Go_to_top Bar
Seu carrinho está
vazio
Olá

Clube de Autores é a maior comunidade de autopublicação da América Latina. Inicie agora!

Livro SÃO PAULO

HISTÓRIA DA PROVÍNCIA

Por: ADEILSON NOGUEIRA Denunciar

Ajaxloader
por
R$ 40,28
por
R$ 22,60

Sinopse

Dom João III, determinando dividir a costa brasileira em capitanias, no período em que Martim Aflonso de Souza estava nesta nova região, presenteou-o, em 1532, com uma que compreendia cem léguas de costa a seu irmão Pedro López de Souza, que acompanhou ele com outros cinquenta; mas a carta de nomeação para Martim Aflonso não foi assinada até o dia 20 de janeiro de 1535, no momento em que ele já havia tomado sua partida para a Índia. Especificou que esta capitania, que depois tomou o nome de São Vicente, devia se estender do rio Macaque até doze léguas ao sul da ilha de Cannanea, onde fica a barra de Paranágua, exceto uma certa parcela de dez léguas, calculada a partir do rio Carapace, chamado Jiquiriquere, ao de São Vincente. A capitania de Pedro López de Souza, que foi nomeada Santo Amaro, incluiu as dez léguas ditas. A de São Vicente quase não existia quarenta anos antes, quando foi privada da metade do seu território, com a finalidade de criar a nova de Rio de Janeiro.

Com a mudança de possuidores, os limites do sul de ambas as capitanias desapareceram, e a jurisdição dos governadores começou a se ampliar gradualmente sobre as províncias que constituiam Minas Geraes, Goyaz, Matto Grosso, Santa Catharina e Rio Grande do Sul, onde, através do advento dos paulistas, as colônias foram plantadas pela primeira vez.

A autoridade de Herrera justificaria a conclusão de que havia uma fábrica em São Vincente no ano de 1527. Em todo o caso, a licença que Martim Affonso concedeu a Pedro Goes, em 3 de março de 1533, com a finalidade de exportar dezessete índios cativos, livre de todos os deveres que costumava pagar, demonstra amplamente que tal estabelecimento existia por algum tempo antes do último ano. Martim Affonso encontrou ali dois europeus, Antonio Rodrigues e João Ramalho, que Herrera imaginou, escaparam de um naufrágio na costa; mas parece improvável que pudessem, por si só, constituir uma fábrica; vez que estabelecimentos desse tipo necessitam necessariamente de um número considerável de pessoas.

Vosgien diz que a cidade de São Paulo era uma espécie de república, independente dos portugueses, e formada por bandas de diferentes nações, o todo estava regulamentado e consistente em piratas e ladrões, que pagaram um tributo de ouro ao rei de Portugal, até serem subjugados por essa coroa. Isso é contrário às autoridades portuguesas, que afirmaram que sempre foram fieis sujeitos de Portugal, desde a fundação da capital.

No período de Felipe II, tornando-se este possuidor de Portugal, e tendo, em consequência, algum controle sobre suas colônias, até o dia da aclamação, que restaurou a coroa para Dom João IV, os paulistas não se separaram da jurisdição da corte castelhana, mas se opuseram aos espanhois que possuíam as terras ricas ao sul e a oeste do Paraguai; e começou a se aproximar do centro do continente com seus estabelecimentos. Isso induziu os paulistas a entrarem em uma expedição secreta em 1631, para interromper seu progresso. Tendo percorrido, com oitocentos homens, os sertões ou o interior, os rios Parannapanema e Tibagy, eles caíram sobre Villa Rica e Ciudad Real. A cidade de Xerez, situada perto das cabeças do rio Mondego, experimentou o mesmo infortúnio; também trinta e duas aldeias que constituíram três pequenas províncias. Os paulistas, embora não designassem os índios domésticos pela denominação de cativos, ou escravos, mas pelo de administrados, descartava-os como tal, dando-os aos credores em pagamento de dívidas e por dote em ocasiões de casamento. Os jesuítas, que possuíam ou tinham o controle sobre um grande número de índios, e sob o poder de quem receberam a denominação de administradores, sem que as consequências da escravidão fossem anexadas ao termo, reclamado contra os abusos praticados pelos paulistas, demonstrou-lhes a impropriedade de usurpar um direito de dispor da liberdade dos índios. Os paulistas, que eram opulentos, e deviam toda a sua riqueza aos braços de seus numerosos administrados, decididos a expulsar os jesuítas para que as verdades que eles promulgassem não se opusessem ao seu interesse. A oposição recíproca de duas famílias, cada uma que desejava ter toda a administração do governo, levou-os, com seus respectivos partidários, a abrir a guerra, o que teria conduzido aos resultados mais desastrosos, se a prudência de alguns eclesiásticos não os tivesse desarmado no campo de batalha, persuadindo os chefes a um compromisso, pelo qual um número razoável das famílias envolvidas, desde então, deveriam entrar nas funções do governo. Este pacto, realizado no ano de 1654, continuou até meados do século seguinte.

