Yamin

As Feiticeiras Africanas

Por Magno Constantino

Código do livro: 154828

Categorias

Ocultismo, Espiritualidade, Esoterismo, Seitas e Heresias, Corpo, Mente E Espírito, Religião

Compartilhe este livro
Esta página foi vista 38523 vezes desde 18/11/2013
Versão
impressa
R$ 52,97
Valor total:
R$ 52,97
Versão
ebook
R$ 38,31
Leia em Pensática
Valor total:
R$ 52,97
Este ebook também pode estar à venda na:

Sinopse

Iyami Osorongá designa as Ajés: Feiticeiras africanas. Dizem que não devemos pronunciar o nome: Iyami Osorongá e sim Eleyé, um nome mais tranquilo e que não evoca o poder ou a fúria das senhoras dos pássaros. E se por ventura escapar em respeito todos quem estão sentados devem se levantar e os que já estiverem de pé devem reverencia las.

Iyami é muito temida, principalmente quando executa o feitiço de Ojiji (Um dos três elementos que constitui a alma humana. Junto com emi e eledá. Ojiji é a sombra. Ela é a senhora dos pássaros da noite. Oxorongá é um pássaro africano que produz um som parecido com seu próprio nome. Uma espécie de coruja.

As corujas são símbolo que melhor representa o Orixá Iyami. São espíritos de bruxas, mulheres e mães que se transformam em corujas a noite para entoar seus encantos e feitiços.

Elas representam o poder oculto e feminino. A sabedoria das mulheres mais velhas.

Para se chegar até a elas é necessário muito respeito e cuidado.

Há também os Oxôs: homens feiticeiros, mas não são tão cruéis quanto as Ajés.

São praguejadoras, podem trazer a esterilidade nas mulheres, dores de barriga em crianças, doenças, miséria e até a morte.

Elas possuem privilegiados e uma respeita e nunca ataca o protegido de outra.

Em suas reuniões cada uma é incumbida de levar um vitima e juntas compartilham de seu sangue.

Estão sempre nervosas e não ficam felizes com pessoas que levam a vida de maneira muito virtuosa, sem se envolver com os prazeres da vida ou da terra.

Na calada da noite gostam de rasgar o céu escuro com seus gritos agourentos. Para que você não seja amaldiçoado pelos gritos delas deve se agrada las com alguma oferenda ou esconjura La dizendo: a Fo fagun wo’lu. Fo, Fo, Fo. Que quer dizer: Eu saúdo a que voa espalmada dentro da cidade. Voe, voe, voe!

Ambas as técnicas não são 100% eficazes ou seguras.

Características

Número de páginas 46
Edição 1 (2013)
Formato A5 (148x210)
Acabamento Brochura c/ orelha
Coloração Preto e branco
Tipo de papel Offset 75g
Idioma Português

Tem algo a reclamar sobre este livro? Envie um email para atendimento@clubedeautores.com.br

Fale com o autor

Magno Constantino

Professor Dr. Magno Constantino (P.h.D) é escritor e jornalista;

Doutor em Administração de Empresas, Mestre em Educação;

Especialista em Gestão Pública, Gestão de Pessoas, Direito do Trabalho, Psicoterapia, Psicopedagogia clinica e institucional, Psicologia Organizacional;

Graduado em Gestão de Recursos Humanos, Licenciado em Artes Cênicas, Filosofia, História, Educação Física e Pedagogia;

Técnico em Turismo e Técnico em Enfermagem;

Psicanalista, Psicoterapeuta e Terapeuta holístico.

Membro da Academia de Letras de Teofilo Otoni - MG;

É apresentador do programa Despertar da Magia.

Escreve livros de magia, ocultismo, bruxaria, umbanda, oráculos, esotéricos, wicca entre outros.

É fundador da Ordem Mística do Rei de Salomão.

Membro da Sociedade dos Elementais.

Diretor chefe do Correio Coruja o primeiro jornal de bruxaria do Brasil.

Magno realiza encontros de magos e bruxas em todo Brasil sob o titulo Jovens Bruxas. Encontro social geralmente em locais públicos como praça e parques com piqueniques, debates, rituais e feiras.

Realiza o Tour Mágico Brasil: evento no qual promove excursões a locais sagrados e místicos no Brasil.

Ministra curso de magia, bruxaria e wicca nos estados de Minas Gerais, Distrito Federal e Goiás. Também ministra cursos on line no mesmo seguimento.

Publicações relacionadas
Comentários

Faça o login deixe o seu comentário sobre o livro.

0 comentários