HISTÓRIA MONETÁRIA PTOLEMAICA
Categorias
Historiografia, Egito, Antigo, Não Ficção, Geografia E Historia, Educação
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 854 vezes desde 29/04/2018
Versão
impressa
R$ 40,28
Coloração
Acabamento
Valor total:
R$ 40,28
Versão
ebook
R$ 22,60
Disponível em:
PDF
Valor total:
R$ 40,28
Este ebook também pode estar à venda na:
Sinopse

O verdadeiro colecionador distingue-se não só pelo seu desejo de deter as moedas, mas também pela sua necessidade de conhecimento que o impulsiona a estudar os objetos que vai reunindo.

Durante o período humanístico, os intelectuais voltaram o olhar para a antiguidade com grande interesse, objetivando captar o espírito e a vida de seus gloriosos antepassados. Neste processo, não só analisaram grandes obras literárias e artísticas, como também objetos que falam do passado, como as moedas.

Um dos primeiros autênticos e grandes colecionadores foi o poeta Francesco Petrarca (1304-1374), que compreendeu a importância documental da numismática e reuniu moedas da época imperial com intensa paixão. O próprio poeta escreveu: «Acima de tudo, gosto de estudar as antiguidades... Muitas vezes encontrei em Roma vinicultores com uma joia antiga nas mãos ou uma moeda de prata ou de ouro, que descobrira com seu arado. Eu as comprava para tentar reconhecer as efígies dos heróis primitivos». Desta forma, pouco a pouco e com grande empenho, conseguiu reunir uma coleção de moedas romanas extremamente importante. Para Petrarca, as moedas, assim como qualquer outro vestígio do passado, deveriam servir de lição de moral, segundo demonstra um episódio que ele próprio viveu: Durante o inverno de 1354, o imperador Carlos IV estava passando por Mântua e quis conhecer o poeta, já famoso na época. Francesco Petrarca foi ao encontro do imperador e presenteou-o com algumas moedas romanas de ouro e de prata da época imperial, para que ele pudesse conhecer e se igualar aos Césares representados. Carlos IV deve ter gostado muito do obséquio e presenteou o poeta com outra moeda. Infelizmente, nada se sabe sobre as peças da sua

coleção (com exceção de um áureo de Augusto ao qual ele se refere numa das cartas Ad Familiares), nem sobre seu paradeiro.

Poucos objetos como as moedas nos colocam em contato tão direto com o passado. Quem toca uma moeda se sente vinculado aos homens do passado que também a manipularam e utilizaram, sem distinções entre origem ou classe social, desde o soldado ou artesão até o nobre.

O interesse pela numismática e pelo colecionismo aumentou de maneira considerável durante o Renascimento. Naquele período, o amor pela antiguidade clássica, pela beleza, pelo homem e suas mais elevadas expressões da arte e do engenho impulsionaram príncipes, soberanos e pontífices a conhecer e colecionar as belíssimas moedas do passado. Destaquemos, dentre tantos outros: O explorador Ciríaco de Ancona, que expôs sua coleção em Veneza em 1432; Andreolo Giustiniani, detentor de uma boa coleção em Gênova; e Niccolò Niccoli, de Florença, falecido em 1437. Em Nápoles, Alfonso de Aragão (1442-1458) mandou reunir e classificar moedas gregas e romanas que, guardadas em arca de marfim, costumava levar sempre consigo para que pudesse recordar as grandes virtudes das civilizações que o precederam. Em Ferrara, em 1430, Lionello de Este dedicava-se à numismática e seus sucessores gravaram uma contrassenha em forma de águia nas peças das suas coleções.

Para encerrar, deixo aqui as palavras de Bento Morganti, no livro Nummismatologia, publicado em Lisboa, no longínquo ano de 1737, no Prólogo: "A quem ler": "Se não te agradar o estylo, e o methodo, que sigo, terás paciência, porque não posso saber o teu gênio; mas se lendo encontrares alguns erros, (como pode suceder, que encontres) ficar-te-hey em grande obrigação se deles me advertires, para que emendando-os fique o teu gosto mais satisfeito."

