ENOQUE - Apócrifos Banidos
Apócrifos Banidos
Categorias
Agnosticismo, Religião, Cultura Bíblica
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 52 vezes desde 27/07/2020
Versão
impressa
R$ 42,92
Valor total:
R$ 42,92
Versão
ebook
R$ 22,60
Disponível em:
PDF
Valor total:
R$ 42,92
Este ebook também pode estar à venda na:
Sinopse

Enoque (ou Enoch) – חנוך, Chanoch ou Hanokh – é o nome dado a um dos personagens bíblicos mais peculiares e misteriosos das Escrituras. Nasceu, segundo os escritos judeus, na sétima geração depois de Adão, sendo filho de Jarede, e pai de Matusalém. - Enoque é o assunto de muitas tradições judaicas e cristãs. Ele foi considerado o autor do Livro de Enoque e também chamou Enoque de escriba do julgamento. - De acordo com a tradição escrita hebraica denominada Tanakh, relatada em Gênesis, capítulo 5, versos 22-24, Enoque teria sido tomado por Deus para que não experimentasse a morte e na certa fosse poupado da ira do dilúvio: “E andou Enoque com Deus, depois que gerou a Matusalém, trezentos anos, e gerou filhos e filhas. E foram todos os dias de Enoque trezentos e sessenta e cinco anos. E andou Enoque com Deus; e não apareceu mais, porquanto Deus para si o tomou.” - Há dois aspectos extraordinários no relato de Enoque, enfocados nesses versículos, que não foram enfocados em outras gerações: as indicações do texto de que ele “andou com Deus” e o fato que, supostamente, ele não teria morrido, pois “Deus para si o tomou”. Estes relatos foram a origem de muitas fábulas e midrashim (estudos rabínicos mais aprofundados) de sábios judeus ao longo de séculos. Muitos deles se incomodaram muito pelo fato que Enoque "só" vivera 365 anos, uma curta duração de vida para sua época, de acordo com o livro de Gênesis. - Sobre este personagem bíblico existem também os livros apócrifos pseudoepígrafos: “Livro de Enoque I” e o “Livro de Enoque II", que fazem parte do cânone de alguns grupos religiosos, principalmente dos cristãos da Etiópia”, mas que foram rejeitados pelos cristãos, por não terem sido inspirados pelo Espírito Santo e pelos hebreus, por serem particularmente incômodos do ponto de vista político. Todavia, a epístola de Judas, no Novo Testamento bíblico, faz uma menção expressa ao Livro de Enoque, fazendo uma breve citação nos versos 14 e 15 de seu único capítulo. De acordo com O Livro de Enoque: com estudo comparativo das principais traduções, existem vários livros atribuídos a Enoque, sendo três os mais conhecidos: O Livro de Enoque (ou Enoque etíope ou Enoch 1), O Segundo Livro de Enoque (ou Enoque Eslavônico) e O Terceiro Livro de Enoque (ou Enoque hebraico). O mais conhecido é o primeiro deles, que está incluído na bíblia etíope, é considerado autêntico pelos judeus da Etiópia e era considerado autêntico pelos judeus até cerca do ano 200, tendo feito parte do corpus bíblico hebraico até essa época e tendo sido removido por um rabino, por diversas razões, inclusive políticas. Cerca de 200 anos mais tarde, São Jerônimo, encarregado de criar a bíblia cristã, se baseou no princípio "verdade hebraica", que significava que os livros considerados autênticos pelos judeus (do Antigo Testamento) eram autênticos. Por essa razão, o Livro de Enoque caiu no esquecimento no Ocidente, até ser reencontrado mais de mil anos depois. O Livro de Enoque (Enoch 1) foi traduzido e publicado no Brasil pela primeira vez em 1982. O Livro de Enoch é extremamente polêmico, por abordar questões sexuais e raciais. Uma das polêmicas é a dos anjos caídos que desceram dos céus para ter relações sexuais com mulheres que consideraram atraentes e geraram gigantes que destruía a Terra. Outra polêmica é que de acordo com uma passagem, Adão e Eva tiveram filhos negros e Adão era branco, o que indica que Eva era negra. - De acordo com o relato contido em Gênesis sobre a idade dos patriarcas, Sete e seus filhos ainda viviam quando Enoque foi tomado por Deus, bem como Matusalém e Lameque.

Características
Número de páginas 161
Edição 1 (2020)
Formato A5 (148x210)
Acabamento Brochura c/ orelha
Coloração Preto e branco
Tipo de papel Offset 75g
Fale com o autor
Wanderley Beraldo

Mineiro de Andradas, onde nasceu em 1.951.

Trouxe da infância, a poesia silenciosa das montanhas mineiras, os sons das cachoeiras cristalinas e a pureza de suas águas límpidas.

Trouxe da solidão do estudo religioso em um seminário, a inspiração para os poemas mitológicos, míticos, místicos, sociais e idílicos, frutos das traduções de Vergílio, Homero, Esopo e Júlio Cesar.

Trouxe da participação nos movimentos da poesia marginal, a necessidade constante, visceral e vital da escrita.

Trouxe dos muitos trabalhos premiados, do periódico Muiraquitã, do primeiro livro publicado em 1.982 Marionetes, a consumação do casamento alquímico com a poesia.

Operário por necessidade e poeta por prazer.

Poeta alternativo. Poeta marginal.

“Ser poeta é sentir com dupla intensidade as belezas mais sutis”

Publicações relacionadas
Ver a lista completa
Impresso
R$ 31,24
Impresso
R$ 45,83
Ebook
R$ 17,22
Impresso
R$ 49,79
Ebook
R$ 17,22
Impresso
R$ 45,83
Ebook
R$ 11,84
Impresso
R$ 57,54
Ebook
R$ 17,22
Impresso
R$ 49,12
Ebook
R$ 24,75
Impresso
R$ 35,30
Ebook
R$ 15,07
Impresso
R$ 897,39
Ebook
R$ 868,57
Impresso
R$ 41,69
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 34,89
Ebook
R$ 12,92
Comentários
0 comentários