Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO
Poesia do oprimido
Categorias
Poesia, Literatura Nacional, Artes
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 1298 vezes desde 02/11/2018
Versão
impressa
de R$ 31,96 por
R$ 25,90
Valor total:
R$ 25,90
Versão
ebook
R$ 15,07
Disponível em:
PDF
Valor total:
R$ 25,90
Este livro pode estar à venda na:
Este ebook também pode estar à venda na:
Sinopse

Este livro cujo tema nos remete à Pedagogia do Oprimido (1987), considerada a principal obra de Paulo Freire, apresenta relevantes contribuições, sobretudo para os que lutam por uma sociedade igualitária.

Manoel Belisario, ao enfatizar os elementos da natureza, entre eles o mar, a chuva, o solo e a mata, aborda questões concernentes ao campo e à cidade, destacando o sofrimento do povo desfavorecido. Enfatiza o lamento do povo sertanejo com a seca. Neste lamento, o sofrimento é materializado no clamor ao rio para que este banhe o sertão e acabe com a falta de água que assola, principalmente, o sertão nordestino.

O sentimento de culpa de homens e de mulheres pobres, sobretudo quando atribuído à pobreza, às dificuldades enfrentadas com a falta de água, com a fome, com a falta de recursos básicos para sobreviver, retrata explicitamente a origem desse sentimento incutido no inconsciente dessas pessoas sob a sombra do fatalismo.

Desse modo, ao trazer à tona o pobre, o negro, o índio, enfim, os que foram submetidos a situações degradantes de opressão, a Poesia do oprimido coaduna com as questões pautadas na Pedagogia do Oprimido na medida em que aponta indícios das causas da opressão, dentre os quais a globalização, faceta do capitalismo. E sendo a exacerbação do lucro o eixo central desse sistema econômico, a acumulação de capital depende da subjugação dos seres humanos à condição de capital humano.

Nessas condições em que o capitalismo transcende a questão econômica, envolvendo a existência social, os detentores dos meios de produção se utilizam de diversas formas para manter a exploração, sendo a opressão parte dessa engrenagem. Por isso Paulo Freire (1987) assevera ser a desumanização de ambas as partes, tanto dos que roubam a humanidade como dos que são roubados.

As condições opressoras que levam muitos a migrarem do interior para a capital, abordadas na obra Poesia do Oprimido, muitas vezes reincidem quando homens, mulheres e crianças são mais uma vez impedidos de viverem dignamente, quando a eles são negados os direitos básicos em detrimento da expansão do capitalismo. A obscuridade dessa situação impede que haja o desnudar da culpa impregnada nos oprimidos.

No desenvolver do seu livro, Manoel Belisario aponta questões contemporâneas, instigando reflexões sobre a importância da luta coletiva para a libertação dos oprimidos. O foco dessa ação é a conscientização política, é a emancipação, a fim de que sejam desvendadas as verdadeiras causas da opressão, e com isso reconheçam-se atores de sua história, atuando efetivamente nos processos que lhes dizem respeito, de tudo o que lhes oprimem e impedem de serem mais. Tal reconhecimento está intrinsecamente relacionado com o engajamento na construção de uma sociedade justa e igualitária, onde a dignidade humana seja seu principal valor.

Maria Rutimar de Jesus Belisario – Mestre em educação

Características
ISBN 978-85-919670-3-2
Número de páginas 104
Edição 1 (2018)
Formato A5 (148x210)
Acabamento Brochura c/ orelha
Coloração Preto e branco
Tipo de papel Offset 75g
Fale com o autor
Manoel Messias Belisario Neto

(Escritor de cordel [e outros estilos de poesia], romance, conto, crônica teatro e novela.)

É licenciado em Letras pela Universidade Federal da Paraíba; é especialista em Língua, Linguagem e Literatura; é mestre em Letras (UFPB); é natural de Aguiar (PB) e atualmente reside em João Pessoa, onde trabalha como professor de Língua Portuguesa nas redes estadual (da Paraíba) e municipal (de João Pessoa).

Na estilística do cordel, é autor dos seguintes folhetos, cordelivros e poemas:

FOLHETOS

A arte de pirangar – 2009

A médica que apodreceu em vida por ter maltratado os pacientes (folheto) – 2009

Alerta ao usuário do Orkut – 2007

As aventuras de Teó da Lage em busca de assombração – 2011

Carta de Satanás ao Sistema Correio de Comunicação – 2009

Carta de m jumento à CNBB por causa das presepadas de um bispo – 2009

Carta do primo jumento ao goleiro Bruno – 2010

Cordel do ECA – 2007

Conselhos de mãe – 2004

Fora Ricardo Teixeira – 2011

História de trancoso – 2004

Homenagem ao CQC – 2010

Homenagem aos políticos corruptos – 2008

Lamentos de uma Tuia – 2008

Melancolias de um Sertanejo Longe de Seu Torrão – 2009

O assassinato da juíza Patrícia Acioli – 2011

O Casamento da Feira de Caruaru com o Povo Brasileiro – 2010

O Homem que teve 300 mil filhos depois de morto – 2009

O Político que analisou o peido e a bufa por falta do que fazer– 2009

O político que engabelou o povo comprando voto fiado nas eleições de 2008 – 2008

O romeiro e a promessa – 2009

O surgimento da mentira no brasil – 2010

Passeio em São Merdoê – 2008

Paulistas do paraguai no sertão – 2009

Peleja do aluno preguiçoso com o estudioso – 2004

Plano de assistência Social de João Pessoa – 2011

Recordando o Aguiar: meu torrão natal – 2010

Satan Processa Bin Laden e Bush Por Plágio e Difamação – 2007

Sítio Lages: a capital de Aguiar – 2010

Tributo ao sítio Oitis – 2010

Triste fim do jovem Besta Fera – 2010

Tiradentes: o lado mais fraco da corda – 2010

Tom e Macicley: uma história de amor – 2010

Tributo ao índio – 2010

Versos em homenagem ao amigo Luiz – 2010

POEMAS (disponíveis na internet )

