O Direito de Ser Homem
Da alienação da desigualdade social à autonomia da sociedade igualitária na teoria política de Jean-Jacques Rousseau
Categorias
Ciências Humanas E Sociais, Filosofia, Ética E Filosofia Moral, Antropologia
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 3269 vezes desde 17/09/2015
Versão
impressa
R$ 48,49
Valor total:
R$ 48,49
Valor total:
R$ 48,49
Este livro pode estar à venda na:
Sinopse

"Se quisermos saber no que consiste, precisamente, o maior de todos os bens, qual deva ser a finalidade de todos os sistemas de legislação, verificar-se-á que se resume nestes dois objetivos principais: a liberdade e a igualdade." [Rousseau]

Baseada no referencial teórico de Rousseau, a referida investigação assinala que, se a sociedade injusta (iníqua, “que é”), caracterizada pelo Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os homens [1754], traz como fundamento a propriedade privada, a divisão do trabalho e a alienação, instaurando uma desigualdade incompatível com o pressuposto da condição humana, a saber, a liberdade, à sociedade justa (legítima, que “deve ser”) se impõe a questão que, segundo o exposto em Do Contrato Social [1762], envolve a construção de “uma forma de associação” que seja capaz de defender e proteger “a pessoa e os bens de cada associado”, implicando também que o vínculo estabelecido entre o indivíduo e todos os demais possibilite a conservação da liberdade, embora exigindo de cada membro a obediência, o que demanda uma sujeição que não se circunscreva senão a si mesmo, conforme assegura a Vontade Geral. Dessa forma, baseada no caráter necessário que Rousseau atribui ao pacto social, que constitui-se no ato pelo qual o povo se faz povo e torna-se um corpo coletivo e moral que emerge como a única fonte legítima do poder e seu único detentor, a investigação, que traz como princípio metodológico o materialismo histórico e dialético, assinala a Vontade Geral como condição para o exercício da soberania popular em uma construção que requer uma formação econômico-social que possibilite sua manifestação como tal, na medida em que encerra o interesse comum e um processo que envolve as decisões coletivas e, antes, a sua elaboração, e demanda a criação de condições concretas para a sua objetivação, o que implica a inter-relação que, abrangendo liberdade e igualdade, consiste no “direito de ser homem” e perfaz a verdadeira democracia.

Características
ISBN 978-85-68078-02-0
Número de páginas 150
Edição 1 (2015)
Formato A5 (148x210)
Acabamento Brochura c/ orelha
Coloração Preto e branco
Tipo de papel Couche 90g
Fale com o autor
Luiz Carlos Mariano da Rosa

Filósofo, Teólogo e Cientista da Religião, o Professor-Pesquisador Luiz Carlos Mariano Da Rosa tem como objeto de interesse a construção do conhecimento e a inter-relação que envolve as formas simbólicas constitutivas da “realidade” humana, tais como mito e filosofia, ciência e história, arte e linguagem, religião, entre outras, além dos princípios capazes de assegurar uma sociedade igualitária e uma ordem política baseada no interesse comum. Autor de uma produção acadêmico-científica de caráter interdisciplinar, multidisciplinar e transdisciplinar, que tem como principais áreas de investigação a Teoria do Conhecimento, a Filosofia da Educação, a Filosofia Política, a Filosofia da Religião e a Teologia Filosófica, o Professor-Pesquisador Luiz Carlos Mariano Da Rosa traz em seu currículo acadêmico diversos artigos científicos e vários livros publicados pelas editoras e revistas especializadas nacionais e internacionais.

Comentários
0 comentários