Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO
Os Grapiúnas
Categorias
Literatura Nacional
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 2364 vezes desde 24/10/2011
Versão
impressa
de R$ 46,04 por
R$ 39,98
Valor total:
R$ 39,98
Versão
ebook
R$ 15,07
Disponível em:
PDF
Valor total:
R$ 39,98
Este livro pode estar à venda na:
Este ebook também pode estar à venda na:
Sinopse

O mulato João Vicente, um grapiúna, ao chegar a São Paulo, espanta-se com o tamanho e agitação da cidade grande. A partir daí, o autor traça um paralelo através das memórias de seu personagem entre a cidade e o cotidiano do campo, mais precisamente nas roças de cacau onde até então vivera João Vicente.

Até o décimo primeiro capitulo, quando se encerra a primeira parte do livro, o mulato João Vicente oscila em suas memórias entre a cidade grande e as lembranças do dia a dia de suas experiências na vida do interior. A partir do décimo segundo capítulo, segunda e ultima parte do livro, as memórias fixam-se em definitivo na região grapiúna, conforme palavras do narrador: “As lembranças vieram-lhe à mente; definitivas. João Vicente deu um mergulho de vez no passado”.

A essa altura a história toma forma linear; objetiva, clara; explora a luta pela emancipação de um município, a substituição do nome de um vilarejo e a ascensão política do protagonista, o vereador Afonso, e seu antagonismo em relação ao coronel Gonçalves, poderoso dono das terras do Vilarejo de São João do Panelinha e inúmeras fazendas da região.

Os Grapiúnas têm como pano de fundo a luta pela posse das terras do cacau, mola mestra da economia da região, da qual, segundo o narrador, todos são dependentes.

Observe-se trecho do primeiro capítulo: “o cacau era a mola propulsora da riqueza e do progresso da região. Dele dependia o filho do coronel para concluir o curso superior, a pós-graduação no Rio de Janeiro, São Paulo ou Paris. Era-lhe também dependente a humilde lavadeira para receber seus soldos dos coronéis do cacau”.

“As doces meretrizes, os bêbados, os jogadores. Todos, sem exceção careciam dele para sobreviver naquela terra bruta”.

“Os poetas, os trovadores, cantavam-no em verso e prosa, como Jorge Amado, o maior de seus romancistas”.

É lírico Olympio Ramos: “Lá fora era belo o dia; a passarada chilreava alegre, uma sinfonia! O vento norte soprava manso...”.

A narrativa é bem humorada: “Acaso alguém se atreva a pensar que o pai d’égua aqui não fala a verdade, vou logo exigindo respeito porque não sou homem de pouca mentira...”.

Características
ISBN 978-85-61375-18-8
Número de páginas 367
Edição 1 (2009)
Formato A5 (148x210)
Acabamento Brochura c/ orelha
Coloração Preto e branco
Tipo de papel Offset 75g
Publicações relacionadas
Ver a lista completa
Impresso
de R$ 34,41
R$ 28,35
Impresso
de R$ 32,55
R$ 26,49
Impresso
de R$ 32,55
R$ 26,49
Impresso
de R$ 31,88
R$ 25,81
Impresso
de R$ 32,55
R$ 26,49
Impresso
de R$ 37,33
R$ 31,27
Ebook
R$ 15,07
Impresso
de R$ 29,53
R$ 23,46
Impresso
de R$ 37,18
R$ 31,11
Impresso
de R$ 34,96
R$ 28,90
Impresso
de R$ 32,58
R$ 26,51
Impresso
de R$ 35,20
R$ 29,13
Comentários
0 comentários