Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO
Memórias Póstumas de um Poeta Vivo
Categorias
Literatura Nacional, Poesia
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 3358 vezes desde 20/05/2015
Versão
impressa
R$ 34,70
Valor total:
R$ 34,70
Versão
ebook
R$ 17,22
Disponível em:
PDF
Valor total:
R$ 34,70
Este ebook também pode estar à venda na:
Sinopse

“Memórias Póstumas de um Poeta Vivo” é um livro profundo, onde nos deparamos com uma alma irrequieta, vezes mórbida e obscura, outras triste e apaixonada, outras ainda misteriosa e incompreensível, porém essa mesma alma nos carrega por seus devaneios de tal forma que chegamos a delirar e sonhar junto aos versos.

A poesia de Ailes Noires tem características góticas e às vezes macabras, a paixão que o poeta alimenta pela morte por vezes nos enleva a sentimentos e reflexões, nos leva a mergulhos no mais profundo do âmago de nossas almas.

Entre tantos ricos poemas, entre tantas rimas perfeitas, entre versos intrigantes e apaixonantes, Ailes nos carrega a píncaros longínquos do nosso ser, sua paixão misteriosa às vezes fica escancarada em suas linhas, mas, outras vezes é oculta e camuflada em metáforas profundas e analogias ricas de significação.

Enfim, esta obra tem o poder de carregar o leitor aos sentimentos mais controversos sobre a existência e o amor, pois, fica claro em suas poesias a dor que esse último pode causar... Mas, esta obra também tem o poder de nos fazer mergulhar em nosso próprio “EU”, fazendo-nos esquadrinhar os recônditos mais secretos do nosso complexo ser.

Características
Número de páginas 92
Edição 1 (2015)
Formato A5 (148x210)
Acabamento Brochura c/ orelha
Coloração Preto e branco
Tipo de papel Offset 75g
Fale com o autor
Ailes Noires

Lucas Araujo, também conhecido como Ailes Noires, nasceu dia 29 de janeiro na cidade de São Paulo. Começou a escrever aos 13 anos, através de cartas de desabafo, devido a sua depressão e pouco a pouco transformando-as em poesias.

Comentários
0 comentários