Os lados de um cemitério
"O cemitério de sonhos"
Categorias
Autoajuda, Ficção e Romance, Mensagens, Criatividade, Depressão, Motivacional
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 480 vezes desde 06/04/2020
Versão
impressa
R$ 36,04
Valor total:
R$ 36,04
Versão
ebook
R$ 17,65
Disponível em:
PDF
Valor total:
R$ 36,04
Este ebook também pode estar à venda na:
Sinopse

Eu me sinto perdido em meio ao meu próprio caos. Cheio de coisas para falar, e ao mesmo tempo, cheio de medos e incertezas. Ninguém tinha disposição, tempo ou ouvidos para sentar e me ouvir por alguns instantes. Juro que eu não precisava que ninguém me entendesse, muito menos que falasse que tudo iria ficar bem. Até porque, eu sabia que nada iria ficar bem. Não sei em qual estado emocional me encontro atualmente, mas a unica certeza que eu tenho, é que eu não posso desistir...

Características
Número de páginas 62
Edição 1 (2020)
Formato A5 (148x210)
Acabamento Brochura c/ orelha
Coloração Preto e branco
Tipo de papel Offset 75g

Tem algo a reclamar sobre este livro? Envie um email para atendimento@clubedeautores.com.br

Fale com o autor
Lucas Rodrigo Souza Sabino

Sou esse desmoronamento contínuo de barrancos.

Eu não sei lidar com a indiferença, a frieza, o abismo que as vezes as pessoas costumam criar entre nós e elas.

Eu não sei criar asas e sobrevoar obstáculos quando alguém me empurra rumo ao fundo do penhasco.

Eu não sei aceitar que nem sempre as pessoas não serão recíprocas, tampouco sei aceitar que eu posso sim ser incrível para alguém, porque a minha intuição vive em um entrelaço contínuo com a minha mente e o coração, dizendo que eu sou um lixo facilmente substituível.

Eu não sei esconder o que eu sinto, nem mesmo quando algo me incomoda.

Não sei esconder meu ciumes idiota, tanto quanto não sei deixar de ser esse cara bobo e brincalhão.

Não sei não deixar transparecer, ou deixar de ser inefável.

Sou complicado.

Por fora sorrisos e por dentro, caos.

Não sou um enigma, difícil de desvendar.

Não me abro fácil, pois não curto desabafos.

Carrego comigo a incerteza entre o talvez e o sei la. A exaustão, de um corpo que deseja abraços, e só recebe murro e tapa nas costas.

Sou esse caos, entre uma cidade que pega fogo, e o próprio povo que coloca o fogo.

Sou o aparelho 110w ligado no 220w.

Sou o silencio entre o eu te amo e a saudade.

Sou esse medo que insiste em me chamar para passear.

Sou isso que vocês veem pelo superficial, e um pouco mais alem do que ninguém pode sequer imaginar que sou.

Vivo em solitude buscando resiliência.

Sou grato a tudo que já me aconteceu, pois me tornou forte.

E sou ainda mais grato por quem me conhece sendo caos, e ainda assim, escolhe por ficar.

Mais publicações desse autor
Ver a lista completa
Comentários

Faça o login deixe o seu comentário sobre o livro.

2 comentários
Joao Pedro
Segunda | 13.04.2020 às 12h04
Esse livro é ótimo, parabens...
Joao
Segunda | 13.04.2020 às 11h04
Muito bom o livro