Os jesuítas começaram esta cidade, no ano 1552, com a fundação de uma faculdade, na qual celebraram a primeira missa no dia da conversão do apóstolo cujo nome foi consagrado em 1554, e que proporcionou o subsequente nome de São Paulo para a cidade e província. Esta estrutura agora tornou-se o palácio do governador. Seis anos após o primeiro estabelecimento dos jesuítas, São Paulo adquiriu a denominação de cidade. Seus primeiros habitantes eram uma horda de índios Guayana, com o cacique ou chefe chamado Tebireca, que morava na aldeia de Piratinin, perto do pequeno rio do mesmo nome, não muito longe da nova colônia, que, em consequência, tomou a denominação de São Paulo de Piratininga, e manteve-o até o ano 1712, quando foi dignificada com o título de cidade, e, em 1746, foi ainda mais honrada por se tornar sede de um bispado. Os índios logo foram superados por um grande número de europeus, a quem eles chamaram emboabas, em consequência de suas pernas cobertas e que transmitiam às mentes dos índios uma semelhança de certos pássaros com pernas emplumadas assim chamados por eles. As alianças dos novos colonos, com os índios, produziram logo uma terceira classe de pessoas, a quem deram o nome de Mamelucos, com os quais o estabelecimento recebeu um aumento considerável.

Categorias: Historiografia, Antigo, América Latina, Não Ficção, Geografia E Historia, Educação
Palavras-chave: brasil, colonizaÇÃo, histÓria, paulo, sÃo

Características

Cover_front_perspective
Número de páginas: 29

Edição: 1(2018)

Formato: A4 (210x297)

Tipo de papel: Offset 75g

Sobre o autor

Mini
ADEILSON NOGUEIRA

ADEILSON SANTANA NOGUEIRA — Nascido em Estância-SE, em 30/06/1969, filho de Francisco de Carvalho Nogueira (I.M.) e de Maria Aldeiza Santana Nogueira, desde cedo apresentou interesse pela literatura e pela poesia, tanto é assim que, aos 11 já escrevia os primeiros poemas, com premiação em concurso de poesia no Colégio Costa e Silva, em Aracaju, cuja temática era a discriminação racial, também obtendo premiações na cidade de Lagarto, no Colégio Polivalente. Aos 10 anos, recebeu das mãos do Prefeito Heráclito Rollemberg, em Aracaju, o Certificado que lhe concedia o título de secretário mirim da educação. Em 1987 teve poemas publicados em dois livros no Rio de Janeiro: Brasil Literário (Crisalis Editora) e Poesia Brasileira (Shogun Editora e Arte), além de diversos escritos para o Jornal de Campos, Styllo, Primo Notícias, em Tobias Barreto, Folha da Jhô, em Lagarto, e Jornal da Manhã e Jornal da Cidade, em Aracaju. Jornalista e escritor, é autor de diversos livros, a exemplo da “Cartas de Amor”, “Um Poema para Você”, “Versos Dispersos e Prosa Esparsa”, “Exemplos que Edificam”, Rádio Novela “Gavião Rasteira e o Zoológico do Inferno”, “Lições que não Esqueci”, “Anos de Roubalheira”, “O Encontro”, “Épicos”, “Política”, “Mandacaru, A Origem” e “Julio Cesar”, “Pascal”, “Nogueira” “Cartas de Tobias”. Em 1987, a convite, fez um programa direcionado à cultura na Rádio Progresso de Lagarto, fato que o estimulou a fazer o curso de radialista na cidade de Itabuna-BA, tendo passado pela Rádio Progresso, Rádio Clube de Itapicuru, Rádio Luandê FM e Rádio Imperatriz (atual Ilha AM). Em 1999, ocupava o cargo de assessor de Comunicação na Prefeitura de Tobias Barreto, onde coordenou o Jornal Cidadania pra valer, de publicação mensal, na gestão do então prefeito Diógenes Almeida, fazendo parte, também, do colegiado das Políticas Educacionais. Professor desde 1988, prestou serviços à educação nos Colégios Monsenhor Basilíscio Raposo, Colégio Nsª Srª Menina, Ranchinho Feliz, Educandário Nsª Srª do Carmo, Colégio Cenecista Arnaldo Dantas, na Barra dos Coqueiros, além do SENAC e do CENAPE – curso pré-vestibular. Sempre que possível, levou oficiais da polícia militar à sala de aula para darem palestras contra o uso de entorpecentes. Em 1992, viajou para o Japão, onde trabalhou na Mitsubishi Motors Corporation, sediada na cidade de Nagoya, retornando em 1994. Primeiro representante da Anistia internacional em Sergipe, foi graças ao seu esforço decisivo junto ao Ministério da Justiça do Governo Peruano, sob a ditadura Fujimori, que a Anistia conseguiu a liberdade para um outro professor, injustamente encarcerado por comentar questões políticas em sala de aula. No Brasil e no Japão comandou greves, neste último, conheceu de perto a perseguição promovida pelos sindicatos patronais ao proletariado.

