A TRANSFORMAÇÃO DO SUJEITO EM SI MESMO E A FÉ COMO RELAÇÃO ABSOLUTA COM O ABSOLUTO EM KIERKEGAARD
Abraão, “Pai da Fé” e “Amigo de Deus”, como protótipo de um novo ser e de um novo modo de existência
Categorias
Filosofia / Religião, Ética E Filosofia Moral, Epistemologia, Teologia, Filosofia, Ciências da Religião
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 1217 vezes desde 14/01/2019
Versão
impressa
R$ 49,79
Valor total:
R$ 49,79
Valor total:
R$ 49,79
Este livro pode estar à venda na:
Sinopse

"Chegaram ao lugar que Deus lhe havia designado; ali edificou Abraão um altar, sobre ele dispôs a lenha, amarrou Isaque, seu filho, e o deitou no altar, em cima da lenha; e, estendendo a mão, tomou o cutelo para imolar o filho. Mas do céu lhe bradou o Anjo do SENHOR: Abraão! Abraão! Ele respondeu: Eis-me aqui! Então, lhe disse: Não estendas a mão sobre o rapaz e nada lhe faças; pois agora sei que temes a Deus, porquanto não me negaste o filho, o teu único filho. Tendo Abraão erguido os olhos, viu atrás de si um carneiro preso pelos chifres entre os arbustos; tomou Abraão o carneiro e o ofereceu em holocausto, em lugar de seu filho. E pôs Abraão por nome àquele lugar - O SENHOR Proverá. Daí dizer-se até ao dia de hoje: No monte do SENHOR se proverá." [Gn 22.9-14]

Atribuindo à ironia a possibilidade de exercício da liberdade subjetiva, Kierkegaard sublinha a negatividade absoluta de tal processo em Sócrates, convergindo para assinalar o absoluto e irredutível valor do indivíduo em um movimento que envolve o início absoluto da vida pessoal entre criar-se e deixar-se criar (poeticamente), cuja construção encerra a tensão inaplacável entre existência e transcendência e implica a necessidade de tornar-se subjetivo, haja vista que a verdade consiste na transformação do sujeito em si mesmo entre a vertigem da liberdade e o paradoxo da fé. Dessa forma, o prof. Luiz Carlos Mariano da Rosa mostra que, baseado na ordem de Deus para sacrificar o seu filho, Isaque, Abraão instaura uma nova experiência existencial, segundo o referencial teórico de Mircea Eliade, pois pelo ato de fé supera a condição mítico-religiosa e institui uma relação absoluta com o Absoluto, conforme a leitura teológico-filosófica de Kierkegaard, o que implica a intervenção do Eterno no temporal, a manifestação do Deus-Homem Jesus Cristo que, de acordo com a perspectiva teológico-bíblica católico-protestante, possibilita a realização de um novo ser e de um novo modo de existência.

"A fé é a mais alta paixão de todo homem." [Kierkegaard]

Características
ISBN 978-85-68078-08-2
Número de páginas 179
Edição 1 (2019)
Formato A5 (148x210)
Acabamento Brochura c/ orelha
Coloração Preto e branco
Tipo de papel Couche 90g
Fale com o autor
Luiz Carlos Mariano da Rosa

Filósofo, Teólogo e Cientista da Religião, o Professor-Pesquisador Luiz Carlos Mariano Da Rosa tem como objeto de interesse a construção do conhecimento e a inter-relação que envolve as formas simbólicas constitutivas da “realidade” humana, tais como mito e filosofia, ciência e história, arte e linguagem, religião, entre outras, além dos princípios capazes de assegurar uma sociedade igualitária e uma ordem política baseada no interesse comum. Autor de uma produção acadêmico-científica de caráter interdisciplinar, multidisciplinar e transdisciplinar, que tem como principais áreas de investigação a Teoria do Conhecimento, a Filosofia da Educação, a Filosofia Política, a Filosofia da Religião e a Teologia Filosófica, o Professor-Pesquisador Luiz Carlos Mariano Da Rosa traz em seu currículo acadêmico diversos artigos científicos e vários livros publicados pelas editoras e revistas especializadas nacionais e internacionais.

Comentários
0 comentários