Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO
MOISÉS E A TRAVESSIA DO MAR VERMELHO
A formação do povo de Israel e sua herança espiritual
Categorias
Geografia E Historia, Religião, Teologia, Bíblia, Civilização, Egito
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 7609 vezes desde 19/02/2016
Versão
impressa
R$ 71,33
Coloração
Acabamento
Valor total:
R$ 71,33
Valor total:
R$ 71,33
Este livro pode estar à venda na:
Sinopse

A Travessia do Mar Vermelho (Êx 14, 5-31)

O texto sagrado refere que, após a décima praga, Faraó, aterrorizado, não somente permitiu, mas ordenou que deixassem os israelitas o Egito. Estes, pois, levando mulheres, crianças, gado e demais haveres, se retiraram em caravana na direção do Oriente. Chegando, porém, às margens do mar Vermelho, viram-se em graves apuros, que lhes teriam acarretado a morte, não fora uma intervenção extraordinária de Deus.

Com efeito, após as primeiras etapas dos emigrantes, Faraó, arrependido da concessão, resolveu ir-lhes ao encalço. Alcançou-os perto do Mar, de sorte que a multidão israelita se viu comprimida entre as águas, de um lado, e as tropas inimigas, do outro.

Como escaparia ao perigo iminente?

O Senhor fez com que a coluna de nuvem que antecedia Israel se colocasse entre este e o exército egípcio, causando opacidade entre os dois acampamentos. A seguir, Moisés, a mandado de Javé, estendeu a mão sobre o mar; um vento impetuoso de leste pôs-se a soprar durante uma noite inteira, de modo a formar no meio das águas um corredor. Era a oportuna válvula de salvação…; sem demora, os israelitas por ele enveredaram, passando o mar a pé totalmente enxuto! Quando os soldados de Faraó perceberam que os fugitivos se haviam lançado na direção do mar, seguiram-lhes as pegadas, entrando no corredor aberto. Eis, porém, que, ao despontar o dia, Moisés, por nova ordem do Senhor, mais uma vez estendeu a mão sobre as águas, que então se fecharam sobre a tropa de egípcios, fazendo perecer os perseguidores.

Como se há de entender esta narrativa?

Do texto sagrado se poderia inferir que o Senhor, dividindo o Mar Vermelho, realizou um prodígio totalmente insólito ou alheio à natureza dos elementos.

Pergunta-se, porém, se o texto bíblico insinua de fato tão extraordinária intervenção da Onipotência Divina.

A isto respondem competentes estudiosos que não somente o livro sagrado, mas também os vestígios de arqueologia recém-descobertos levam a concluir que a divisão do Mar Vermelho se deve a uma concatenação de causas naturais, só tendo de extraor dinário as circunstâncias (hora, duração…) em que se verificou. Eis como se explicam tais autores:

Nos tempos pré-históricos comunicavam entre si os mares Mediterrâneo e Vermelho, os quais só aos poucos foram sendo separados pelo istmo de Suez. Na época de Moisés (ca. 1240 a.C.), julga-se que o Mar Vermelho se prolongava ainda até os Lagos Amargos e talvez o Lago de Timsah (situados hoje no referido istmo); o porto de Colzum, donde na Idade Média partiam as naves para a Índia, é hoje um acervo de ruínas situadas a dez quilômetros do litoral. Nesta sua extremidade setentrional o mar, que tendia a recuar, não devia ser muito profundo. Há decênios, Bour­don, oficial de marinha francês encarregado durante muitos anos do serviço do canal de Suez, descobriu vestígios de uma estrada que, passando pelo Egito, desembocava num vau ainda hoje existente na parte meridional dos Lagos Amargos, e se prolongava do outro lado das águas; em território egípcio, ou seja, ao pé do Djebel (monte) Abu Hasa, o mesmo explorador encontrou as ruínas de um edifício que, conforme as inscrições, era simultaneamente templo religioso e fortim militar; esta construção, situada nas proximidades da estrada e do vau referidos, devia servir para proteger a fronteira, impedindo que entrassem na terra do Faraó invasores indesejáveis, e reabastecer as caravanas que do Egito se dirigiam às minas do Monte Sinai.

Características
ISBN 978-65-000-1066-4
Número de páginas 380
Edição 1 (2016)
Formato A5 (148x210)
Acabamento Brochura
Tipo de papel Offset 75g
Fale com o autor
JOSÉ MÁRCIO LACERDA

O AUTOR E ESCRITOR

PROF.: JOSÉ MÁRCIO LACERDA

Pedagogo , Geógrafo , Teólogo , Professor , Casado com Sandra Barbosa Felix Lacerda , Tenho um Filho Gabriel Félix Lacerda , Capelão , Conferencista , Educador Cristão , Psicanalista , Bacharelado em Teologia SUPERIOR pelo UNIFIL/PR , Licenciatura em Pedagogia SUPERIOR IESA/DF , Pós Graduação em Gestão Escolar COTEMAR/MG , Licenciatura em Geografia SUPERIOR UNOPAR/PR , Pôs Graduação em Tecnologias Educacionais FAVENI/MG , Bacharelado em Ciências da Religião FATEFINA/RJ , Curso de Missiologia/EMAD , Curso de Mestrado em Missiologia - Curso Internacional de Missões, Mestrado e Doutorado em Teologia FATEFINA/RJ , é Missiologo com mais de 17 anos de Experiência em teologia e missiologia , Diretor Presidente do SETEAD EDUCACIONAL – SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO TEOLÓGICA KERIGMA DIDACHE CNPJ : 29.511.479/0001-02 é Coordenador do SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE MISSÕES. Tendo unicamente a Bíblia por sua regra de fé e prática, sendo, no entanto, autônoma para resolver, por si mesma, quaisquer questões internas, de ordem espiritual ou material que, porventura, venham a surgir em sua Sede e suas respectivas. Somos filiados a e Registrado pela Ordem dos Teólogo do Brasil Nº 0.0255/2010 , OITEB - ORDEM INTERDENOMINACIONAL DOS TEOLOGOS DO BRASIL Sobre o Nº: 00105/2010- é CONSELHO NACIONAL DE PASTORES DO BRASIL - CNPB-75 CNPJ: 73.347.973/0001 , Sobre o Nº 00100/2010.

Comentários
1 comentários
Samuel Marini
Quinta | 25.02.2016 às 11h02
Olá José Márcio, tudo bem? Faço serviço de conversão epub, solicitação de ISBN, providência de ficha catalográfica, revisão, book trailer, e outros.. Caso tenha interesse, fale comigo. Meu site - www.artesam.com - e-mail: [email protected] - página no facebook: www.facebook.com/artesambr