A chuva e o vento feito gato e rato – 2010

A arte da babação – 2012

Adeus morcego (de Augusto dos Anjos) – 2016

A confusão do IPED – 2015

À Pedra Bonita – 2016

À repugnância de “psicologia de um vencido” (do poeta Augusto dos Anjos) – 2016

Ao Padre Amâncio – 2016

Aos logos os cordeiros – 2015

Ao verme operário das ruínas do poeta Augusto dos Anjos – 2016

Ápice e declínio de nossos impérios – 2016

As 200 mil toneladas de lixo que o gato comeu – 2015

Beco sem saída ou sem luzes no fim do túnel – 2014

Boicote no curral do poderio (poema) – 2015

Campanha para ajudar o nobre deputado Abelardo Camarinha – 2011

Candidatos A ou B ou Conveniências – 2014

Conversa com a saudosa arte cordel – 2010

Conselhos aos servos do rei sertão – 2010

Dia dos jovens – 2010

Dia mundial da saúde – 2010

presidente para dar continuidade ao governo nota mil – 2010

e a ilusão voluntária – 2015

Emanuelle completa três aninhos de idade – 2018

Filme da vida real – 2018

Flor mulher – 2010

Hugo Mota: o deputado da pizza – 2015

João Pessoa: uma aventura na tábua de pirulito ou passeio em buracolândia – 2015

Lamento de um riacho sertanejo – 2006

Meu primeiro livro – 2011 O alimento cordel – 2011

Meu sertão sertanejo – 2010

Palavras ao vento nas cascatas da Web – 2010

Páscoa – 2010

Pedaços de silêncio – 2010

Reunião no céu sobre a copa do mundo – 2010

Semeando cordel na plataforma da WEB – 2011

Mensagem dos professores aos alunos concluintes do Augusto dos Anjos João Pessoa – 2016

Meu sertão particular – 2015

Nuvens nas nuvens – 2018

Ode à madrugada – 2010

O amor de Emanuelle – 2015

Paraíba Saqueada – 2011

Privatização da arte – 2015

O pato arrependido – 2016

Parabéns, Emanuelle – 2017 Parabéns, Campina Grande – 2010

Poesia sertã – 2010

Por Justiça Social – 2010

Setenta por cento de espinhos – 2015

São João Sertanejo – 2007 Velório no sertão – 2010

Sertão Sertanejo, Sertanejo Sertão – 2010

Versos para minha mãe Maria José – 2017

Versos para Rosário – 2012

Vossa excrescência – 2016

Vinde à nós ó poesia – 2015

CORDELIVROS

Agruras de um poeta popular ou poeta dos poetas populares no paraíso – 2011

Trágica história de amor – 2018

Na área poética diversa do estilo do cordel, publicou as seguintes obras:

LIVROS

Cavalgando o Sol – 2015

Poesia em Trânsito – 2016

POEMAS

Capital da Paraíba – 2010

Dorme em paz, meu defunto – 2010

Irmã Dorothy Stang – 2010

O Amor Pelo Torrão Desperta a Resistência Sertaneja – 2010

Além disso, foi premiado nos seguintes concursos de poesia:

1°Concurso de Poesia Narciso Araújo da Academia de Artes Cultura e Letras de Marataízes – ES (2013) – poema “Palavragem;

Prêmio Cataratas de Contos e Poesias de Foz do Iguaçu, PR (2012/2013) – Poema “Receita de Po(ema)";

10º Concurso de ‘Poemas no Ônibus’ de Gravataí, RS (2013) – poema “Transferidor”;

Sarau Virtual “Reticências em Versos”, Guarulhos, SP (2013) – poema “Ipsis Litteris” (publicado na obra "Poesia em Trânsito").

Parte de sua obra está disponível gratuitamente em sites e blogs na internet podendo ser acessada por meio da página Manoel Belizario literário (no Facebook), do blog cordelparaiba.blogspot.com e de buscadores da internet (como o Google).

Mais publicações desse autor
Ver a lista completa
Impresso
de R$ 35,53
R$ 29,46
Ebook
R$ 15,07
Impresso
de R$ 31,55
R$ 25,49
Ebook
R$ 15,07
Impresso
de R$ 35,14
R$ 29,08
Ebook
R$ 20,45
Publicações relacionadas
Ver a lista completa
Impresso
de R$ 30,52
R$ 24,46
Ebook
R$ 15,38
Impresso
de R$ 41,06
R$ 35,00
Ebook
R$ 21,62
Impresso
de R$ 30,68
R$ 24,62
Impresso
de R$ 32,36
R$ 26,29
Impresso
de R$ 33,39
R$ 27,33
Impresso
de R$ 29,77
R$ 23,70
Impresso
de R$ 35,76
R$ 29,69
Impresso
de R$ 56,00
R$ 49,93
Ebook
R$ 33,37
Impresso
de R$ 30,44
R$ 24,38
Ebook
R$ 11,84
Comentários
0 comentários