Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO
POETANA
Categorias
Literatura Nacional, Poesia
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 189 vezes desde 23/11/2020
Versão
impressa
R$ 35,52
Valor total:
R$ 35,52
Versão
ebook
R$ 17,22
Disponível em:
PDF
Valor total:
R$ 35,52
Este ebook também pode estar à venda na:
Sinopse

Passado mais de uma década após a publicação do Socotó (2007), todos os leitores e o mundo inteiro (porque agora versado até em outros idiomas: “Vattene vieni vita”) puderam tomar conhecimento de mais uma obra poética de Ozildo Batista de Barros.

Enganou-se quem imaginava que a cacimba poética do Baixio das Abóboras havia secado ou mesmo minguado. Ao longo desses anos, acompanhei passo-a-passo o processo de escritura do Poetana, na maioria das vezes como primeira leitora ainda do “poema-trans” (1) e/ou através da “Janela da Poesia”, onde são fixados os novos poemas, bem como por meio da declamação artística do poeta e ator Vilebaldo Rocha, da poetisa Ana Maria Coutinho ou na voz segura e inconfundível do próprio autor, em nossos Saraus Poéticos no Falecido Amor.

Ao final da leitura desta coletânea, com prefácio poético de Vilebaldo Nogueira Rocha (“Ozildo Batista” e “Falecido Amor”), o que mais poderia ser dito ao atento leitor que lhe acrescentasse algo novo? Eu responderia: quase nada!

O que se pode certamente afirmar é que, o mesmo poeta, adolescente do Quem Manda na sua Vida? (1977), e o adulto e angustiado do ETC & TAL (1981) e do Das Pedras aos Picos (1984), continua vertendo poesia por todos os poros. No entanto, desse feita, com a sapiência e a tranquilidade de quem vive ao lado do “Lago do Amor” e desfruta “a brisa de Sussuapara”.

O estilo não mudou. Discípulo do modernista Oswald de Andrade e adepto do poema-pílula, Ozildo conserva o seu estilo inconfundivelmente seco e demolidor, receitando-nos, mesmo que em pequeninas doses, grandes verdades de efeitos prolongados. O estilo poema-bonsai, como nos aponta Regis de Moura Marinho no artigo “Socotó, a técnica do bonsai aplicada à poesia” (2), predominante em Socotó, mas já muito presente em ETC&TAL (1981), aprimorado em Versos e Reversos (1999), tem continuidade no Poetana, com os poemas “Reação”, “Silêncio do exílio”, “Evolução das espécies”, “Peixe elétrico”, “Humanae ignis”, “Do ser” e “Almas”. No entanto, percebe-se uma diversificação com poemas longos e prosaicos, como “Serra do Brejinho” e “Movimento das brisas”, à semelhança das conversas poéticas do defensor da ética e da liberdade de expressão (“Silêncio sacrifício: / O silêncio obsequioso da Santa Sé / dado ao Frei Leonardo Boff”).

Características
Número de páginas 112
Edição 1 (2020)
Formato A5 (148x210)
Acabamento Brochura c/ orelha
Coloração Preto e branco
Tipo de papel Offset 75g
Mais publicações desse autor
Ver a lista completa
Impresso
R$ 35,11
Ebook
R$ 12,92
Impresso
R$ 34,84
Ebook
R$ 15,07
Impresso
R$ 35,20
Ebook
R$ 17,22
Impresso
R$ 31,99
Ebook
R$ 17,22
Impresso
R$ 45,36
Ebook
R$ 17,22
Publicações relacionadas
Ver a lista completa
Impresso
R$ 30,61
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 40,04
Ebook
R$ 12,92
Impresso
R$ 62,68
Ebook
R$ 44,13
Impresso
R$ 41,11
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 45,44
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 41,11
Ebook
R$ 15,07
Impresso
R$ 33,03
Ebook
R$ 13,99
Impresso
R$ 31,64
Ebook
R$ 13,99
Impresso
R$ 39,21
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 42,10
Ebook
R$ 21,41
Impresso
R$ 35,87
Ebook
R$ 11,84
Comentários
0 comentários