Características da artéria de Adamkiewicz
comparação entre indivíduos com e sem aortopatia
Código do livro: 455128
Categorias
Anatomia, Medicina, Educação
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 35 vezes desde 07/06/2022
Versão
impressa
R$ 91,26
Valor total:
R$ 91,26
Versão
ebook
R$ 18,19
Leia em Pensatica
Valor total:
R$ 91,26
Este ebook também pode estar à venda na:
Sinopse

Introdução: O presente estudo visa elucidar a apresentação anatômica da vasculatura medular em exame angiotomográfico e suas diferenças entre pacientes aortopatas e não aortopatas na população brasileira.

Objetivos: Determinar as características da artéria de Adamkiewicz (AKA) e artéria espinhal anterior (ASA) por método não invasivo. Secundariamente, determinaremos a distribuição anatômica da AKA na população brasileira e a influência de determinadas aortopatias e comorbidades na identificação da AKA.

Casuística: Cento e quinze angiotomografias elegíveis realizadas no Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo foram avaliadas e separadas entre pacientes aortopatas e não aortopatas. Trinta e dois (52,5%) homens e 29 mulheres constituíram o grupo não aortopata e 30 (56,6%) homens e 23 mulheres constituíram o grupo de aortopatas.

Método: Análise prospectiva de angiotomografias realizadas em aparelho de 320 detectores através de software open-source OsiriX e identificação da AKA e ASA por reconstrução multiplanar tridimensional. Dados clínicos e sociodemográficos foram estratificados.

Resultados: A AKA foi identificada em 78,7% dos integrantes do grupo não aortopata e em 40,7% dos pacientes aortopatas (p=<0,0001). A ASA foi identificada em 80,3% dos integrantes do grupo não aortopata e em 46,3% dos pacientes aortopatas (p=0,0001). Em 53 (73,6%) casos a AKA originou-se do lado esquerdo.

Discussão: A angiotomografia é exame de rotina no pré-operatório de doenças aórticas. O presente trabalho apresentou detecção da AKA em grupo não aortopata equiparável com a literatura, apesar do aumento de detectores no aparelho de tomografia e a identificação da AKA em grupo aortopata pouco abaixo da literatura, mas significativamente diferente do grupo não aortopata: maior proporção de identificação da AKA e ASA em pacientes não aortopatas. Houve diferença na distribuição da AKA em comparação com a literatura.

Conclusão: A detecção da AKA e ASA pelo método proposto é factível, porém não ocorre na totalidade dos pacientes. A AKA e ASA são mais identificáveis em pacientes não aortopatas e sua distribuição na população estudada não se assemelha à literatura. A origem da AKA é mais frequente entre T10 e T12 à esquerda.

Características
Número de páginas 121
Edição 1 (2014)
Formato A4 (210x297)
Acabamento Capa dura
Coloração Preto e branco
Tipo de papel Offset 90g

Tem algo a reclamar sobre este livro? Envie um email para atendimento@clubedeautores.com.br

Fale com o autor
Alexandre Campos Moraes Amato

Prof. Dr. Alexandre Campos Moraes Amato

Doutor em Ciências pela FM-USP (Universidade de São Paulo)

Professor de Cirurgia Vascular da Universidade Santo Amaro (2009-2022)

Cirurgião Vascular, Endovascular e Ecografista Vascular pela AMB, SBACV (Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular) e CBR (Colégio Brasileiro de Radiologia)

TCBC Cirurgião Geral pelo CBC (Colégio Brasileiro de Cirurgiões)

MBA em Gestão de Saúde pela FGV

YouTube: bio.amato.io/youtube

Curso de Reembolso Médico: curso.reembolso.med.br

Mundo Lipedema: www.mundolipedema.com.br

Associação Brasileira de Lipedema: www.lipedema.org.br

Amato Instituto de Medicina Avançada: www.amato.com.br

Vascular.pro: vascular.pro

Curso OsiriX: www.curso-osirix.com.br

Mais publicações desse autor
Ver a lista completa
Comentários

Faça o login deixe o seu comentário sobre o livro.

0 comentários