Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO
Por Entre Caminhos de Pedra
Poemas Reunidos (2002 a 2011)
Categorias
Literatura Nacional, Poesia
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 1460 vezes desde 24/03/2015
Versão
impressa
R$ 39,17
Valor total:
R$ 39,17
Versão
ebook
R$ 11,84
Disponível em:
PDF
Valor total:
R$ 39,17
Este ebook também pode estar à venda na:
Sinopse

“Por Entre Caminhos de Pedra” reúne a minha produção poética neste alvorecer do século XXI. A obra é composta por quatro partes: (i) Sonetos e Companhia; (ii) Cantos da Indústria; (iii) Pequeno Dicionário das Efêmeras Coisas e (iv) Versos Soltos e Outras Miudezas.

Sonetos e Companhia tenta reunir em três atos a teatralidade poéticas das pessoas, coisas, sentimentos e valores. Trata-se de uma tratativa de resgate de um lirismo que advém da infância e que co-habita com a efervescência revolucionária do pensamento do homem maduro. Um diálogo entre partes opostas que no fundo se complementam, tal qual as antíteses barrocas em frente às quais cresci.

Cantos da Indústria é um apelo do eu poético ante a potência da máquina, uma manifestação do poeta que não quer que o engenheiro lhe seja submisso, mas também não lhe admite opressor. Há beleza nos motores, mas ela está também presente nas flores; se uma afinada sinfonia de violinos nos enche a alma, também nos pode surpreender o ruído de um motor a plena carga.

Pequeno Dicionário das Efêmeras Coisas é um conjunto de acrósticos, alguns mais breves, outros mais longos alinhados á semelhança de pequenos verbetes. Pontuam sentimentos e valores do eu poético, que se alinham ao início do verso, mas que têm liberdade ao longo da estrofe para desenvolver o tema. Desta forma, a vida se prende amiúde a marcos que lhe definem a forma; contudo, está o homem livre para escolher o caminho que lhe aprouver, se aceitar arcar com as consequências.

Versos Soltos e Outras Miudezas é um pequeno conjunto de poemas que tratam sobre as minúsculas grandes coisas da vida, uma espécie de crônica que o poeta dedica ao seu tempo que é um presente ampliado pelo senso do passado e pela ânsia do futuro.

Características
Número de páginas 156
Edição 1 (2014)
Formato A5 (148x210)
Acabamento Brochura c/ orelha
Coloração Preto e branco
Tipo de papel Offset 90g
Fale com o autor
Marco Antônio Sabará

Nasci em dezembro, na manhã de um dia dez. Corria o ano de mil e novecentos e setenta e um na pacata cidade de Congonhas, Minas Gerais.

Em meio ao anfiteatro barroco, a vida seguia... Do alto do cinturão de montanhas, os anjos e a natureza observavam os seres no fundo do vale - que olhavam contritos para o Santuário no alto do monte, enquanto o tempo fluía, serpenteando o Rio Maranhão...

Fui uma criança comum, tal qual os outros meninos do meu tempo, jogando bola nas margens do Rio Santo Antônio, brincando de pique na Rua Manganês, subindo e descendo na ameixeira no quintal de casa para provar da fruta no pé: indo e vindo com liberdade pelas ruas de minha cidade.

Fui aluno de escola pública (ah, as minhas queridas Escola Estadual Barão de Congonhas e Escola Estadual Lamartine de Freitas!). Graduei-me em Engenharia Industrial Mecânica pela Universidade Federal de São João Del Rei – UFSJ (à época Funrei) e, ato contínuo, licenciei-me nas disciplinas técnicas da Educação Profissional de Nível Técnico pela UTRAMIG.

Ainda criança, plantei minha primeira árvore: um lindo ipê amarelo, que desafortunadamente já não existe mais, pois cedeu seu lugar para uma residência...

Iniciei minha carreira profissional aos quatorze anos, como aprendiz na agência do Banco do Brasil de minha cidade. Fui comerciário, auxiliar de biblioteca, professor, coordenador técnico na Educação Profissionalizante, além de atuar como Engenheiro Mecânico em uma revenda de um grande fabricante mundial de máquinas, motores e veículos pesados.

Há quase dezessete anos casei-me com a minha Musa Quadrática (posto que é musa ao quadrado, musa das musas, inspiração dos meus melhores versos). E tal qual a função que leva o nome do título que lhe atribuí, ela me lembra que a vida ora flui crescente, ora decrescente, com seu ponto de inflexão e suas raízes – mas sempre apontando para um ponto: o foco, que jamais podemos perder... Por isto tudo, ela é co-autora da minha obra-prima em dois volumes: meu querido Caio Vinícius, espelho do menino que fui um dia, e minha doce Camila, em cujos olhos de verde e cristalina água navega a paz que anseio...

Escrevi meus primeiros versos ainda na adolescência, ora em períodos de febril efervescência, ora em longas e refletidas pausas. Mas os guardava para mim, revelando-os apenas para umas poucas e raras pessoas.

Por fim, os ânimos do lobo solitário começaram a arrefecer e resolvi trazer a público um pouco do que vivi, do que senti, do que fui e continuo sendo... Tenho a alma barroca, adestrada nos caminhos de pedra de minha Congonhas – que pulsa arte enquanto faz emergir do seio do solo a matéria-prima do mais puro aço, eterna contradição entre o frágil e o forte... Fluo nas idas e vindas das silhuetas dos profetas do Aleijadinho, na magistral teatralidade das esculturas de cedro nos Passos da Paixão... Consolidei minha alma nas vigílias solitárias das tardes de segunda-feira na cativante singeleza da Igreja de Nossa Senhora do Rosário. Conheci o Brasil inteiro nos sotaques distintos que ouvi em meus inúmeros jubileus do Senhor Bom Jesus de Matosinhos e uma boa parte do mundo na fisionomia encantada dos turistas que se admiravam com o patrimônio artístico de minha terra, reconhecida pela UNESCO como patrimônio cultural da humanidade.

Então, que se abram as cortinas e o espetáculo lhes seja leve. Espero que apreciem o humilde espetáculo de minha alma poética.

Nome do link: R Resplendor, 162

Mais publicações desse autor
Ver a lista completa
Impresso
R$ 36,61
Ebook
R$ 11,84
Impresso
R$ 34,20
Ebook
R$ 17,22
Comentários
0 comentários