Expressões da Alma
Categorias
Inspiracional & Religioso, Artes e Entretenimento, Poesia
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 3481 vezes desde 25/12/2011
Versão
impressa
R$ 36,92
Coloração
Valor total:
R$ 36,92
Versão
ebook
R$ 17,22
Disponível em:
PDF
Valor total:
R$ 36,92
Este ebook também pode estar à venda na:
Sinopse

Este livro se trata de poesias em que expresso na forma romantica a minha visão sobre o amor e outros sentimentos.

Características
Número de páginas 146
Edição 2 (2020)
Formato A5 (148x210)
Tipo de papel Offset 75g
Fale com o autor
Joselito de Souza Bertoglio

Meu nome é Joselito de Souza Bertoglio, nasci no dia 01 de março de 1984, na cidade de Carlos Barbosa, Rio Grande do Sul. Atualmente, sou acadêmico do curso de Psicologia na FSG (Faculdade da Serra Gaucha).

Comecei a escrever poesias por volta de oito anos de idade, participando de diversos concursos, e sempre era um dos que mais se destacavam. Na adolescência, escrevia muito sobre tudo que acontecia em minha vida. A poesia era a minha principal fonte de alívio interior, mas, por volta dos 17 anos, num súbito ataque de raiva por uma desilusão amorosa, coloquei fogo em tudo aquilo. Então, fiquei até por volta de 23 anos sem escrever, até que um belo eu dia resolvi escrever sobre um assunto que estava me deixando ansioso e com raiva. No princípio escrevia qualquer coisa que me vinha à mente, como forma de alívio.

Comecei a postar as minhas poesias no site de relacionamento, nas comunidades relativas a poesias, por não entender de estruturas poéticas, chamava alguns versos livres de sonetos, entre outras “gafes” que me renderam muitas críticas, procurei uma professora de literatura há cerca de cinco anos para ver o que ela achava das minhas poesias. Naquele momento, eu tomei um banho de água fria quando ela me disse que me faltavam muitos elementos para a minha poesia (uma forma sutil de dizer que minha poética era fraca). Pensei em jogar tudo para o ar.

No dia seguinte, pensei: “Vou mais uma vez desistir de meus sonhos só por que alguém me disse que meus versos não são bons o suficiente?” E pensei comigo mesmo: “Não! Eu vou lutar para melhorar”, então, comecei a retirar livros de poesias, que explicavam sobre a construção da poesia, pedir opiniões e sugestões de outros poetas, até que começaram a ser os elogios maiores e mais constantes do que as críticas.

Então fui convidado a fazer parte da NOP (Nova Ordem da Poesia) comunidade e movimento do qual eu tenho orgulho de ser membro. Nesta comunidade foi onde eu mais cresci, onde fui mais incentivado a seguir neste caminho, agradeço do fundo do meu coração a cada um dos meus poetamigos que encontrei por lá e agradecer em especial, a Gall Martins e a Dhenova, por suas inúmeras visitas, comentários, elogios ao meu tópico lá na comunidade, e que me fizeram acreditar em mim mesmo, e que eu sou capaz de escrever bons versos com alma e devoção.

Portanto, no decorrer deste tempo acredito ter evoluído ao ponto de estar tornando este sonho uma realidade, pretendo abordar neste livro a essência da minha poesia interior, ou seja, mostrar um pouco de como eu me relaciono com o mundo, com os meus sentimentos, e de como eu sinto tudo que me rodeia, e espero lhes proporcionar uma ótima leitura.

Mais publicações desse autor
Ver a lista completa
Impresso
R$ 36,71
Ebook
R$ 17,22
Publicações relacionadas
Ver a lista completa
Impresso
R$ 39,33
Ebook
R$ 12,92
Impresso
R$ 39,71
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 29,69
Ebook
R$ 11,84
Impresso
R$ 27,91
Ebook
R$ 11,84
Impresso
R$ 27,17
Ebook
R$ 11,84
Impresso
R$ 27,46
Ebook
R$ 11,84
Impresso
R$ 53,21
Ebook
R$ 17,63
Impresso
R$ 30,61
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 30,93
Ebook
R$ 13,99
Comentários
2 comentários
Rogério Germani
Domingo | 19.08.2012 às 09h08
Olá, poetamigo. Suas Expressões da alma são belíssimas. Dos sonetistas contemporâneos, com certeza, você é um dos nomes principais. Obrigado por nos presentear com esta linda obra. Sorte e sucesso neste caminho literário. Bjos n'alma.
Aline Lisboa
Domingo | 25.12.2011 às 21h12
Bonito seu Soneto de Ousadia. Assim como as demais poesias. Escrevi tantos sonetos na minha juventude... Só me lembro mais ou menos de um que começava assim: Uma estrela brilhava lá no céu limpido de meados de setembro, era tão pequenina aquela estrela, tinha a fragilidade de avezinha... Vá firme, Joselito. Você tem futuro, meu rapaz.