Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO
APOCALIPSE
A REVELAÇÃO DE JESUS CRISTO
Categorias
Escatologia, Religião, Teologia, Bíblia
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 169 vezes desde 12/05/2020
Versão
impressa
R$ 35,03
Valor total:
R$ 35,03
Versão
ebook
R$ 15,07
Disponível em:
epub
Valor total:
R$ 35,03
Este ebook também pode estar à venda na:
Sinopse

APOCALIPSE

A Revelação de Jesus Cristo

Os últimos dias

PREFÁCIO

Apocalipse

Importância Histórica

As Escrituras do (NT) seriam incompletas, deixariam os leitores em um estado de ânimo mais ou menos depressivo, se este livro não fosse escrito e incluído no Cânon. Ele não é somente o último livro no arranjo canônico de nossa Bíblia, mas é necessariamente a conclusão das revelações divinas ao homem.

Esta verdade foi brilhantemente apresentada por T. D. Bernard em suas famosas Bampton Lectures for 1864, The Progress of Doctrine in the New Testament. “Não sei como algum homem, terminando as Epístolas, poderia esperar descobrir a história subsequente da Igreja essencialmente diferente do que ela apresenta. Naquelas obras nos parece, como é na realidade, que não testemunhamos algumas tempestades passageiras que desanuviam a atmosfera, mas sentimos o todo da atmosfera carregado com os elementos da futura tempestade e morte. Cada momento as forças do mal se mostrara mais claramente. Elas são enfrentadas, mas não dissipadas... as últimas palavras do apóstolo Paulo na segunda Epístola a Timóteo, e as de S. Pedro em sua segunda Epístola, com as Epístolas de S. João e S. Judas, têm a linguagem de um tempo no qual as tendências daquela história expuseram-se distintamente; e nesse sentido essas cartas formam um prelúdio e uma passagem para o Apocalipse. Assim, chegamos a este livro com lacunas que ele pretende preencher; aproximamo-nos dele como homens, que além de estarmos pessoalmente em Cristo, sabemos o que temos Nele como indivíduos, também, na qualidade de membros do Seu corpo, participamos de uma vida incorporada, no aperfeiçoamento da qual somos aperfeiçoados, e em cuja glória o nosso Senhor está glorificado. Por este aperfeiçoamento e glória esperamos em vão, entre as confusões do mundo, e as formas malignas sempre ativos e mutantes. Qual é o significado deste cenário selvagem? Qual será o seu resultado? E qual a perspectiva que há na realização daquilo que desejamos? Para um estado mental como este, e para as lacunas que envolvem, é que esta última parte dos ensinamentos de Deus foi assim, de acordo com aquele sistema de doutrina progressiva que tenho me esforçado em ilustrar, em que cada estágio de progresso resulta numa sequência natural do efeito daquele que o precede”.

De todos os livros da Bíblia, este é aquele que certamente deve ser considerado como o livro do fim dos séculos. Portanto, poderia parecer que nestes últimos trinta anos, o mundo Ocidental, incluindo os seus estadistas, cientistas, economistas e ensaístas, o têm, consciente ou inconscientemente, reconhecido. Isto é especialmente verdadeiro no que se refere ao uso da palavra apocalipse. Esta palavra tem representado uma era de sublevação, as condições do mundo cheias de terríveis consequências, o desencadeamento de grandes poderes que o homem sozinho parece incapaz de controlar. Martin Kiddle, o autor do livro sobre o Apocalipse, no Comentário de Moffatt, refere-se à notável relevância da mensagem deste livro para a igreja nestes nossos dias. É apenas mais um exemplo da sanção divina, e do significado eterno das visões de João. Sempre que há uma crise mundial e sempre que o Estado se exalta, exige submissão que os cristãos sabem que não lhe podem dar sem renunciar suas próprias almas e sempre que a Igreja fica ameaçada de destruição, a fé bruxuleia e os corações são frios, o Apocalipse adverte e exorta a edificar e encorajar a todos quanto dão atenção a sua mensagem.

Este é supremamente o livro de um mundo, e certamente agora, no meio deste século vinte, estamos nos aproximando dessa condição de um mundo só. Frequentemente no Apocalipse encontramos frases tais como estas: “Muitos povos, nações, línguas e reis” (Apocalipse 10.11; 11.9; 17.15), que sugerem o escopo universal da visão. Quando os reis são apresentados, são “reis do mundo inteiro” (Apocalipse 16.14; 17.2,18; 18.9; 19.19). De Satanás diz-se que ele é o enganador de “todo o mundo” (Apocalipse 12.9). Todas as nações fornicaram com a meretriz (Apocalipse 18.3,23). O boicote econômico imposto pela besta cobre toda a humanidade (VS.16-17). Na verdade, a besta do mar recebeu “autoridade sobre cada tribo, povo, língua e nação” (Apocalipse 13.7); e dá-se dela, “adorá-lo-ão todos os que habitam sobre a terra” (Apocalipse 13:8). Há um grande significado no fato de que quando chega o momento de Cristo assumir o Seu lugar de direito como Rei dos reis e Senhor dos senhores, a palavra usada para o governo deste mundo está no singular “o reino do mundo”. (Apocalipse 11. 15)

Este livro é notavelmente um livro para uma era de perturbação, para um século, onde, as trevas se espessarão, o medo se espalhará por toda a humanidade, e poderes monstruosos, ímpios e maus, aparecerão no palco da história (como aparecem neste livro). Mas encontramos nele conforto e estímulo: Deus sabe todas as coisas desde o começo, até mesmo as tribulações do Seu próprio povo. Contudo, o final deste conflito, a perseguição, a tribulação, o martírio, será determinado por Cristo, quando Ele, finalmente for vitorioso. O pecado e Satanás e toda a corte de Satanás serão derrotados para sempre; e os crentes estarão com o Filho de Deus na glória para sempre.