Características
Número de páginas 26
Edição 1 (2018)
Formato A4 (210x297)
Acabamento Brochura
Tipo de papel Offset 75g
ADEILSON NOGUEIRA

ADEILSON SANTANA NOGUEIRA — Nascido em Estância-SE, em 30/06/1969, filho de Francisco de Carvalho Nogueira (I.M.) e de Maria Aldeiza Santana Nogueira, desde cedo apresentou interesse pela literatura e pela poesia, tanto é assim que, aos 11 já escrevia os primeiros poemas, com premiação em concurso de poesia no Colégio Costa e Silva, em Aracaju, cuja temática era a discriminação racial, também obtendo premiações na cidade de Lagarto, no Colégio Polivalente. Aos 10 anos, recebeu das mãos do Prefeito Heráclito Rollemberg, em Aracaju, o Certificado que lhe concedia o título de secretário mirim da educação. Em 1987 teve poemas publicados em dois livros no Rio de Janeiro: Brasil Literário (Crisalis Editora) e Poesia Brasileira (Shogun Editora e Arte), além de diversos escritos para o Jornal de Campos, Styllo, Primo Notícias, em Tobias Barreto, Folha da Jhô, em Lagarto, e Jornal da Manhã e Jornal da Cidade, em Aracaju. Jornalista, Radialista, Bacharel em Direito, Escritor, Tutor em EAD e Docente do Ensino Superior, possui mais de 1.000 títulos publicados. Em 1987, a convite, fez um programa direcionado à cultura na Rádio Progresso de Lagarto, fato que o estimulou a fazer o curso de radialista na cidade de Itabuna-BA, tendo passado pela Rádio Progresso, Rádio Clube de Itapicuru, Rádio Luandê FM e Rádio Imperatriz (atual Ilha AM). Em 1999, ocupava o cargo de assessor de Comunicação na Prefeitura de Tobias Barreto, onde coordenou o Jornal Cidadania pra valer, de publicação mensal, na gestão do então prefeito Diógenes Almeida, fazendo parte, também, do colegiado das Políticas Educacionais. Professor desde 1988, prestou serviços à educação nos Colégios Monsenhor Basilíscio Raposo, Colégio Nsª Srª Menina, Ranchinho Feliz, Educandário Nsª Srª do Carmo, Colégio Cenecista Arnaldo Dantas, na Barra dos Coqueiros, além do SENAC e do CENAPE – curso pré-vestibular. Sempre que possível, levou oficiais da polícia militar à sala de aula para darem palestras contra o uso de entorpecentes. Em 1992, viajou para o Japão, onde trabalhou na Mitsubishi Motors Corporation, sediada na cidade de Nagoya, retornando em 1994. Primeiro representante da Anistia internacional em Sergipe, foi graças ao seu esforço decisivo junto ao Ministério da Justiça do Governo Peruano, sob a ditadura Fujimori, que a Anistia conseguiu a liberdade para um outro professor, injustamente encarcerado por comentar questões políticas em sala de aula. No Brasil e no Japão comandou greves, neste último, conheceu de perto a perseguição promovida pelos sindicatos patronais ao proletariado.

De 2005 a 2012, ocupou o cargo de Assessor Jurídico na Prefeitura Municipal de Tobias Barreto, de onde presidiu a comissão responsável pelo 2º Concurso Público na gestão da então prefeita Marly Barreto, além de colaborar na Lei que criou o Plano Diretor, entre tantas outras. Membro da Academia Tobiense de Letras e Artes – ATLAS, da qual é o atual presidente (biênio 2015-2017).

Numismata desde os seis anos de idade, suas 10 palestras sobre coleção de moedas antigas, registradas em DVD’s, viajaram pelos quatro cantos do País, para os Estados Unidos e Europa, tendo seu nome sempre lembrado nos encontros de colecionadores por todo o País.

Mais publicações desse autor
Ver a lista completa
Impresso
R$ 61,63
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 60,35
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 49,00
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 62,35
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 47,00
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 50,59
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 51,15
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 40,28
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 42,20
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 56,19
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 47,64
Ebook
R$ 22,60
Publicações relacionadas
Ver a lista completa
Impresso
R$ 89,22
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 88,82
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 49,87
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 49,87
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 49,95
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 50,83
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 51,87
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 51,39
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 52,35
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 50,83
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 51,39
Ebook
R$ 22,60
Comentários
0 comentários