CARTAS DE LINCOLN
E OUTROS ESCRITOS
Categorias
Presidentes E Chefes De Estado, Histórico, Democracia, Geografia E Historia, Ciência Política, Biografia
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 1851 vezes desde 25/11/2017
Versão
impressa
R$ 45,98
Coloração
Acabamento
Valor total:
R$ 45,98
Versão
ebook
R$ 22,60
Disponível em:
PDF
Valor total:
R$ 45,98
Este ebook também pode estar à venda na:
Sinopse

“Todo homem tem sua peculiar ambição. Seja verdade ou não, posso dizer que não tenho outra tão grande como ser verdadeiramente estimado por meus semelhantes, tornando-me digno de sua estima. Até onde eu conseguirei satisfazer essa ambição ainda estou para descobrir. Sou jovem e desconhecido para muitos de vocês. Eu nasci e sempre fiquei nos mais humildes caminhos da vida. Não tenho relações ricas ou populares para me recomendarem. Meu caso é lançado exclusivamente para os eleitores independentes deste município, e, se eleito, eles terão conferido um favor a mim para o qual eu vou estar incessante em meus trabalhos para compensar. Mas se as pessoas boas, na sua sabedoria, acharem oportuno manter-me distante, fiquei muito familiar com decepções para guardar qualquer rancor.”

No dia 12 de fevereiro de 1809, Abraham Lincoln nasceu em uma cabana de madeira em uma região pouco habitada do Kentucky. Mais tarde, no mesmo ano, William E. Gladstone nasceu em uma casa confortável na próspera cidade de Liverpool.

Naquela época, ninguém, nem nos Estados Unidos nem na Inglaterra, teria sido suficientemente precipitado para prever que, cinquenta e dois anos depois, Lincoln e Gladstone seriam líderes de seus respectivos povos, aquele como um presidente recém eleito, o outro como a figura dominante no gabinete inglês.

No entanto, no caso de Gladstone, a previsão não teria sido prematura. Seu pai era um homem de grande fortuna que se sentou no Parlamento há muitos anos. O filho teria a melhor educação escolar e universitária que a posição familiar e a riqueza poderiam adquirir. Ele não precisaria ganhar a vida trabalhando e poderia dedicar todo o seu tempo e energia à vida pública.

Os pais de Abraham Lincoln, por outro lado, eram pioneiros pobres, embora não mais pobres do que a maioria de seus vizinhos. O pai mal podia ler e escrever, a mãe só sabia fazer sua marca. O menino cresceria até a maturidade trabalhando como lenhador, cortando cercas, em fazendas e não aprenderia nas escolas improvisadas que a região oferecia mais do que a ler, escrever e fazer aritmética simples. Depois de se afastar por conta própria, ele ganharia a vida como funcionário em uma loja de fronteira, como chefe de posto da aldeia e como topógrafo das terras virgens que os novos colonos estavam tomando.

Mesmo depois que Lincoln estava bem avançado na vida, não deu nenhum sinal de grandeza futura. Ele serviu quatro termos na legislatura estadual, mas centenas de outros homens também eram membros desse corpo. Durante o seu mandato, no Congresso, não se distinguiu, e se ele concorresse novamente, não poderia ter sido reeleito. Na prática da lei - para a qual treinou - ficou bem, mas ninguém o teria incluído entre os eminentes advogados americanos do seu tempo.

Aos quarenta e cinco anos ele estava inativo na política há vários anos. Mas no ano em que ele atingiu essa idade - 1854 - o Ato Kansas-Nebraska foi aprovado. O efeito do projeto de lei foi abrir territórios federais, ainda não organizados como estados, para a escravidão. Lincoln, despertado como nunca antes, voltou a entrar na política e fez tudo o que estava ao seu alcance para revogar a nova legislação. O Partido Republicano surgiu. Dentro de dois anos ele seria o líder reconhecido em Illinois.

Em 1858, Stephen A. Douglas, senador de Illinois, declarou que Lincoln era a escolha unânime de seu partido para se opor ao homem que, como patrocinador do Ato Kansas-Nebraska, personificava a política que representava. Na campanha que se seguiu, Lincoln, apesar de mal sucedido, ganhou a audiência e uma reputação nacionais. Dois anos depois, a Convenção Nacional Republicana o escolheu como candidato presidencial. Com os democratas divididos, ele ganhou as eleições.

Lincoln assumiu o cargo em 4 de março de 1861, um homem não experimentado. Ele tinha experiência legislativa; possuía uma mente lógica e a capacidade de reduzir problemas complexos em termos simples. No entanto, não havia nada em sua vida para prepará-lo para a provação que enfrentou. Levou o desafio magnificamente e guiou a nação através de quatro anos de guerra pela tentativa decidida do Sul de separar-se da União.

Ao mesmo tempo em que ele estava sobrecarregado, quase além da resistência, escreveu algumas das prosas mais sublimes que se encontram na língua inglesa. A totalidade da escrita realmente excelente de Lincoln não é grande. Incluiria meia dúzia de cartas e alguns discursos. Mas o que outros escritores, dedicando suas vidas à criação de literatura pura, poderiam ter feito mais? E quem, no melhor dos casos, superou o melhor trabalho desse homem que nunca dominou completamente as sutilezas da composição, que não lia quase nada?

