Estações
Categorias
Diversos, Aventura, Literatura Nacional
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 5163 vezes desde 23/08/2013
Versão
impressa
R$ 31,67
Valor total:
R$ 31,67
Versão
ebook
R$ 13,99
Disponível em:
PDF
Valor total:
R$ 31,67
Este ebook também pode estar à venda na:
Sinopse

Na emoção de uma trajetória, riscada de ideologias, vividas entre as verdades e as mentiras de uma sociedade preconceituosa sobre os jovens das periferias. Preconceitos e conceitos herdados de uma classe separatista, vinda dos tempos dos coronéis.

O conflito do ter e deixar ir um amor. Do partir sempre do jovem, do homem poeta que grita.

Neste livro o autor descreve em romance os conflitos de uma simples e pequena cidade.

É onde começa o riscado da poesia, entrelinhas de poemas sociais, onde a alma do ser é corrompida nas auroras da hipocrisia.

Libra desenrola em tom claro as ruas, praças, rios e o choro da cidade de São Sebastião, em mágicas imaginações de uma juventude excluída e perseguida, na procura e perguntas dos teus sobrenomes.

O arrancar da flor em botão roubada no jardim de uma casa qualquer, entre e dores de alma. Os aflitos do sistema social, da prostituição e das drogas ilícitas aos pobres e lícitos do álcool permitindo a morte dos seres.

A religião na ruazinha da Vila Araújo, o chorar da mãe, ao filho que para ela sorrir roubou do mercado um apenas, um chocolate.

E o violinista de cabeleira em caracol, que toca violão na praça e não sabia ao certo, como compor canção de mãe, porque chora a dor da mãe no esquema do sistema.

E o pai que não voltou para a casa, por ser dito comunista em organizar sindicato e ser encarcerado na ideologia na dor e na real dos ditadores.

E o menino que voou nas cachoeiras entre cogumelos ilustradores de dragões multicores.

O Preconceito e conceito das escolas públicas nos idos anos 70 e 80. Águas Claras e o Festival de Lucélia, a ginga da capoeira de uma cara chamado Juquinha, os olhos do horizonte de Barão Costa verde.

Os salmos de Sara do rebento da bala no peito de Arrepiado.

E as dores de um poeta, nos conflitos de perder, de um cara que sempre parte e deixa a dor, espinho e a flor.

E por que não dizer?

Calar os salmos de Sara que da exclusão nasceu para adorar ao Deus do céu, como que beija flor amando o regaço da flor vermelha.

Que foi assim que se foram amores, cores, lágrimas, e a solidão da alma ao redor. O consolo do menino perdido no som do silêncio, deitado ao colo da mulher da vida, que sua história grita e de amor oferece colo e não sexo.

E Cristo fala em todos os lugares, e a prostituta negra, ouve o grito do poeta e oferece colo e não sexo, e ela fala ao poeta dos filhinhos famintos e do ela estar ali e ele, ele o poeta dela enxuga as lágrima, e ela chora, e ele chora ouvindo uma história de amor. E o poeta menino ainda, no descansar ao colo, ao colo da mulher negra do prostíbulo, que no carinho do amor, recorda ao filho.

Então não há sexo nem orgia, há palavras de dor e palavras de amor, na alma excluída no preconceito da cor.

E o tempo segue, entre amar, florir e deixar. Flores, cores, espinho e amor.

Características
Número de páginas 97
Edição 1 (2013)
Formato A5 (148x210)
Acabamento Brochura c/ orelha
Coloração Preto e branco
Tipo de papel Offset 75g
Fale com o autor
Markus Libra

"Markus Libra é escritor de rabiscos, contista de contos pequenos, ilustrador dos bastidores sociais na crua política do ser.

É nascido do folhear do sem leitura, é filho da terra tombada, nascido dos olhos que encharcaram sementes. Poeta das causas sociais, da periferia que agoniza em Marias e Josés."

Mas em uma nota do Jornalista e Professor André Arruda Plácido, foi citado assim:

"Markus é sentimento, coração, transcendência e razão.

Libra é carrossel de letras, emoções, imagens e sons."

"Deus coloca nos homens dons e habilidades que encantam outros homens. Deus coloca Sua “imagem e semelhança” nos homens para que eles se comuniquem, se conheçam, se ajudem. Markus faz tudo isso com propriedade quando nos mostra sua delicadeza no trato com o outro, com o próximo."

"Markus me faz lembrar Émile Benveniste: “O homem sentiu sempre e os poetas frequentemente cantaram o poder fundador da linguagem, que instaura uma sociedade imaginária, anima as coisas inertes, faz ver o que ainda não existe, traz de volta o que desapareceu.”

André Arruda Plácido é graduado em Relações Públicas, Jornalismo e Teologia. Especialista em Comunicação e Liderança em Missões Mundiais pelo Haggai Institute de Cingapura. É fotógrafo, cronista, radialista, professor da rede pública do Estado de São Paulo e do Seminário Teológico Batista Nacional.

Mais publicações desse autor
Ver a lista completa
Impresso
R$ 34,24
Ebook
R$ 15,07
Impresso
R$ 32,25
Ebook
R$ 20,45
Impresso
R$ 28,25
Ebook
R$ 13,99
Publicações relacionadas
Ver a lista completa
Comentários
2 comentários
Luciana Denise Leite
Segunda | 26.08.2013 às 10h08
Sentimentos ímpar de uma pessoa sensível que aprende a cada dia, mais que teve a coragem de colocar em um livro uma história verdadeira, nem certa, nem errada, apenas verdadeira, sua história, sua vida, suas lembranças. Lindo demais, para levar as pessoas a pensar e repensar sua história.
Jessica Morgan
Sexta | 23.08.2013 às 12h08
Olá! Parabéns pelo livro!!! Caso queira divulgá-lo ainda mais, entre em nossa página no face https://www.facebook.com/pages/Divulga-Autor/198483273646715 Lá você poderá divulgar seu trabalho e ajudar na divulgação de outros autores. Abraços, Equipe Divulga Autor.