Sexo Urbano
Categorias
Erótico, Romance, Ficção, Ficção e Romance
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 6082 vezes desde 18/02/2014
Versão
impressa
R$ 39,02
Valor total:
R$ 39,02
Versão
ebook
R$ 11,84
Disponível em:
epub
Valor total:
R$ 39,02
Este ebook também pode estar à venda na:
Sinopse

Principais acontecimentos do final da década de oitenta cruzam a vida da personagem anônima, entre encontros amorosos e cenas de rua, construindo, como registro, um mosaico poético/erótico de nossa memória.

Características
Número de páginas 182
Edição 2 (2014)
Formato A5 (148x210)
Acabamento Brochura c/ orelha
Coloração Preto e branco
Tipo de papel Offset 90g
Fale com o autor
Gloria Horta

Gloria Horta é escritora, fotógrafa, formada em jornalismo e mestra em Antropologia da Arte pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, fotógrafa, organizou e protagonizou diversos eventos de poesia no Rio de Janeiro e em outros estados. Falou seus poemas em bares, universidades, estações do metrô e no Poesia na Praia, que acontecia todos os domingos no Posto 9, em Ipanema.

Livros da autora, entre poesia, prosa poética, contos e romance: Sangria, Sexo Urbano, Borboleta Sumaríssima, Finita como Flores, Viver Sem, Amor nos Tempos do Collor, e Questão de Tempo.

Entre outros, ganhou o segundo lugar no Concurso de Contos do Estado do Paraná em 1979, e o XII Concurso Literário de Itatiba, em 2012.

(...)

Sobre o livro Borboleta Sumaríssima, escreveu Doc Comparato: "Em Borboleta Sumaríssima nos deparamos com a beleza da poesia através da mais avassaladora das melancolias, a da perda.

Os poemas fustigam a morte dos pais, intrigam o falecer dos sonhos, questionam o fim da juventude, zombam da agonia da família e se rendem à hemorragia do tempo que leva até a memória embora.

Enfim o livro teria tudo para ser uma coletânea de textos sombrios, se G.H. não nos surpreendesse com cócegas no cérebro. Vencendo a tristeza intrínseca do tema com uma seleção de idéias e vocábulos bastante pessoal, ela alcança momentos radiantes tanto na esfera do pensamento quanto na da palavra. A leitura torna-se imperdível e, para maior proveito, recomenda-se que seja desfrutada aos golinhos.

E com o sorriso nos lábios e a lágrima debruçada na pupila, concluo que G.H. não envelheceu, renasce a cada verso, e encaixa toda a seriedade do viver numa linguagem atual e criativa, num hoje poético. Parabéns.

Doc Comparato. 1999

(...)

Sobre Finita como flores, escreveu Leila Alvarenga Barbosa:" Li entre uma madrugada e outra. Será que ela sabe que deu voz à mulher na menopausa? Será que percebeu que iniciou um movimento? Será que sacou que vou segui-la? Será que sabe que vai assustar as mulheres na sala dos cabeleireiros e spas? Enlouquecer os terapeutas? Será? Comi as letras de dor, graça e ritmo. Deu vontade de chorar, mas não tive tempo andando de página em página com muita pressa.

Não sou crítica literária nem pretendo falar bonito. Só sei que li o renascimento da tragédia.

A poesia da Glória H aliviou minha velhice. E me fez muito velha. Glória não sai de si e inclui todas as mulheres do mundo. Uma arqueologia do envelhecimento, que descontroi a velhice de cada dia.

É coisa de mulher, com certeza.

Mas não de um feminismo fácil das “mulheres resolvidas”. Glória H não resolveu nada, graças a Deus! Está em carne Viva! Fala do que ninguém quer falar. Não quer ser sutil e discreta. Não discrimina nem incrimina a vida pela santa dor de cada dia Amem.

Libertando nosotros aprisionados pela sociedade do espetáculo, acordou cedo, foi ao cais e desafundou aquele velho navio.

Glória, minha capitã da nave louca.

Leila Maria Alvarenga Barbosa - Professora de História pela PUC, Mestra em Social Work na University of Michigan Ann Arbor

(...)

Sobre Sexo Urbano

"É o fim. Era uma vez o mundo. A cidade esgotou seu papel na história da humanidade. Criadora de multidões, ela inventou a solidão grupal e o estilhaçamento do indivíduo. Ela é o labirinto, a vertigem e uma metáfora profana para o inferno. (...) Perdidos do rosto do real, só nos resta inventar uma nova face. Estamos diante dos espelhos da cidade como quem busca uma utopia. (...) Tudo é ninguém. E Sexo Urbano está no epicentro desse esquartejamento. Desgovernados, sem perspectivas, inauguramos uma certeza: vivemos num mundo desumano.

