Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO
Contos e Crônicas de um Mineiro
Categorias
Memórias Pessoais, Biografia e Testemunho, Biografia
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 2490 vezes desde 05/10/2019
Versão
impressa
R$ 34,86
Valor total:
R$ 34,86
Versão
ebook
R$ 17,22
Disponível em:
PDF
Valor total:
R$ 34,86
Este livro pode estar à venda na:
Este ebook também pode estar à venda na:
Sinopse

Contos e Crônicas de um Mineiro não deixa de ser uma autobiografia do autor pois reúne uns cacos da lembrança da infância de um norte-mineiro, untados com muita ficção e bom humor. A maioria dos contos tem como cenário a cidade de Bocaiuva, terra natal e grande paixão do escritor. Outros contos têm como cenário a pobre e imensa zona leste paulistana, onde o autor perambulou por muitos anos à procura de seu espaço, sua oportunidade. Mineiro morou muitos anos na Cidade Tiradentes, um gigantesco bairro e o mais periférico da pobre e populosa região metropolitana paulistana, que é outra paixão do escritor. O autor a designa como um entulho social, pois lá o migrante nordestino, mineiro pobre, o baiano e outros descamisados mais, são jogados e esquecidos pelos governantes.

Características
ISBN 9786550740085
Número de páginas 96
Edição 1 (2019)
Formato A5 (148x210)
Acabamento Brochura c/ orelha
Coloração Preto e branco
Tipo de papel Offset 75g
Fale com o autor
Geraldo Pereira

Geraldo Pereira, 58 anos, nascido no município de Bocaiuva, Norte de Minas. Formado em Letras pela Universidade Nove de Julho. Professor na rede do município de Cajamar, SP, onde mora atualmente.

A leitura e a escrita sempre foram paixões na vida do autor. Menino de Engenho, de José Lins do Rego, foi uma das primeiras paixões das leituras do autor, que se impressionou com o drama do garotinho, Carlos, que presenciou o assassinato de sua mãe, pelo seu pai. Perder um de seus pais, era o maior terror da adolescência do autor, e talvez seja esse o motivo da empatia do autor com o menino do engenho e seu trauma.

Comentários
0 comentários