De 2005 a 2012, ocupou o cargo de Assessor Jurídico na Prefeitura Municipal de Tobias Barreto, de onde presidiu a comissão responsável pelo 2º Concurso Público na gestão da então prefeita Marly Barreto, além de colaborar na Lei que criou o Plano Diretor, entre tantas outras. Membro da Academia Tobiense de Letras e Artes – ATLAS, da qual é o atual presidente (biênio 2015-2017).

Numismata desde os seis anos de idade, suas 10 palestras sobre coleção de moedas antigas, registradas em DVD’s, viajaram pelos quatro cantos do País, para os Estados Unidos e Europa, tendo seu nome sempre lembrado nos encontros de colecionadores por todo o País.


Mais publicações desse autor

TARSUS

TARSUS

ADEILSON NOGUEIRA
R$ 40,28 Impresso
R$ 22,60 Ebook
SMYRNA

SMYRNA

ADEILSON NOGUEIRA
R$ 40,28 Impresso
R$ 22,60 Ebook
SKEPSIS

SKEPSIS

ADEILSON NOGUEIRA
R$ 40,28 Impresso
R$ 22,60 Ebook
PHOCAEA

PHOCAEA

ADEILSON NOGUEIRA
R$ 40,28 Impresso
R$ 22,60 Ebook
PERGAMUM

PERGAMUM

ADEILSON NOGUEIRA
R$ 40,28 Impresso
R$ 22,60 Ebook
MARATHUS

MARATHUS

ADEILSON NOGUEIRA
R$ 40,28 Impresso
R$ 22,60 Ebook
MAGNESIA

MAGNESIA

ADEILSON NOGUEIRA
R$ 40,28 Impresso
R$ 22,60 Ebook
LAODIKEIA AD MARE

LAODIKEIA AD MARE

ADEILSON NOGUEIRA
R$ 40,28 Impresso
R$ 22,60 Ebook
LAMPSAKOS

LAMPSAKOS

ADEILSON NOGUEIRA
R$ 40,28 Impresso
R$ 22,60 Ebook
KYME

KYME

ADEILSON NOGUEIRA
R$ 40,28 Impresso
R$ 22,60 Ebook
EPHESUS

EPHESUS

ADEILSON NOGUEIRA
R$ 40,28 Impresso
R$ 22,60 Ebook
EDESSA

EDESSA

ADEILSON NOGUEIRA
R$ 40,28 Impresso
R$ 22,60 Ebook

Comentários - 0 comentário(s)


Fale com o autor

*Seu nome

*Seu email

*Mensagem


Como funciona

Passo 1

Você publica seu livro online, gratuitamente.

Passo 2

Você diz quanto quer receber de direitos autorais.

Passo 3

Nós vendemos e você recebe o dinheiro por depósito direto na sua conta.

Serviços profissionais

Conheça nossos serviços

São vários serviços para auxiliá-lo em sua obra:

Depoimentos

"No Clube eu pude realizar meus sonhos! Pude dar vida a estórias guardadas apenas comigo! Durante meses eu busquei orçamentos em editoras e não encontrei um lugar onde eu tivesse condições de publicar os meus livros. Era tudo caro demais e eu já tinha muitos livros escritos e guardados. Seria im..."

Paula R. Cardoso Bruno

Formas de Pagamento (até 12x)

Segurança

Print


Clube de Autores Publicações S/A   CNPJ: 16.779.786/0001-27

Rua Otto Boehm, 48 Sala 08, América - Joinville/SC, CEP 89201-700