GERUSA

Por OZILDO BATISTA DE BARROS

Código do livro: 611708

Categorias

Literatura Nacional, Humor, Artes

Compartilhe este livro
Esta página foi vista 290 vezes desde 06/11/2023
Versão
impressa
R$ 46,48
Valor total:
R$ 46,48
Versão
ebook
R$ 27,01
Leia em Pensática
Valor total:
R$ 46,48
Este ebook também pode estar à venda na:

Sinopse

GERUSA é uma geração literária contínua, um jornal íntimo ou jornal literário tentado pelo autor várias vezes, à moda Hardi Filho (O DEDO DO HOMEM), que, por sua vez, espelhara-se no Jornal de Ascendino Leite (Os Dias Duvidosos, 1962, 1966; Passado Indefinido ou Durações, 1963, 1966, 1983; O Lucro de Deus, 1963, 1966; A Velha Chama, 1974; As Coisa Feitas, 1968, 1980; Visões de Cabo Branco, 1969, 1981; O Vigia da Tarde, 1970, 1982; Um Ano no Outono, 1972, 1983; Os Dias Esquecidos, 1974; O Jogo das Ilusões, 1980, 1985; Os Dias Memoráveis, 1982, 1987; Sol a Sol Nordestino, 1987; Sementes no Espaço, vol. I e II, 1938 – 1988; O Velho do Leblon ou Novo Retrato do Artista Quando Velho, 1988; Momentos Intemporais, 1997; Os Pecados Finais, 1997; Aforismos para o Povo Instruído, 1998; Visão da Prata, 2001; Vulgata, 2001; Caracóis na Praia, 2001; O Princípio das Penas, 2003; As Pessoas, 2004;). Ascendino Leite é o grande mestre nessa maneira de praticar a Literatura e o Jornalismo, ao mesmo tempo. Vários outros escritores, a quase totalidade, também se utilizaram desse meio de comunicação íntima. Muitos desses escritos certamente se perderam; outros, transformaram-se, tomando outras formas literárias, poemas, contos, romances, peças teatrais. Esta é uma forma de dizer que o escritor não está só, nem jamais estará impedido de exercer a liberdade e o poder.

Jorge Amado, exemplo mais eloquente dessa afirmação, depois de encerrar a sua gloriosa carreira literária, publicou o Jornal Literário encartado no livro Navegação de Cabotagem, com o subtítulo: APONTAMENTOS PARA UM LIVRO DE MEMÓRIAS QUE JAMAIS ESCREVEREI. No entanto, o título é uma excelente metáfora das memórias de um escritor. Cabotagem é a navegação que se faz na costa entre portos de um mesmo país, numa viagem ininterrupta retornando aos mesmos portos, dentro das águas costeiras. É ver a nossa vida interior, pois o homem interior, indo onde quer que seja o lugar, não ultrapassará jamais os limites do próprio ser. Haverá avanços e retrocessos; idas e vindas, mas jamais uma fuga de si próprio ou o libertar-se definitivo da memória e das sombras.

João Porfírio de Lima Cordão arranjou uma maneira de dizer essa metáfora do Jornal Literário aplicada ao seu autor, no caso o poeta Hardi Filho no livro O DEDO DO HOMEM, por ele prefaciado: “lembra uma pessoa que excursiona durante um ano, sem parar em nenhuma das cidades visitadas, contudo, com tempo suficiente para em todas adquirir, desde pequenas bijuterias a verdadeiras joias, raras e preciosas, e tudo aquilo que ia comprando ia depositando em sua mala de viagem e ao chegar em casa começou a distribuir os presentes com os familiares e amigos”. É outro aspecto da mesma metáfora, mas, em qualquer hipótese, essa viagem de fato é uma excelente definição de Jornal Literário ou Jornal Íntimo.

