Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO
Carta Sobre a Tolerância
Categorias
Sociologia Da Religião, Filosofia / Religião, Religião, Filosofia, Ciências Humanas E Sociais
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 94 vezes desde 10/04/2020
Versão
ebook
R$ 12,38
Disponível em:
epub
Valor total:
R$ 12,38
Este ebook também pode estar à venda na:
Sinopse

Desde a Reforma Protestante, de 1517, cristãos das diversas denominações religiosas entraram em guerra permanente entre si, com incontáveis mortes. O desafio de John Locke, com sua proposta de tolerância, foi encerrar este conflito.

Monges e pastores extremistas injetavam aversão e intolerância nos seus seguidores. O remédio estava na filosofia, visto que esta deixava a 'alma tranquila', expulsando de si as crenças radicais e insanas, abrindo espaço para soluções razoáveis e realistas que permitiriam o bom convívio entre todos os homens.

Em exílio na Holanda, John Locke se corresponde com seu amigo Phillip van Limborch, discorrendo sobre a questão da tolerância. Sem que Locke autorizasse, Limborch publicou a missiva com o titulo de Letter concerning on Tolerance, ou Carta sobre a Tolerância, que aparece pela primeira vez em Londres em 1689, ano da Gloriosa Revolução.

A solução do problema exigia a necessária separação radical dos assuntos do Estado daqueles da Igreja. Enquanto os interesses de um se misturavam com os do outro não haveria progresso em direção à tolerância.

O Estado, para Locke, nasceu da necessidade do Homem obedecer a Lei Natural, com a função de assegurar a integridade da sua vida, do seu corpo, liberdade e bens. Tem como objetivo conservar e promover o patrimônio material.

A Igreja, por sua vez, é de outra natureza, visto que resulta de uma associação livre e voluntária: uma societas spontanea, sem obrigações com a Lei Natural. Nasce da afirmação pública da fé, de servir e honrar a Deus, formada por meio de um livre acordo.

Os assuntos da Igreja, seus dogmas, seu culto, as assembléias religiosas ou concílios, não dizem respeito ao Magistrado. Não é assunto da jurisdição dele, sendo que nenhum decreto humano pode afetar o seu caráter sagrado.

Para Locke, tolerância não era sinônimo de licença, aplicando-se no exercício da liberdade desde que não fosse contra a existência da comunidade política e da paz civil.

Características
Número de páginas 0
Edição 1 (2020)
Formato A5 (148x210)
Acabamento Brochura c/ orelha
Coloração Colorido
Tipo de papel Offset 75g
Comentários
0 comentários