DAS PEDRAS AOS PICOS
Código do livro: 357972
Categorias
Poesia, Literatura Nacional
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 298 vezes desde 10/02/2021
Versão
impressa
R$ 40,40
Valor total:
R$ 40,40
Versão
ebook
R$ 17,65
Disponível em:
PDF
Valor total:
R$ 40,40
Este ebook também pode estar à venda na:
Sinopse

DAS PEDRAS AOS PICOS é uma miscelânea reunida em livro no ano de 1984, quando o autor se encontrava no auge da sua militância política; resistência à ditadura militar e às oligarquias sertanejas. Tinha, então, vinte e oito anos de idade e era vereador de Picos e acadêmico do curso de direito. Já tinha publicado os livros “Quem manda na sua vida?” (1977) e “Etc&Tal” (1981).

DAS PEDRAS AOS PICOS foi bem recebido pelos que já militavam nas letras: “Esta miscelânea de crônicas, poemas, pensamentos, contos e artigos, pela sua virgindade é sedutora, e documenta a história viva do homem do interior, carcomido pelas contrariedades do meio e pelos descaminhos da politicalha de clientela e de família; estratificado, estupidificado pelo sistema cartorial brasileiro – partido do absolutismo português e continuado pelas capitanias hereditárias, até hoje vigentes, sob os mais diferentes disfarces” – ressalta Francisco Miguel de Moura no prefácio.

O paulistano Eduardo Maffei, autor do best seller “Maria da Greve”, escreveu ao autor em 29 de Julho de 1985: “Meu caro Ozildo, saúde e paz. E muito calor. O de Teresina que eleva a escala do termômetro e o seu que esfria os inimigos do povo. E também o de uma certa Anaelisa da Pientur que é capaz de fazer ferver o Ártico e incendiar um iceberg. Só agora li seu livro. O que tem menos pedras que picos. Para V. que começou a vida na roça, o livro mostra muita raça. Aquele do Doidinho o transforma num La Fontaine perguntador.”

“Considerando o que já produziu no âmbito literário e no embate político travado com honra e destemor,” – alerta o poeta Hardi Filho – “Ozildo tem muito a oferecer de positivo e útil à coletividade, principalmente se continuar merecendo a confiança e o apoio cada vez maior de sua terra e de sua gente. O espírito reto e empreendedor desse rapaz não se aquieta frente à proliferação costumeira das acomodações e dos conchavos espúrios. Sempre a exigir dos homens públicos o devido interesse e respeito pelas causas do povo, são, em verdade, impressionante o ideal e a disposição desse jovem, empenhado de corpo e alma no estudo dos problemas humanos e no trabalho em prol de uma sociedade mais justa e mais consciente do seu destino.”

O escritor baiano João Ubaldo Ribeiro, em carta ao contista piauiense José Magalhães da Costa, datada de 19 de setembro de 1985, assim se expressou: “Somente hoje porque somente hoje terminei de ler a última página do livro de Ozildo Batista (Das Pedras aos Picos) – estou escrevendo pra você, tendo o duplo prazer de agradecer aquele livro e comunicar-me mais uma vez com um cara tão bacana como o Autor da Estação das Manobras. Sempre foi minha opinião, mormente depois de ter conhecido o velho Nonon, que, longe dos grandes centros do país, se escreve tão bem ou melhor. Agora mesmo estou recebendo coisas do Maranhão e de Santa Catarina. Não tive tempo, ainda, de ler mas, pelo passar de olhos, estou vendo que é coisa boa. Do Carlos Cunha, também estou recebendo uma boa crítica feita por ele, no Jornal de Hoje, de São Luís-MA – sobre minha Margueira Amarga. Mas, voltando ao livro do santamente inconformado Ozildo, só posso dizer o que você sabe: gostei de tudo. Li as poesias. (...) São excelentes, sim! Só o Rabo da Égua Morta, tem mais profundidade do que o oceano!!! E em mui poucas linhas...”

O contista Magalhães da Costa, por seu turno, quando do lançamento desta obra, escreveu: “Poesias: poemas sociais, fortes, ternos; poemas telúricos e retratistas cruéis, verdadeiras crônicas e registros curtos; poemas acabados e definitivos, feitos para ficarem, como vão ficar, garanto a vocês. São crônicas a outra parte. Crônicas das melhores que se escreveu entre nós. E aqui eu quero colocar o autor como o nosso melhor cronista político, mais com uma observação e comparação com os outros: Ozildo escreve crônica com amor e arte, com ideia de raça e garra, do homem forte e bravo. (...) Nunca vi uma escrita tão saborosa. É texto pra se pegar e não largar mais.”

O poeta Rubervan du Nascimento, unindo-se às vozes daquela época, após tecer outras considerações, arrisca-se numa visão premonitória: “O que me faz forte em Ozildo Batista de Barros não é a certeza de que será maior com a continuação da pesquisa do universo poético e humano, nem a coragem de espantar a pregação dos indignos, mas a convicção de que trilha o caminho certo: o difícil caminho da poesia deste Piauí difícil, por onde passaram muitos bois errantes e poucos homens.”

Esta edição é um resgate histórico.

Características
Número de páginas 152
Edição 1 (2021)
Formato A5 (148x210)
Acabamento Brochura c/ orelha
Coloração Preto e branco
Tipo de papel Couche 90g

Tem algo a reclamar sobre este livro? Envie um email para atendimento@clubedeautores.com.br

Mais publicações desse autor
Ver a lista completa
Impresso
R$ 47,94
Ebook
R$ 19,80
Impresso
R$ 38,19
Ebook
R$ 19,80
Impresso
R$ 34,57
Ebook
R$ 19,80
Impresso
R$ 37,42
Ebook
R$ 17,65
Impresso
R$ 37,69
Ebook
R$ 15,50
Impresso
R$ 37,78
Ebook
R$ 19,80
Impresso
R$ 38,56
Ebook
R$ 19,80
Publicações relacionadas
Ver a lista completa
Impresso
R$ 33,20
Ebook
R$ 25,19
Impresso
R$ 42,63
Ebook
R$ 15,50
Impresso
R$ 65,26
Ebook
R$ 46,71
Impresso
R$ 43,69
Ebook
R$ 25,19
Impresso
R$ 48,03
Ebook
R$ 25,19
Impresso
R$ 43,70
Ebook
R$ 17,65
Impresso
R$ 35,61
Ebook
R$ 16,58
Impresso
R$ 34,22
Ebook
R$ 16,58
Impresso
R$ 41,79
Ebook
R$ 25,19
Impresso
R$ 44,68
Ebook
R$ 23,99
Impresso
R$ 38,45
Ebook
R$ 14,42
Comentários

Faça o login deixe o seu comentário sobre o livro.

0 comentários