Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO
Jardim Obscuro
Poesias criadas nos cárceres da imaginação
Categorias
Poesia, Realismo Fantástico
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 2764 vezes desde 11/04/2013
Versão
impressa
R$ 31,45
Valor total:
R$ 31,45
Versão
ebook
R$ 13,99
Disponível em:
PDF
Valor total:
R$ 31,45
Este ebook também pode estar à venda na:
Sinopse

Os textos aqui descritos, foram construídos em instantes de pura melancolia:

Andava confuso às escuras, por caminhos desconhecidos e aparentemente sem fim. As noites sombrias extirpavam das profundezas da minha alma todo o bem estar, e injetavam a todo minuto doses fortes de tristezas, loucuras e pensamentos depressivos. Atormentado por vozes persuasivas vindas sempre ao cair da noite, caminhava pelos cantos dos tristes cômodos sem objetivo algum. Queria desabafar toda essa angústia para um simples e atento ouvido, mas a solidão já tinha entrado pela porta da frente de minha casa, e assim estava sozinho e esquecido. Nesse mundo obscuro e repleto de incertezas, despachava todos os meus sentimentos em uma simples folha de papel. Por horas, às vezes por uma noite toda, me recolhia em um canto atrás do armário, e escrevia tudo que se passava com uma intensidade fulminante. Enquanto gastava a tinta azul em um papel cinza claro, juro a vocês que em frações de minutos, via claramente refletido nas paredes sujas da cozinha, sombras em formatos irregulares, que me vigiavam e zombavam de forma enérgica dos textos que escrevia.

Por vezes pensava que estivesse louco, e por mais absurdo que pudesse parecer, a própria loucura sussurrava em meus ouvidos, entre sorrisos falsos e zumbidos. A tristeza era tão bela e formosa, trazendo ao corpo um exuberante vestido negro, com as alças em tom verde musgo. Ela pôs a mão em minha face e então pude notar um rosto amargurado e cheio de cicatrizes. Não poderia mais encara-la. Era algo tão mórbido. Fechei os olhos por no máximo dois segundos, e quando os abri, pude vê-la indo embora em passos precisos e bem lentos, atravessando como por encanto a parede. Continuei a escrever. Não poderia parar enquanto a noite não morria. Em meus ombros, senti os dedos gélidos com seus toques sensíveis. Ao virar-me, me espantei com as feições da gigantesca depressão! Não possuía olhos, somente enormes buracos negros que pareciam me chamar. Engraçado que os seus dentes eram perfeitos e brancos como a neve. Permaneci imóvel por todo o tempo em que esteve presente. E com um leve sorriso cínico me dirigiu a palavra em um breve relato de tom amigável:

- Não tema a mim rapaz. Estou do seu lado e prometo que sempre estarei.

A noite deu o seu último suspiro. Levantei do chão exausto e com bastante sono. Guardei a caneta e as folhas na gaveta do quarto. Fui para a sala e abri a velha porta. Saí em passos cadenciados e avistei colhendo as flores mortas em meu jardim: A tristeza, a loucura e a depressão. Esses antiquíssimos seres já se intitulavam como membros fiéis de minha família. Não tive escolha, e atualmente habitamos todos juntos nesse imenso jardim obscuro.

Características
Número de páginas 78
Edição 1 (2013)
Formato A5 (148x210)
Acabamento Brochura c/ orelha
Coloração Preto e branco
Tipo de papel Couche 150g
Fale com o autor
Alexsandro Menegueli Ferreira

Comecei a escrever em meados de janeiro, no ano de 2002, com a incumbência de relatar fatos do cotidiano, autobiográficos e fatos de um mundo próprio de fantasias intensas. Pulei sem temor algum, nas profundezas mais remotas de um oceano enigmático, e trouxe de lá: um apanhado de vivências únicas... Vivências obscuras...Fui lançando todas as palavras em um modesto livro de cabeceira, e moldando assim uma obra profunda, e verdadeiramente nascida das minhas entranhas. Nesse ano de 2013, pude enfim pôr o livro para fora de casa... Deixando-o livre. Absolutamente livre, para poder voar pelos vastos horizontes. Ainda esse ano, irei lançar o meu segundo livro: Além das Montanhas. Que abrigará poesias enveredadas para caminhos felizes, caminhos onde os raios solares brilharão constantemente. E o meu terceiro livro: A Bordo da Pequena Barca. Ainda está em formação, mas, sairá ainda esse ano, se tudo der certo. Nele, habitaremos por mundos sombrios e macabros! Avistaremos constantemente, a morte sorrateira, com a sua lâmina reluzente nas enrugadas mãos.

Mais publicações desse autor
Ver a lista completa
Impresso
R$ 28,32
Ebook
R$ 11,84
Publicações relacionadas
Ver a lista completa
Comentários
2 comentários
ulisses sebbrian
Sábado | 13.04.2013 às 15h04
Alexasandro, tudo bem! Parabéns pelo livro e sucesso. Divulguei no meu Twitter @ulissesssebrian para todos saber de sua obra. Também marquei com 5 estrelas e divulguei no Face book . É de suma importância para esse país tão vasto e diverso. Mais uma vez sucesso. Sou escritor e meus livros estão nesse site. 3 Click no livro pra ler http://migre.me/dVxbN Meu blog. http://truquedevida.blogspot.com.br/ Felicidades e sucesso
Valdon Nez
Quinta | 11.04.2013 às 04h04
Intensamente profundo. Percebe-se o mergulho obscuro que teve que habitar para jorrar tais melancolias no papel. Isso é literatura, isso é vida, isso é o ser humano... Meus parabéns. Eu também publico por aqui.