Música de viagem
Categorias
Romance, Jazz, Blues, Música, Literatura Nacional, Ficção
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 91 vezes desde 23/02/2021
Versão
impressa
R$ 39,90
Valor total:
R$ 39,90
Valor total:
R$ 39,90
Este livro pode estar à venda na:
Sinopse

A música cabe em palavras? Agora cabe

O protagonista deste livro é designado como 'o baterista', ou simplesmente como 'ele'. 'Ele' é um negro casado com Ivana, uma mulher branca, o que rende piadas entre os dois. Reluta em ter o filho que a esposa tanto quer, e de qualquer maneira a gravidez não acontece. Lida com pequenos prazeres e pequenas frustrações em seu emprego de vendedor de sapatos.

'Ele' toca em uma banda de jazz. Acompanhamos os ensaios como testemunhas ocultas, vemos a música ser criada no calor do improviso, diante de nossos olhos, por assim dizer – música narrada, ou o mais perto disso que as palavras podem nos levar.

Relaciona-se mal com a família adotiva que o criou. Sua mãe não concorda com seu estilo de vida e insiste em lhe enviar dinheiro, que ele recusa por princípio. Seu meio irmão, de quem está afastado há anos, é um alcoólatra tentando se livrar do vício e recuperar o amor fraterno. E seu grupo, o único sonho que lhe restou, não lhe traz nem fama, nem riqueza.

Será que o amor pela mulher e pela música será suficiente para que ele aceite todos os pequenos fracassos do dia a dia? Ou o destino pode lhe reservar algumas surpresas, ainda que não sejam nada daquilo que ele imaginava?

Dividido entre a trivialidade cotidiana e os altos voos da arte, 'ele' procura o mesmo que todos nós: a vida que lhe cabe viver, uma vida na qual se possa encontrar beleza e sentido.

O autor

Paul Marcel é escritor, tradutor e ex-músico. Paulista, 48 anos, é um sonhador incurável e um irriquieto de plantão. É formado em jornalismo e autor de Epifania e Música de Viagem.

Características
ISBN 978-65-001-7680-3
Número de páginas 184
Edição 1 (2021)
Formato A5 (148x210)
Acabamento Brochura c/ orelha
Coloração Preto e branco
Tipo de papel Polen
Fale com o autor
Paul Marcel

Baixei para viver mais uma vida no ano de 1973 em São Paulo. O mês foi março, o mesmo de Elis Regina e Billy Corgan. Como Cássia Eller gracejou em uma canção, estou convencido de que ter reencarnado no Brasil foi punição por travessuras de vidas passadas.

Dizer que sou um exemplo acabado do artista sofredor que nunca se sente à vontade na própria pele seria só meio exagero. Na adolescência, parecia-me que todos tinham um manual de instruções, menos eu. Eu o adquiri mais tarde, mas uma parte dele me desagrada, e outra não compreendo.

Ainda me lembro de quando meu pai me levou para comprar meu primeiro livro. O volume de poesias para crianças que ele me deu, movido por um equívoco bem intencionado, eu não li, e sim os que ele comprou para si mesmo.

A música tem uma importância muito grande na minha vida. Fracassei miseravelmente tentando ser músico em uma banda que montei com meu irmão, uma experiência que, apesar disso, foi bastante gratificante e que reconto embrulhada em muita ficção em meu romance “Música de Viagem”.

Até hoje, sou do tipo irritante que cantarola solos de guitarra e toca bateria no ar.

Para mim, nada no mundo natural é mais belo do que a mulher, nada do que o homem criou é mais belo do que a palavra, nada na vida é mais belo do que a busca de um sentido maior.

Sou um sonhador incurável, um inconformado crônico, um irrequieto de plantão. Choro vendo filmes edificantes, sou gentil quase a ponto de parecer um idiota manipulável e ainda acredito que duas criaturas humanas podem se amar absurdamente até a morte.

Ao mesmo tempo, sou pragmático ao extremo, já aceitei a perdição do ser humano e contemplo a existência com um certo enfado.

Fiz faculdade tarde e logo percebi que nunca seria um jornalista na acepção mais nobre da palavra. Parafraseando Peter O’Toole, eu não queria dar notícia, eu queria ser notícia.

Escrever me causa um prazer transcendental, um arrebatamento que me tira de mim, do chão, do agora, e me aproxima do mundo mais sublime com que as religiões nos tentam. Todas as outras coisas relacionadas ao ofício são pequenos tormentos, aos quais me submeto com o encarniçamento de quem tem uma ideologia da qual já não consegue se livrar.

Tentei escancarar as expectativas alucinadamente exageradas e as frustrações proporcionalmente devastadoras de um aspirante a escritor em meu primeiro livro, “Epifania”. Acabou sendo mais um desabafo do que um romance de formação.

Nasci escritor, vivo como escritor e morrerei escritor. É uma benção e um fardo que eu me atrevo a compartilhar com meu semelhante.

Publicações relacionadas
Ver a lista completa
Impresso
R$ 38,36
Impresso
R$ 37,57
Ebook
R$ 19,80
Impresso
R$ 37,07
Ebook
R$ 19,80
Impresso
R$ 35,57
Ebook
R$ 14,42
Impresso
R$ 37,24
Ebook
R$ 19,80
Impresso
R$ 47,36
Ebook
R$ 20,02
Ebook
R$ 14,42
Impresso
R$ 37,52
Comentários
0 comentários