Mesmo se todas essas coisas não fossem verdadeiras, e especialmente verdadeiras para o nosso século, não deveríamos nos esquecer de que é o único livro da Bíblia que enuncia uma bem-aventurança para o que ouve, lê e obedecem às suas palavras: “Bem-aventurados aqueles que leem, e aqueles que ouvem as palavras da profecia e guardara as coisas nela escritas”. (Apocalipse 1.3; 22.7)

Finalmente, é neste livro que alguns dos maiores temas da revelação divina são concluídos dramaticamente. Aqui as profecias referentes ao Cristo, o Rei dos reis, são desdobradas em sua plenitude, e se cumprem. Aqui, palavras tais como tabernáculo, templo, paraíso, Babilônia, etc., assumem sua conotação espiritual suprema. Aqui todas as promessas de uma vida em glória concentram-se no quadro maravilhoso da Cidade Santa. Temos aqui o destino final de Satanás, do Anticristo, os falsos profetas e todos os inimigos de Deus. Aqui os reis rebeldes do (Salmo 2) encontram-se finalmente sob os pés do Cordeiro de Deus.

Autor: Através dos séculos algumas dúvidas têm sido lançadas sobre a autenticidade deste livro. Neste comentário não há espaço para a exposição dos argumentos levantados contra a autoria joanina, mas temos de considerar os fatos que atestam que o Apóstolo João é o autor: Quatro vezes neste livro o nome do autor foi inserido (Apocalipse 1.1,4,9; 22.8); até a primeira metade do século II, era convicção da Igreja de que João era o autor. Sejam quais forem às peculiaridades gramaticais deste livro, existem inumeráveis semelhanças entre o vocabulário do Evangelho de João e o do Apocalipse. “Um elo importante que une estas obras”, destaca Gloag, “é a aplicação do termo Logos a Jesus Cristo. Este termo é sem dúvida joanino; não foi empregado em nenhum outro lugar das Escrituras, e, contudo, aparece no Apocalipse: “Está vestido com um manto tinto de sangue; e o seu nome se chama o verbo de Deus” (Apocalipse 19.13). Da mesma forma a palavra o Cordeiro, não simplesmente como emblema ou símbolo de Cristo, mas o próprio Cristo, é peculiar a João; como quando no Evangelho se diz, Eis o Cordeiro de Deus, e no Apocalipse, então vi, no meio do trono e dos seres viventes e entre os anciãos, de pé, um Cordeiro como tinha sido morto (Apocalipse 5.6). É verdade que a palavra grega é diferente, ho amnos usado no Evangelho e to amion no Apocalipse, mas a ideia de que Jesus Cristo é o Cordeiro é comum a ambos. A palavra alethinos, aquilo que é verdadeiro, foi usada dez vezes no Apocalipse, nove vezes no Quarto Evangelho, quatro vezes na Epístola, e apenas uma vez nas Epístolas paulinas. Da mesma forma, aquele que vence (nikos), uma expressão favorita na Epístola, aparece muitas vezes no Apocalipse, como por exemplo na conclusão das cartas às sete igrejas e em outras passagens da obra: “O vencedor herdará estas cousas” (Apocalipse 21.7). O verbo skênoô, tabernacular, que só se encontra nas obras joaninas, foi usado no Evangelho, com evidente referência ao Shequiná, do Logos tabernaculando entre os homens (Apocalipse 1.14), e foi quatro vezes empregado no Apocalipse com referência a Deus. Eis o tabernáculo de Deus com os, homens, Deus habitará com eles (tabernaculará) (Apocalipse 21.3) ”. (P.J. Gloag, Introduction to the Johannine Writings, pág. 306, 307)

Características
Número de páginas 100
Edição 4 (2017)
Formato A5 (148x210)
Acabamento Brochura c/ orelha
Coloração Preto e branco
Tipo de papel Offset 75g
Fale com o autor
Pastor Geovaldo Barroso

Geovaldo Barroso, bacharel em segurança pública, pastor evangélico, casado com a pastora Moza Barroso, vice-presidente da CC Cristã Terra Nova, Bacharel em Teologia, Faculdade Teológica Alfa e Ômega (FATAL-BA), líder da Escola Bíblica Teológica a Distância (EBTAD). Eusébio-CE-Brasil.

Mais publicações desse autor
Ver a lista completa
Impresso
R$ 34,37
Ebook
R$ 15,07
Impresso
R$ 34,78
Ebook
R$ 15,07
Impresso
R$ 37,58
Ebook
R$ 15,07
Impresso
R$ 35,69
Ebook
R$ 15,07
Impresso
R$ 32,96
Ebook
R$ 15,07
Impresso
R$ 36,51
Ebook
R$ 15,07
Impresso
R$ 33,46
Ebook
R$ 15,07
Impresso
R$ 38,49
Ebook
R$ 15,07
Impresso
R$ 40,81
Ebook
R$ 15,61
Impresso
R$ 34,04
Ebook
R$ 15,07
Impresso
R$ 35,69
Ebook
R$ 15,07
Impresso
R$ 32,88
Ebook
R$ 15,07
Publicações relacionadas
Ver a lista completa
Impresso
R$ 55,35
Ebook
R$ 26,91
Impresso
R$ 30,56
Ebook
R$ 11,84
Impresso
R$ 33,87
Ebook
R$ 13,99
Impresso
R$ 34,45
Ebook
R$ 13,99
Impresso
R$ 39,65
Ebook
R$ 15,07
Impresso
R$ 39,60
Ebook
R$ 13,29
Impresso
R$ 47,81
Ebook
R$ 20,45
Comentários
0 comentários