Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO
Os delírios de Amy Hensley
Sanidade nem sempre é o suficiente.
Categorias
Diversos, Literatura Infanto Juvenil
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 4235 vezes desde 12/03/2013
Versão
impressa
R$ 30,89
Valor total:
R$ 30,89
Versão
ebook
R$ 16,14
Disponível em:
PDF
Valor total:
R$ 30,89
Este ebook também pode estar à venda na:
Sinopse

Ela não sabe onde está. Querem mata-la. O futuro de uma nação depende dela.

Amy Hensley nunca achou que pudesse governar alguma coisa. Na verdade, ela não consegue nem controlar a si mesma. Mas o povo de Katri não concorda. Depois de acordar em um lugar totalmente estranho, ela descobre que todos esperam que seja a rainha. Sem sua memória, assustada e provavelmente louca, percebe que toda a magia e o equilíbrio daquele estranho lugar estão sendo afetados pela perigosa ex-governante, que a quer morta.Depois de se situar da condição em que está, a garota se vê incapaz de distinguir realidade de imaginação. Passando por lugares inimagináveis e encantadores, Amy vê que a indecisão e a dúvida podem enlouquecer a mais sã das mentes.

Características
Número de páginas 91
Edição 1 (2013)
Formato A5 (148x210)
Acabamento Brochura c/ orelha
Coloração Preto e branco
Tipo de papel Offset 75g
Fale com o autor
Ana Luisa Caldeira Cannella

"Super-heroína à beira de um ataque de nervos. Quando não está salvando o mundo, costuma ler todo tipo de livro, fazer planos para conquistar o mundo e consumir quantidades perigosas de açúcar. Atualmente, luta contra a sua arquiinimiga: Ela mesma."

Ana Luisa Caldeira Cannella, 1999. Curitiba, Paraná. Nascida em Lages, SC. Apaixonada por Corujas e kiwi. Viciada em açúcar. Louca pelo Peter Pan. Fixada por ruivas. Geminiana e doente pelo House. Ama dentes-de-leão, mitologia e gatos. Prefere livros á televisão, frio ao calor e cachos a cabelos lisos. Gosta do cheiro de livros novos e tem muitos pesadelos estranhos. Gosta mais da lua do que do sol. Não vive sem RPG e desenhar. Obsessiva por globos de neves e HQ's velhos.

" Eu não sei ler mentes. Eu nunca tive um carro falante, muito menos um cachorro. Eu não sou mutante. Eu não faço parte de nenhuma liga de super-heróis. Também não saio por aí combatendo o crime sozinha. Eu não ganhei na loteria. Eu não troco correspondências com nenhum habitante do planeta Kepler 22-B. Para falar a verdade, eu nunca conheci nenhum alienígena.

Eu não tenho uma cauda. Eu não sou Jesus Cristo reencarnado. Ou Buda. Ou Saramago. Não tenho nenhum amigo que tenha nascido há mais de cinco mil anos. Também não conheço ninguém que tenha conseguido a imortalidade e depois enlouquecido por não conseguir morrer. Eu não sou uma espécie pré-histórica recentemente descoberta nos esgotos de uma grande cidade. Também não conheço ninguém que tenha feito uma descoberta do tipo.

Eu não acordei transformada em uma barata. Eu nunca viajei no tempo. Nem para a época em que essa terra era dos índios e dos espíritos da floresta, nem para daqui a seiscentos mil anos, quando provavelmente haverá algo que valha a pena ser visto.

Eu não moro em uma casa assombrada por demônios vingativos que derrubam panelas e vestem as minhas roupas para aparecer de madrugada nos corredores. Eu não vejo dinossauros pela minha janela enquanto trabalho. O governo não está trabalhando em uma vacina para conter a epidemia que faz as pessoas perderem os sentidos gradualmente, começando com o olfato e indo até a visão.

Quem sabe é esse o motivo que me faz ser tão dispersa, imaginativa, delirante, avoada e sonhadora. Todos parecem interessados demais na realidade, em diálogos que aconteceram, em pessoas que conheceram, em notícias que os jornais deram. Mas a vida não seria muito mais divertida se os nossos mais loucos devaneios se concretizassem?

Um cara muito famoso uma vez disse que a ficção existe para que a realidade não nos destrua. Algo mais ou menos assim. Não que a realidade não nos sirva; ela apenas não tem graça. Quer dizer, até tem. Porque podemos viver em um mundo que não tem lobisomens ou super-heróis, mas o sentido de viver nesse mundo é justamente poder inventar tudo isso."

Publicações relacionadas
Ver a lista completa
Comentários
3 comentários
Enoque Cardozo
Terça | 26.03.2013 às 20h03
Minha cara, estava vendo sua biografia, e curt muito, muito mesmo, se seu livro for envolvente da mesma forma creio que vc tem um bom material ai.
Ulisses Sebrian
Sábado | 16.03.2013 às 10h03
Ana, tudo bem! Parabéns pelo livro e sucesso. Divulguei no meu Twitter @ulissesssebrian para todos saber de sua obra. Também marquei com 5 estrelas e divulguei no Face book . É de suma importância para esse país tão vasto e diverso. Mais uma vez sucesso. Sou escritor e meus livros estão nesse site. Click no livro pra ler. http://migre.me/dDaEg Meu blog. http://truquedevida.blogspot.com.br/ Felicidades e sucesso
Ana Priscília Alves de Almeida
Quarta | 13.03.2013 às 20h03
Oi Ana! A história é deveras muito interessante! Lembra-me o grande escritor Sidney Sheldon! Fiquei curiosa! Também publico neste site, e se puder dar uma olhadela, agradeceria! Sucesso! Tem as minhas 5 estrelas!!!! https://www.clubedeautores.com.br/book/142013--SEM_CHANCES