO AS MÁSCARAS DO DESTINO FLORBELA ESPANCA
R$ 42,98 Impresso
R$ 20,45 Ebook
CRUZ E SOUSA CRUZ E SOUSA CRUZ E SOUSA
R$ 74,26 Impresso
R$ 31,21 Ebook
O PRIMO BASÍLIO O PRIMO BASÍLIO Eça de Queirós
R$ 53,85 Impresso
R$ 20,45 Ebook
AGUIDAR DE SAUDADES AGUIDAR DE SAUDADES ALUFA-LICUTA OXORONGA
R$ 38,09 Impresso
R$ 20,45 Ebook
O sentimento na Escrita O sentimento na Escrita Adão Zina
R$ 49,43 Impresso
R$ 9,69 Ebook
MULHER MULHER EVAN DO CARMO
R$ 38,79 Impresso
R$ 20,45 Ebook
ÚTERO DE PEDRA ÚTERO DE PEDRA ALUFA-LICUTA OXORONGA
R$ 39,12 Impresso
R$ 20,45 Ebook
POESIAS DO COTIDIANO POESIAS DO COTIDIANO JÂNIO VARELA
R$ 38,71 Impresso
R$ 20,45 Ebook
DOS SOCOVÕES DA ALMA DOS SOCOVÕES DA ALMA Alufa-Licuta Oxoronga
R$ 44,17 Impresso
R$ 20,45 Ebook
O HOMEM E O RIO O HOMEM E O RIO Alufa-Licuta Oxoronga
R$ 43,27 Impresso
R$ 20,45 Ebook
NOSTALGIA NOSTALGIA VALMAR PEDRO
R$ 38,50 Impresso
R$ 9,69 Ebook
Antologia Poética Antologia Poética Evan do Carmo
R$ 61,89 Impresso
R$ 20,45 Ebook
DEZ POETAS E EU DEZ POETAS E EU EVAN DO CARMO
R$ 45,66 Impresso
R$ 20,45 Ebook
CRISTAL SOB O CHÃO CRISTAL SOB O CHÃO Alufa-Licuta Oxoronga
R$ 43,93 Impresso
R$ 20,45 Ebook
Reflexões de Saramago Reflexões de Saramago Evan do Carmo
R$ 61,18 Impresso
R$ 31,21 Ebook
DEVANEIOS DEVANEIOS Clebio Jose Pessoa de Melo
R$ 38,50 Impresso
R$ 20,45 Ebook
MINHA LUTA MINHA LUTA ADOLF HÍTLER
R$ 77,89 Impresso
R$ 41,98 Ebook
ALICERCE ALICERCE CARMELITA RIBEIRO
R$ 30,26 Impresso
R$ 20,45 Ebook
O CADAFALSO O CADAFALSO EVAN DO CARMO
R$ 40,48 Impresso
R$ 15,07 Ebook
O VERBO E O HOMEM O VERBO E O HOMEM ALUFA-LICUTA OXORONGA
R$ 45,21 Impresso
R$ 20,45 Ebook
REI LEAR REI LEAR SHAKESPEARE
R$ 44,55 Impresso
R$ 20,45 Ebook
O QUE HÁ ENTRE NÓS? O QUE HÁ ENTRE NÓS? KAREN BEATRIZ
R$ 37,72 Impresso
R$ 20,45 Ebook
Arruda Arruda Evan do Carmo
R$ 64,94 Impresso
R$ 41,98 Ebook
Agnelo Queiroz Agnelo Queiroz Evan do Carmo
R$ 63,70 Impresso
R$ 41,98 Ebook
LIBERTA-TE MÃE AFRICA LIBERTA-TE MÃE AFRICA ERNESTO MOAMBA
R$ 39,37 Impresso
R$ 9,70 Ebook
MEU MAR MEU MAR JUVENAL BUCUANE
R$ 45,29 Impresso
R$ 25,83 Ebook
LABIRINTO EMOCIONAL LABIRINTO EMOCIONAL EVAN DO CARMO
R$ 48,75 Impresso
R$ 16,14 Ebook
ENSAIO SOBRE A LOUCURA ENSAIO SOBRE A LOUCURA Evan do Carmo
R$ 50,67 Impresso
R$ 31,21 Ebook
ORVALHO DE TERNUR ORVALHO DE TERNUR DÉLIA PORTO
R$ 44,71 Impresso
R$ 20,45 Ebook
BREJO DE MARIA BREJO DE MARIA ALUFA-LICUTA OXORONGA
R$ 43,43 Impresso
R$ 20,45 Ebook
ATRAVESSAMENTOS ATRAVESSAMENTOS ANA MEIRELES
R$ 43,84 Impresso
R$ 20,45 Ebook
A MENINA DOS CABELOS DE OURO A MENINA DOS CABELOS DE OURO EVAN DO CARMO
R$ 44,12 Impresso
R$ 20,45 Ebook
CAIS DO RESGATE CAIS DO RESGATE ALERTO BIA
R$ 36,77 Impresso
R$ 20,45 Ebook
HAVIA UMA PEDRA HAVIA UMA PEDRA EVAN DO CARMO
R$ 45,00 Impresso
R$ 25,83 Ebook
SOMOS POESIA SOMOS POESIA JUNIOR DA PRATA
R$ 38,55 Impresso
R$ 9,69 Ebook
EM NOME DO PAI EM NOME DO PAI GENIVALDO SALGADO
R$ 39,45 Impresso
R$ 20,45 Ebook
CATARSE CATARSE EVAN DO CARMO
R$ 41,56 Impresso
R$ 20,45 Ebook
ENTRE A VIDA E O VERSO ENTRE A VIDA E O VERSO DA SILVA JUNIOR
R$ 46,20 Impresso
R$ 20,45 Ebook

Comentários - 0 comentário(s)


Fale com o autor

*Seu nome

*Seu email

*Mensagem


Como funciona

Passo 1

Você publica seu livro online, gratuitamente.

Passo 2

Você diz quanto quer receber de direitos autorais.

Passo 3

Nós vendemos e você recebe o dinheiro por depósito direto na sua conta.

Serviços profissionais

Conheça nossos serviços

São vários serviços para auxiliá-lo em sua obra:

Depoimentos

"Acho que o Clube de Autores está revolucionando a ato de escrever no Pais. Ao democratizar o direito à fala escrita o Clube não só estimula as pessoas naquilo que lhes é único (ou seja, a capacidade de criar), como também a interagir neste mundo virtual. Na verdade, o Clube está antecipando o a..."

Felicíssimo Cardoso Neto

Formas de Pagamento (até 12x)

Segurança

Print


Clube de Autores Publicações S/A   CNPJ: 16.779.786/0001-27

Rua Otto Boehm, 48 Sala 08, América - Joinville/SC, CEP 89201-700