Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO
CORAÇÃO SELVAGEM
Belchior
Categorias
Composição, Poesia, Música, Artes e Entretenimento
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 774 vezes desde 19/03/2019
Versão
impressa
R$ 46,09
Valor total:
R$ 46,09
Valor total:
R$ 46,09
Sinopse

A música sempre foi a trilha sonora de minha frágil vida, em momentos de angústia velada, de alegrias poucas, do cansaço físico pelo maldito trabalho diário ou como forma de desenvolver os sentidos e burlar a tristeza, a música de todos os ritmos, sentidos, apelos e segmentos foi tocada e cantada e ouvida e, assim, feito uma melodia mal acabada e triste, prossegui nesta vereda de espinhos e obstáculos durante seis décadas da minha vida. No presente, ainda posso me considerar um sujeito de sorte, pois tenho caminhado, embora cambaio e trôpego, são e salvo e forte e tenho comigo pensado, Deus é brasileiro e anda sempre do meu lado, tal e qual Belchior, seu enviado. Quando escuto qualquer canção da lavra poética e filosófica desse bardo sobralense, é como se eu ouvisse um clamor vindo lá das plagas secas e arenosas do deserto, tão perto de mim, pois ouço vindo no vento e no mormaço cuspido pelo som de uma canção, o aroma de uma nova estação e o homem de Coração Selvagem, me incita a ter a convicção fremente de que tenho pressa de viver, pois o meu coração também é frágil, mas acalantado pelo canto que se fez alma e que pede calma e que incute em mim essa vontade incontida de deixar tudo de lado, caminhar sozinho o meu caminho. Nestas parcas e simplórias páginas, não esperem encontrar inseridas nenhuma base biográfica e/ou a tentativa de expor filosoficamente a obra magnânima que Belchior construiu, nem mesmo me arvoro em destrinchar aqui a poesia do gênio sobralense e nem pretendi nestas páginas, adentrar ao motivo que o levou a um longo exílio de si mesmo. A vida e a obra anexas ao significado de tudo o que Belchior almejou dizer em suas gloriosas poesias musicadas por ele ao longo dos anos e outras que contaram com parcerias inéditas e não menos interessantes quanto as próprias de sua lavra pessoal e única. Tarefa tão minuciosa e difícil de ser realizada, deve ser delegada a família do artista, mesmo porque quaisquer biógrafos, por mais fiel que possa afigurar-se, cairia em equívocos imperdoáveis e sem nenhum alicerce, que não fosse passível de desmoronar. Conheci Belchior durante uma apresentação acústica realizada por ele, em 2001 na cidade de Araraquara-SP, ocasião em que lhe presenteei com um exemplar de meu livro Raul Seixas, O Metamorfônico. Belchior se mostrou extremamente simples e receptivo e ficara, pude notar em seu semblante, um tanto constrangido quando eu afirmei a ele que, neste mesmo livro, o primeiro que publiquei sobre Raul Seixas, que fora seu amigo e ídolo, havia citado o nome dele como um dos maiores nomes da historiografia da música brasileira. Belchior autografou um exemplar que me pertencia, posou comigo para várias fotos, dialogamos por alguns minutos e nos tornamos amigos. Ele retornou à Araraquara outras vezes, entretanto nunca mais nos encontramos cara a cara. Nosso ligamento continuou por meio de telefonemas esporádicos, de matérias que publiquei em jornais referentes ao trabalho dele. Até que ele desapareceu na poeira da estrada e não mais nos falamos. Portanto, não tenho nenhuma autoridade ou cacife para pretender escrever nenhum texto biográfico e não tenho capacidade nenhuma para discorrer sobre a obra magistral e única que Belchior nos legou e a qual, creio eu, será futuramente tão decantada, falada, ouvida e escrita, quanto a de Raul Seixas e outros ases da música brasileira, que partiram cedo demais para outra dimensão, talvez porque foram predestinados e enviados para que nos ensinassem a pensar e a viver e findas suas incumbências aqui neste mundo velho de guerra e de exploração humana, tivessem sido trasladados pelos deuses da arte. Me sinto imensamente satisfeito e orgulhoso, por manter um laço de amizade com a irmã de Belchior, Ângela Belchior, que ao lado de Estevão Zizzi, grande amigo do sobralense, a quatro mãos estão escrevendo a Biografia definitiva do Toin Carlos, nascido entre uma família de 23 irmãos. Ângela Belchior também foi muito ligada ao maluco beleza Raul Seixas e foi ela que instou e implorou para que o irmão, Belchior gravasse a música Ouro de Tolo. Eu apenas me arvorei em escrever estas parcas e simplórias páginas em tributo a Belchior, tão somente para expressar minha admiração pelo trabalho imensurável e genial de Belchior e para que as novas gerações, que descobrirão com o passar dos anos, a importância da poesia e da música deste cearense de coração selvagem, que nasceu com pressa de viver. Várias letras de suas músicas figuram nestas páginas e algumas informações sobre a vida e a carreira do gênio esboçado, do filho da dor, exatamente para que os que não conhecem absolutamente nada referente a Belchior, possam iniciar os primeiros passos rumo ao portal da mais rica poesia.

*Isaac Soares de Souza

Características
Número de páginas 220
Edição 2 (2019)
Formato A5 (148x210)
Acabamento Brochura c/ orelha
Coloração Preto e branco
Tipo de papel Offset 90g
Fale com o autor
Isaac Soares de Souza
Publicações relacionadas
Ver a lista completa
Impresso
R$ 34,68
Ebook
R$ 11,84
Impresso
R$ 37,18
Ebook
R$ 19,37
Impresso
R$ 34,70
Ebook
R$ 19,37
Impresso
R$ 27,82
Ebook
R$ 11,84
Impresso
R$ 34,98
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 32,56
Ebook
R$ 13,99
Impresso
R$ 31,61
Ebook
R$ 13,99
Impresso
R$ 32,91
Ebook
R$ 13,99
Impresso
R$ 35,69
Ebook
R$ 15,07
Impresso
R$ 68,72
Ebook
R$ 12,92
Impresso
R$ 32,41
Ebook
R$ 13,99
Comentários
0 comentários