Sexo Urbano é como se fosse o registro de uma câmera implacável. Uma câmera que seguisse um ser no seu dia-a-dia em sua rotina urbana. Uma câmera que perseguisse seu desnorteado vaivém entre engarrafamentos, mendigos, amores, risos, crises, supermercados, praias, contas, filhos, pais, mães, falências, cheques, fundos, inflação, agendas e transas descontínuas.

Sexo Urbano é uma anunciação. Parece que o ser humano chegou ao fundo se suas potencialidades. Estamos em plena mutação. Num mundo sem deus nem magia, num mundo que tem como referencial a precariedade de todos os sinais, num mundo entregue a seu próprio fim.

Sexo Urbano é uma antena tentando captar a dor, a poesia e o humor de nossa média existência.

Ler Sexo Urbano é como caminhar entre ruínas de moral, valores e costumes que agonizam.

E se desesperar por não poder ver - como num espelho, como num filho - nossa futura face.

Seja bem-vindo ao inferno de ser igual a todo mundo.

Os editores. Editora Achiamé. 1988

(...)

"Perdi a moça que me habitava. Quem conheceu guarde o retrato, quem não viu perdeu a chance" (Glória Horta)

Glória, lendo-te mais do que infinitas vezes

Eu conheci a moça que te habitava. Linda como toda flor o sabe ser mesmo não sendo primavera. Encontrei-a por acaso dentro de um coletivo que vinha de Laranjeiras, você falava alto, declamava versos sorrindo e o ônibus cheio indo não sei bem para onde. Eu que não me habitava naquela altura, estava perdida dentro de mim mesma sem saber aonde ir.

A vida passou e resolvi, depois de encontrar a moça que te habitava, viver, lutar contra tudo e contra todos, contra os preconceitos, não tinha medo de canhões nem de tiros certeiros. A poesia se instalou em mim, veio como praga, veloz como teu riso, tua dramatização, tua emoção. Vesti uma calça colorida e voltei à Favela, ela ainda estava lá enfeitada de bandidos, de casas pobres, de pessoas simples e pensei: é aqui que começo de novo, com novo sorriso nos lábios, flores ao invés de armas empunhada na cintura, poesia ao invés de tiros no escuro, sou eu de novo inteira sem ninguém, entregue à poesia. E acompanhei dali por diante a moça que te habitava, que moça alegre e cheia de poesia, cheia de vida, me trouxe de volta à vida.

Hoje a moça que te habitava continua sorrindo olhando para mim, na cabeceira da minha cama, ando com ela desde então porque tinha medo de perder o que se instalou dentro de mim quando te conheci.

Finita como flores nos trás de volta a mesma Glória de Sangria, sem seus cachos no cabelo é certo, sem a boina preta, mas, com a mesma força de outrora, com o mesmo sorriso estampado no rosto da foto da moça que te habitava e declamava a Amizade Dolorida.

Trago comigo Sangria: entre os livros da eternidade da minha mocidade e quando te leio revejo os teus gestos infinitos, teu jeito menina, mulher, mãe, avó, andarilha, és sempre tão nova, e ao mesmo tempo, tão segura como se todo tempo fosse só isso a tua vida, porque Gloria Horta é assim infinita como o perfume das flores".

Lilia Trajano - Mestre em Serviço Social, Educadora de Rua, Assistente Social, e poeta

(...)

Artur da Távola, sobre Sangria:

"O destino de um livro é sempre misterioso. Independe das aflições do autor. Sofre, é certo, alguma influência do esforço divulgador deste, porém é irrelevante. O livro é lento. Muito! Ensina ao autor paciência e a suportar a dor das indiferenças. É como planta. Nada muda o ciclo de sua expansão. Por isso, prosseguir é a única virtude do escritor.

(...)

Com que força explode Sangria! É um livro em carne viva, tudo funcionando com o registro agudo aberto, expressão de uma arte que se pretende mais expressiva do ser que preocupada com o belo burguês. Parabéns! E lendo aquele “Amor III”, há que parabenizar o destinatário Jorge.

Grato por fazer-me merecedor de sua atenção no livro de estreia. Nunca pare de escrever! Principalmente quando ache que não vale a pena. Ferir o silêncio com vida é a missão do verso. Abraço amigo.

Artur da Távola. 1984

(...)

Doc Comparato, sobre Sangria:

"Sim, Glória H mexe com as feridas abertas da classe média carioca; mais precisamente da mulher classe média. A média da vida, os temas médios: amor, morte, mulher descasada, mãe, casamento, Búzios, vai do cheiro de gasolina aos eflúvios da mente, menstruação e esperma. E, por isto mesmo, um leitor desavisado pode confundir o médio com mesmice, pensar que os assuntos estão batidos e que sua poesia é lugar comum. Ledo engano. Com uma seleção vocabular apurada e manipulando a palavra certa, ela arma um dramático móbile poético. Com tiras de realidade e pedaços de absurdo, constrói um painel agudo e doído da nossa média existência. Emociona. Emociona e faz doer; muito. Glória H amplia, vasculha feridas que atropelam nosso dia-a-dia e, como quem termina um ato cirúrgico, cauteriza. Sempre com poesia; mas sem anestesia".

