Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO
Doce Desespero
Categorias
Poesia
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 4768 vezes desde 28/12/2012
Versão
impressa
R$ 33,02
Valor total:
R$ 33,02
Versão
ebook
R$ 14,45
Disponível em:
PDF
Valor total:
R$ 33,02
Este ebook também pode estar à venda na:
Sinopse

Uma história em poesia. A descarga do que senti, passei e sofri. Uma forma de desvendar parte do que fui e serei. Um cara forte que superou, mas que foi derrubado diversas vezes. Um ser sereno, ou nele. Não parou de escrever quando as folhas acabaram. Vomitou o que devia, e hoje, isso lhe rendeu mais um livro para alívio de seus demônios perdidos. Hoje ele não ladra. Ele morde pra arrancar pedaço e se lambuzar. Apreciem minhas frases, já se engasgando com esta:

Perdi a mão, soltei tudo...

Estou sentado, abalado, calado

Com status de humilhado

Expurgado de algum mundo, que não era meu.

Então não era pra ser

Mas foi.

Perdi a mão...

Estou aqui sentado, sentindo o vento, o sentimento

É de revoltar, nem brilho há mais no olhar.

Acho é que larguei mão...

Eu inabalável a tempos, agora pensando em momentos, que não querem voltar

Voltar... só na minha cabeça, como um replay, e um stop que não obedeça.

Larguei mão, sentado no centro, lamento

Minhas novas olheiras se destacam em meio a essas velhas floreiras.

Na minha mente tudo, no rosto, absolutamente nada.

Definitivamente... larguei mão.

Arranquei cada corrente e cortei cordas

Abri celas e derrubei portas

Estuprei caixões e violei covas...

Todos eles estão soltos, livres, desamordaçados e com ideais a seguir.

Meus demônios.

Uma grande festa amaldiçoada

Uma carnificina anunciada em meio aquela orgia desenfreada.

Eles assumiram meu corpo estático, catatônico e morto.

Agora cada porco vai sentir o peso que meus punhos tem abastecidos de rancor.

Que minhas idéias tem em valor e como ajo sem coleira, um louvor.

Agora o Inferno é o mínimo que espero.

Características
Número de páginas 91
Edição 1 (2012)
Formato A5 (148x210)
Acabamento Brochura c/ orelha
Coloração Preto e branco
Tipo de papel Offset 75g
Fale com o autor
Bruno Sorc

Bruno Sorc é um rapaz pé no chão e realista, que não deixa de sonhar e correr atrás do que se deve realizar.

Possuí toda a insanidade que a loucura soube desenvolver. Auto-crítico e extremamente fiel a seus ideias, causas e a quem possuí todo e qualquér tipo de relacionamento, ele trabalha em cima do que prefere, para obter sucesso próprio, dele consigo mesmo.

Nas páginas em branco, gosta de viajar no escuro, escrever o que desconhecem, mostrar sua própria ótica disso e daquilo, e sempre argumentar e argumentar.

Apaixonado por Jackass, animes, RPG, Tarantino, futebol (Vai Corinthians!) e por MMA, ele não vive sem sua familia por perto, a curtição com os amigos, e uma boa garota que te levante e te apóie.

Despreza drogas e álcool, e troca facilmente eles por mulheres e tatuagens. (Hahaha!)

Tem pulso firme em suas opiniões e sabe admitir um erro, tem uma dádiva chamada sinceridade que só o joga em meio a problemas.

E esta aqui, para trabalhar em algo que ama!

Mais publicações desse autor
Ver a lista completa
Impresso
R$ 56,79
Ebook
R$ 14,45
Impresso
R$ 33,03
Ebook
R$ 14,45
Impresso
R$ 44,41
Ebook
R$ 14,45
Impresso
R$ 28,98
Ebook
R$ 14,45
Impresso
R$ 27,93
Ebook
R$ 14,45
Impresso
R$ 27,91
Ebook
R$ 14,45
Impresso
R$ 28,94
Ebook
R$ 14,45
Impresso
R$ 28,98
Ebook
R$ 14,45
Impresso
R$ 46,55
Ebook
R$ 14,45
Publicações relacionadas
Ver a lista completa
Comentários
2 comentários
L. S. Hoffman
Sexta | 11.01.2013 às 12h01
Divulgue sua obra de forma inteligente e atraente: o Observatório Cube de Autores, blog criado por mim para divulgar novas obras, com resenhas e comentários, precisa de colaboradores. Visite o endereço, saiba mais e participe do concurso cultural http://observatorioclubedeautores.blogspot.com.br/ . Boas vendas e muito sucesso. Att, L. S. Hoffman, Autor
Flávio
Terça | 08.01.2013 às 11h01
Um livro gostoso de se ler, mas ao mesmo tempo é algo impressionantemente dolorido. É poéticamente que ele desaba tudo que sofreu e amou de 2007 pra cá. Recomendo.