A involução intelectual da espécie humana.
A difícil arte de acreditar.
Código do livro: 160970
Categorias
Desenvolvimento Humano, Filosofia, Religião, Ateísmo, Livre Arbŕtrio & Determinismo, Ética E Filosofia Moral
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 7813 vezes desde 03/03/2014
Versão
impressa
R$ 122,09
Acabamento
Valor total:
R$ 122,09
Versão
ebook
R$ 16,58
Disponível em:
PDF
Valor total:
R$ 122,09
Este ebook também pode estar à venda na:
Sinopse

Este tratado ateológico não é dedicado somente aos Céticos, Ateístas, Deístas, Agnósticos, Secularistas, Materialistas, Laicistas, Humanistas, Sem religião, Ateus Funcionais, Enrustidos, Discordionistas e indiferentes. Ele também é dedicado aos livr¬e-pensadores que raciocinam logicamente e querem reconsiderar honestamente sua convicção para perder o medo insano do dogma do inferno para se reprogramar. Esperando ajudar também aqueles com pouco conhecimento da bíblia a resistir à tentação de acreditar e aos que já a rejeitam, a defender e manter a sua posição.

Características
Número de páginas 400
Edição 1 (2014)
Formato A5 (148x210)
Acabamento Brochura
Coloração Colorido
Tipo de papel Offset 75g

Tem algo a reclamar sobre este livro? Envie um email para atendimento@clubedeautores.com.br

Fale com o autor
Vizente Maia

Sobre o autor.

Como cronista, Vizente Maia escreveu em torno de 100 crônicas (bem zen) de forma acrósticas dedicadas a alguns atores da Rede Globo, entre outros personagens famosos como Pelé, Ayrton Senna, Chico Xavier, madre Tereza de Calcutá e celebridades como Ana Maria Braga, Renato Aragão, Chico Pinheiro, Hebe Camargo... Como poeta divulgou algumas das suas poesias na Rádio Atividade (DF) em homenagem aos dias das mães, dos pais e datas importantes como Natal e ano novo.

Como compositor divulgou muitas paródias e músicas em várias rádios em turnês com o Artista intitulado de “Apagão Maluco”, o Rei das paródias. Como produtor teatral criou e apresentou a peça, “Os pior do mundo”, parodiando “Os melhores do mundo”.

Foi bancário, vendedor, comerciante, secretário assessor parlamentar. Casado, nascido em Brasília, criado em São Paulo e como museólogo do pensamento moderno e pesquisador das ideias do velho arquivo da História, não se formou, não tem diplomas e muito menos teses de pós-graduação no seu currículo escolar, mas se considera um filósofo não acadêmico, pois durante todo o curso da sua caminhada frequentou as escolas das ruas, se preparando para o vestibular da faculdade da vida onde se formou e descobriu que não é fazendo faculdade de Filosofia que nos tornaremos filósofos e nem é estudando Teologia ou frequentando igreja que ensina conhecimentos divinos, que nos tornaremos bons cidadãos.

Pois se assim fosse, um país como o Brasil com 93% de cristão não estaria envolto de tanta violência, corrupção e principalmente mergulhado nessa indecente promiscuidade. E por não conseguir dizer tudo, escrevendo pouco e nem posso me orgulhar de dizer em dez palavras o que outros dizem em vários volumes como fez Friedrich Nietzsche, fui um pouco prolixo e não achei necessário colocar um capítulo de amostra. Até lá, vai ficando com... Ah... enfim, sei lá... com você mesmo! E até logo, digo: e até lá, que LOGOS te ilumine! São os mais sinceros votos.

Publicações relacionadas
Ver a lista completa
Comentários

Faça o login deixe o seu comentário sobre o livro.

0 comentários