Características
Número de páginas 44
Edição 1 (2017)
Formato A4 (210x297)
Acabamento Brochura
Tipo de papel Offset 75g
ADEILSON NOGUEIRA

ADEILSON SANTANA NOGUEIRA — Nascido em Estância-SE, em 30/06/1969, filho de Francisco de Carvalho Nogueira (I.M.) e de Maria Aldeiza Santana Nogueira, desde cedo apresentou interesse pela literatura e pela poesia, tanto é assim que, aos 11 já escrevia os primeiros poemas, com premiação em concurso de poesia no Colégio Costa e Silva, em Aracaju, cuja temática era a discriminação racial, também obtendo premiações na cidade de Lagarto, no Colégio Polivalente. Aos 10 anos, recebeu das mãos do Prefeito Heráclito Rollemberg, em Aracaju, o Certificado que lhe concedia o título de secretário mirim da educação. Em 1987 teve poemas publicados em dois livros no Rio de Janeiro: Brasil Literário (Crisalis Editora) e Poesia Brasileira (Shogun Editora e Arte), além de diversos escritos para o Jornal de Campos, Styllo, Primo Notícias, em Tobias Barreto, Folha da Jhô, em Lagarto, e Jornal da Manhã e Jornal da Cidade, em Aracaju. Jornalista e escritor, é autor de diversos livros, a exemplo da “Cartas de Amor”, “Um Poema para Você”, “Versos Dispersos e Prosa Esparsa”, “Exemplos que Edificam”, Rádio Novela “Gavião Rasteira e o Zoológico do Inferno”, “Lições que não Esqueci”, “Anos de Roubalheira”, “O Encontro”, “Épicos”, “Política”, “Mandacaru, A Origem” e “Julio Cesar”, “Pascal”, “Nogueira” “Cartas de Tobias”. Em 1987, a convite, fez um programa direcionado à cultura na Rádio Progresso de Lagarto, fato que o estimulou a fazer o curso de radialista na cidade de Itabuna-BA, tendo passado pela Rádio Progresso, Rádio Clube de Itapicuru, Rádio Luandê FM e Rádio Imperatriz (atual Ilha AM). Em 1999, ocupava o cargo de assessor de Comunicação na Prefeitura de Tobias Barreto, onde coordenou o Jornal Cidadania pra valer, de publicação mensal, na gestão do então prefeito Diógenes Almeida, fazendo parte, também, do colegiado das Políticas Educacionais. Professor desde 1988, prestou serviços à educação nos Colégios Monsenhor Basilíscio Raposo, Colégio Nsª Srª Menina, Ranchinho Feliz, Educandário Nsª Srª do Carmo, Colégio Cenecista Arnaldo Dantas, na Barra dos Coqueiros, além do SENAC e do CENAPE – curso pré-vestibular. Sempre que possível, levou oficiais da polícia militar à sala de aula para darem palestras contra o uso de entorpecentes. Em 1992, viajou para o Japão, onde trabalhou na Mitsubishi Motors Corporation, sediada na cidade de Nagoya, retornando em 1994. Primeiro representante da Anistia internacional em Sergipe, foi graças ao seu esforço decisivo junto ao Ministério da Justiça do Governo Peruano, sob a ditadura Fujimori, que a Anistia conseguiu a liberdade para um outro professor, injustamente encarcerado por comentar questões políticas em sala de aula. No Brasil e no Japão comandou greves, neste último, conheceu de perto a perseguição promovida pelos sindicatos patronais ao proletariado.

De 2005 a 2012, ocupou o cargo de Assessor Jurídico na Prefeitura Municipal de Tobias Barreto, de onde presidiu a comissão responsável pelo 2º Concurso Público na gestão da então prefeita Marly Barreto, além de colaborar na Lei que criou o Plano Diretor, entre tantas outras. Membro da Academia Tobiense de Letras e Artes – ATLAS, da qual é o atual presidente (biênio 2015-2017).

Numismata desde os seis anos de idade, suas 10 palestras sobre coleção de moedas antigas, registradas em DVD’s, viajaram pelos quatro cantos do País, para os Estados Unidos e Europa, tendo seu nome sempre lembrado nos encontros de colecionadores por todo o País.

Mais publicações desse autor
Ver a lista completa
Impresso
R$ 40,28
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 53,07
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 43,32
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 73,38
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 72,34
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 67,23
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 80,66
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 40,28
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 78,66
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 79,54
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 89,54
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 75,06
Ebook
R$ 22,60
Publicações relacionadas
Ver a lista completa
Impresso
R$ 35,97
Ebook
R$ 13,99
Impresso
R$ 45,80
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 40,28
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 40,28
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 45,24
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 35,11
Ebook
R$ 13,99
Impresso
R$ 25,32
Ebook
R$ 11,84
Impresso
R$ 39,54
Ebook
R$ 38,75
Impresso
R$ 40,76
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 96,03
Ebook
R$ 44,13
Comentários
0 comentários