O Jornal Literário é irmão de muitos outros gêneros, como as memórias, as confissões, a autobiografia, o diário íntimo... Gêneros cuja distinção torna-se quase imperceptível, principalmente para quem se dispõe a produzi-lo. Das memórias, possui o passado com suas cadeias de lembranças, conquanto dispersas, assistemáticas, fragmentárias, caóticas mesmas e, sobretudo, desobedientes ao rigor cronometrado do tempo, ao fragor do cronômetro das emoções; das confissões, reserva o instante e o lugar como referenciais do abismo em que o escritor se mira, buscando a si ou a outrem, que pode ser Deus (lembre-se de um Santo Agostinho); da autobiografia, tem a presença do personagem tricotando as experiências do passado e do presente, o calor da veracidade e a proximidade dos fatos, as sensações e reações face às infinitas surpresas do real; do diário íntimo, guarda a autoanálise e a forma despojada como o escritor observa os outros, do céu ao inferno, num julgamento severo, movido pela força da sinceridade, despido das máscaras sociais. A preexistência desses gêneros, como ensina Massaud Moisés, citando Gustavo Cohen, não obriga a qualquer sujeição a gênero ou a tradição já codificada que o artista tem atrás de si, da qual pode e deve partir, modificar ou confirma-la, sem pensar criar novos gêneros, uma vez que o “o gênio não perde o seu tempo criando gêneros, mas se esforça sobretudo em exprimir sua personalidade no quadro dos gêneros que existem e que lhe são dados de antemão”.

Esses presentes ou lembrancinhas, a que nos remete J. P. de Lima Cordão na descrição da metáfora acima, nem sempre são cortesias destinadas a amigos, como nessa breve nota de Ascendino Leite, em Um Ano no Outono: “Leio nos jornais: um novo livro de Antônio Callado, Título? Esqueci-o agora. Mas, desse, poderei assegurar que não passarei pela infelicidade de ter de tê-lo. Não o leria nunca. Poderia morrer antes de acabá-lo.”

Hidelberto Barbosa Filho, em A Paixão de Viver e Sentir, baseando-se em Escritos sobre estética e semiótica da arte, de Jan Mukaróvski, aponta para duas categorias da cultura humana a que se eleva o Jornal Literário de Ascendino Leite, que se aplica, evidentemente, aos demais autores desse gênero literário: “De um lado, a solidez de um documento vivo: da intimidade da leitura da vida literária, dos sabores e dissabores da alma, das reflexões filosóficas e de outras grandezas e miudezas que forjam a complexidade da existência.” E, quanto ao outro aspecto, põe em destaque a surpreendente materialização da virtualidade estética, colocando-nos (a ele, autor e a nós, leitores) na situação de estranhos perante o universo. “De estranho que, segundo o esteta tcheco, Jan Mukaróvski, desvela as ‘regiões’ inexploradas com ‘interesse nunca esgotado e vigilante’, revitalizando cada vez mais a consciência de si próprio e projetando-se na realidade que o cerca, medindo-a, interpretando-a e valorizando-a de maneira livre e original."

O livro GERUSA, assim como os demais desta série, apresenta-se, pois, com todos os defeitos, limitações e virtualidades estéticas de um Jornal Literário.

Características

Número de páginas 132
Edição 1 (2023)
Formato A5 (148x210)
Acabamento Brochura c/ orelha
Coloração Preto e branco
Tipo de papel Polen
Idioma Português

Tem algo a reclamar sobre este livro? Envie um email para atendimento@clubedeautores.com.br

Mais publicações desse autor
Ver a lista completa
Impresso
R$ 45,01
Ebook
R$ 27,01
Impresso
R$ 40,82
Ebook
R$ 27,01
Impresso
R$ 43,81
Ebook
R$ 24,75
Impresso
R$ 44,62
Ebook
R$ 27,01
Impresso
R$ 44,19
Ebook
R$ 27,01
Impresso
R$ 46,94
Ebook
R$ 24,75
Impresso
R$ 44,10
Ebook
R$ 22,49
Impresso
R$ 54,86
Ebook
R$ 27,01
Comentários

Faça o login deixe o seu comentário sobre o livro.

0 comentários