Doc Comparato - Escritor e roteirista

Rio/Búzios/Rio

9 de abril de 1984

(...)

Artur Xexéo, sobre Sangria:" Os pedaços poéticos de Glória Horta fluem torrencialmente como as confissões de uma bem-sucedida sessão de psicanálise. Aí está a trajetória de uma mulher que beira os trinta anos. Não é muito diferente de outras trajetórias de sua geração; Glória é daquela turma que, quando chegou à universidade, encontrou os diretórios acadêmicos fechados. Glória sempre teve bom texto.

Por isso, na faculdade de comunicação, seus colegas (e eu era um deles) imaginavam para ela um futuro de grande jornalista ou bem-sucedida redatora publicitária. Naquele tempo, Glória já era a poeta e a gente nem percebia, perdidos na certeza concreta de significantes e significados. Agora, ela divide a poesia com a gente, como numa terapia de grupo.

Aproveite: a leitura de seus versos é reveladora de uma geração.

Às vezes incomoda, às vezes provoca puro prazer.

Como os reflexos de um espelho".

Artur Xexéo – jornalista. 1984

(...)

Elisa Lucinda, sobre Borboleta Sumaríssima: " Era meados dos anos 80 na gostosa e velha Ipanema azul. Sol batia na gente rio de janeiro, na gente carioca, na gente capixaba chegada agora, como eu.

Uns olhos azuis fumegantes brotados de um fundo moreno diziam poemas de cor entre os varais de poesia na praia. Era a Glória. Adorou meus poemas e me convidou para dar uma canja no “Manga Rosa”, um bar muito bacana em Botafogo. Ficamos amigas mais forte, nossas poesias dialogaram entre si fartamente. E assim nasceu nosso show poético que batizamos de A Hora Agá, com direito a violão do Jorge Sá Martins e berimbau do Nestor Capoeira. Com muita dedicação, plantávamos. Havia um forte movimento de poesia falada e eu acabara de entrar nele pela madrinhagem daquela linda poeta.

No meio da matança dessa saudade chega a mim sua joia preciosa: Borboleta Sumaríssima. Um mútuo antropofagismo se apossa do meu encontro com esse livro: é um tal de devora daqui, devora dali. Garrei nele. Ele garrou em mim. Levei ele pra todos os lugares, viajei com ele, fui pra longe, fui pra perto, sempre lendo relendo decorando verso sem querer, lendo pros amigos ouvirem.

Como sempre foi, Glória não faz poesia de esconde-esconde, daquelas que ninguém entende o assunto. Tampouco é uma poesia que se envergonha de sofrer bonito assim. Mesmo morrendo ou renascendo a cada página, Borboleta Sumaríssima não consegue ser um livro triste. Tem a habilidade de quem sabe versar tocando no triste como mote mas não como morte do amanhã.

Bem-vinda à nossa estrada que é a sua, aquela que você generosamente me apontou e da qual eu vivo até hoje com orgulho, amiga. Nossos poemas ainda dialogam livres no quintal da cidade. Bela literatura a sua que não larga a saia compridíssima de seu dom. Fumegam antigos novos olhos azuis sobre as asas iguais. O leitor provará o sabor deste presente. É a Glória".

Elisa Lucinda - Escritora e atriz

Rio, 5 de julho de 1999

(...)

Andréa Maia- Psicóloga "Sangria é impressionante,meu livro do início da entrada no mundo da psicologia década de 80, meu livro de poemas da juventude junto com alguns outros,mas sempre preferido, Sexo Urbano é sensacional e Borboleta Sumaríssima GH me deu a honra de me dar de presente,maravilhoso".

Mais publicações desse autor
Ver a lista completa
Impresso
R$ 35,65
Ebook
R$ 11,84
Impresso
R$ 36,14
Ebook
R$ 12,46
Impresso
R$ 35,87
Ebook
R$ 11,84
Impresso
R$ 37,33
Ebook
R$ 11,84
Impresso
R$ 37,05
Ebook
R$ 11,84
Publicações relacionadas
Ver a lista completa
Impresso
R$ 36,26
Ebook
R$ 17,22
Impresso
R$ 49,51
Impresso
R$ 64,33
Impresso
R$ 35,35
Impresso
R$ 34,94
Impresso
R$ 35,31
Ebook
R$ 13,99
Impresso
R$ 28,07
Ebook
R$ 17,22
Impresso
R$ 44,03
Impresso
R$ 40,42
Ebook
R$ 11,84
Comentários
0 comentários