Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO
Invocação ao Boi
Categorias
Poesia, Literatura Nacional
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 4422 vezes desde 12/12/2012
Versão
impressa
de R$ 31,34 por
R$ 25,28
Valor total:
R$ 25,28
Versão
ebook
R$ 14,53
Disponível em:
PDF
Valor total:
R$ 25,28
Este livro pode estar à venda na:
Este ebook também pode estar à venda na:
Sinopse

Quando Jamir Firmino Pinto surgiu na seção O Poeta Novo (através da qual temos apresentado numerosos jovens poetas que, inéditos ou não, se mostram dispostos a tomar parte ativa no trabalho de renovação tentado nesta página), já tinha um livro publicado: Chão e Mar, em conjunto com Maria Luiza de Castilho, então sua noiva, agora esposa – e que comparte, por seu lado, da mesma obra comum, já tendo, inclusive, um poema publicado na mesma seção. No Jamir de Chão e Mar já se encontravam, ao lado de alguns dos vícios que marcaram a geração poética brasileira sua contemporânea, muitas das qualidades ainda agora distintivas de sua poesia. A partir de sua estréia nesta página, acompanhamos o trabalho de Jamir demarcando seu próprio roteiro: a mesma força e a mesma honestidade de sempre – e com maior vontade de make it new, maior segurança e maiores recursos técnicos. Envaidece-nos o que afirma o próprio poeta: que esta página lhe abriu novos caminhos, fazendo-o evitar outros, sempre tentadores a qualquer de nossos jovens escritores, e.g. a facilidade diluidora, a autocomplacência, o café-society subliterário de mútuos elogios, da publicação amistosa, das glórias logo fabricadas e tão logo esquecidas.

Através deste Suplemento, dentro e fora de Poesia-Experiência, os leitores que haviam lido Chão e Mar têm podido, por sua vez, seguir a evolução de Jamir Firmino Pinto. Depois de alguns meses dessa fértil esterilidade, desse silêncio-reflexão-preparação que de quando em quando acomete a maioria dos genuínos poetas, aqui o temos de volta, em nova fase que é apenas o prosseguimento dos vetores de força e de verdade constantes em sua poesia – a qual, de certo modo, é também a sequência lógica da linguagem poética latina, portuguesa e brasileira. Mantendo viva, na grande cidade, a experiência de anos e anos como lavrador do interior de Minas, Jamir contribui, mais que qualquer outro, desde Carlos Drummond de Andrade e João Cabral de Melo Neto, para a formulação de uma verdadeira poesia participante no Brasil. Nele temos de volta, mais natural e mais orgânica, a poesia geórgica da chamada escola mineira.

Temos, como raramente acontece na história da poesia brasileira, um poeta capaz de recriar, poeticamente, um vocabulário regional e, particularmente, rural. E temos, sobretudo, uma poesia que cresce em torno de si mesma, de seus próprios núcleos, como organismo vivo, sem qualquer distinção de fundo e forma, de tema e execução, evidente verdade poética que não admite dúvidas sobre a condição de quem a diz, criando-a. Mormente em seus últimos poemas (que apresentamos em seguida a amostras de suas fases anteriores) Jamir cria a partir da palavra – meio de percepção do universo e, ela própria, um universo que se comunica com outros universos – com a palavra e completando-se na palavra; e como que apesar dela, no dizer de Bergson. Uma fluência interior que se concentra no tempo e no espaço, por necessidade humana, um objeto orgânico, humano, através do qual um homem fala a outros homens.

Repetimos uma vez mais: melhor uma visão da coisa que mil palavras sobre ela. Aqui estão os poemas de Jamir Firmino Pinto, poemas nos quais esta página se vê confirmada e justificada: Jamir teria de ser, mais cedo ou mais tarde, o poeta que é hoje; grato nos é, entretanto, pensar que contribuímos em certa medida para a mais rápida e mais segura realização dessa poesia que, ramificando-se e estendendo-se, virá a enriquecer e fertilizar a linguagem poética do Brasil.

(Jornal do Brasil, 29/06/1958, Suplemento Dominical, página 11.

Reproduzido na obra “De Anchieta aos Concretos”, São Paulo, Companhia das Letras, 2003, organizada por Maria Eugenia Boaventura, doutora em literatura brasileira e professora da UNICAMP. )

Características
ISBN 978-85-910238-1-3
Número de páginas 76
Edição 1 (2012)
Formato A5 (148x210)
Acabamento Brochura c/ orelha
Coloração Preto e branco
Tipo de papel Offset 75g
Mais publicações desse autor
Ver a lista completa
Impresso
de R$ 47,49
R$ 41,42
Ebook
R$ 11,84
Impresso
de R$ 33,89
R$ 27,83
Ebook
R$ 11,84
Publicações relacionadas
Ver a lista completa
Impresso
de R$ 30,52
R$ 24,46
Ebook
R$ 15,38
Impresso
de R$ 41,06
R$ 35,00
Ebook
R$ 21,62
Impresso
de R$ 30,68
R$ 24,62
Impresso
de R$ 32,36
R$ 26,29
Impresso
de R$ 33,39
R$ 27,33
Impresso
de R$ 29,77
R$ 23,70
Impresso
de R$ 35,76
R$ 29,69
Impresso
de R$ 56,00
R$ 49,93
Ebook
R$ 33,37
Impresso
de R$ 30,44
R$ 24,38
Ebook
R$ 11,84
Comentários
0 comentários