Os Direitos da Razão e a sua Autoprodução entre o Sistema de Conhecimento de Descartes, o Projeto Crítico de Kant e o Idealismo Absoluto de Hegel
Categorias
Metafísica, Filosofia / Religião, Filosofia, Ciências Humanas E Sociais
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 525 vezes desde 17/04/2018
Versão
impressa
R$ 56,03
Valor total:
R$ 56,03
Valor total:
R$ 56,03
Este livro pode estar à venda na:
Sinopse

"O que é racional é real e o que é real é racional." [Hegel]

Se o sentido e a finalidade da razão como instrumento de conhecimento convergem para a possibilidade de discernimento envolvendo o verdadeiro e o falso, o que se impõe ao seu exercício não é senão um método que consiste na aplicação de determinados preceitos destinados tanto ao entendimento como à vontade, cuja contradição caracteriza, segundo Descartes, o fundamento metafísico do erro. Descartes, conforme assinala o Capítulo 1, recorre a uma dúvida que, na investigação dos fundamentos absolutos, encerra uma radicalidade que tende a se deter nas fronteiras do próprio ato de duvidar, o que implica na experiência do Cogito e traz a prova ontológica da existência de Deus como única condição capaz de assegurar a realidade do mundo.

Sobrepondo uma concepção crítica envolvendo os fundamentos do saber às ontologias dogmáticas que se impõem ao trabalho que implica a apreensão das questões filosóficas, o projeto kantiano propõe o fim da filosofia como construção metafísica e a necessidade de se lhe atribuir uma tarefa teórica de caráter essencialmente genealógico e crítico, no sentido que encerra a legitimação do conhecimento racional através da análise das faculdades que se lhe estão atreladas, conforme assinala o Capítulo 2, que se detém nos direitos da razão cuja legitimidade a lógica da verdade reconhece e cuja ilegitimidade a lógica da aparência denuncia, convergindo para as fronteiras que encerram a possibilidade da construção do conhecimento científico, à medida que, tornando o entendimento o legislador universal da natureza e circunscrevendo a utilização das categorias aos limites da experiência possível, propõe as condições necessárias para fundá-lo sobre os juízos sintéticos a priori.

Assinalando o modo pelo qual a lógica acena com a emergência do Absoluto, o Capítulo 3 se detém na leitura hegeliana que, baseada no postulado que encerra uma equivalência entre o racional e o real, sublinha o movimento dialético que converge para a autoprodução da Razão, cujo processo traz o Estado como a sua realização através do Espírito objetivo, que implica uma relação antitética que envolve o Espírito subjetivo do homem e culmina na sua transposição em uma unidade substancial, a saber, o Espírito “em si” e “para si”, o Absoluto como Espírito, puro saber de si da Idéia, perfazendo uma perspectiva que caracteriza a História como a encarnação do Espírito e atribui à liberdade uma condição que transcende o indivíduo e sua vida privada.

Características
ISBN 978-85-68078-07-5
Número de páginas 198
Edição 1 (2018)
Formato A5 (148x210)
Acabamento Brochura c/ orelha
Coloração Preto e branco
Tipo de papel Couche 90g
Fale com o autor
Luiz Carlos Mariano da Rosa

Filósofo, Teólogo e Cientista da Religião, o Professor-Pesquisador Luiz Carlos Mariano Da Rosa tem como objeto de interesse a construção do conhecimento e a inter-relação que envolve as formas simbólicas constitutivas da “realidade” humana, tais como mito e filosofia, ciência e história, arte e linguagem, religião, entre outras, além dos princípios capazes de assegurar uma sociedade igualitária e uma ordem política baseada no interesse comum. Autor de uma produção acadêmico-científica de caráter interdisciplinar, multidisciplinar e transdisciplinar, que tem como principais áreas de investigação a Teoria do Conhecimento, a Filosofia da Educação, a Filosofia Política, a Filosofia da Religião e a Teologia Filosófica, o Professor-Pesquisador Luiz Carlos Mariano Da Rosa traz em seu currículo acadêmico diversos artigos científicos e vários livros publicados pelas editoras e revistas especializadas nacionais e internacionais.

Comentários
0 comentários