Go_to_top Bar
Seu carrinho está
vazio
Olá

Clube de Autores é a maior comunidade de autopublicação da América Latina. Inicie agora!

Livro Os pobres no cinema de Manoel de Oliveira

(Estudos Interdisciplinares de Cinema, Literatura e Sociedade)

Por: Renata Soares Junqueira (org.) Denunciar

Ajaxloader
por
R$ 39,22

Sinopse

Um olhar rápido para a obra de Manoel de Oliveira pode dar a impressão de que ele filmou, principalmente, o mundo dos abastados, a alta burguesia ou mesmo a nobreza; pessoas que não conhecem o embaraço da lenta erosão do seu patrimônio. Ainda assim, aqui e ali, alguns filmes vêm contradizer essa ideia : Douro, faina fluvial, seu primeiro filme, e O gebo e a sombra, o último; Aniki-Bóbó, durante muito tempo seu filme mais popular; e A Caixa, mais de quarenta anos depois, levam às telas os pobres e a pobreza do povo do Porto e de Lisboa. Do mesmo modo, alguns roteiros que não foram filmados por causa da censura : Os gigantes do Douro e Prostituição.

A pobreza, na realidade, corre em filigranas ao longo de uma obra (ela mesma muito tempo concebida como arte povera) em que se descobre, para além do olhar de um grande burguês, que um personagem como Ritinha, a empregada muda de Vale Abraão, é imbuída de um poder espiritual que falta a tantos outros personagens afortunados. Oliveira me dizia, aliás, que A caixa era seu filme mais religioso e me pedia para traduzir, nas legendas, taberna por “catedral”! A alma dos ricos, título de um romance de Agustina Bessa-Luís, interrogava-o e atormentava-o, particularmente. Não se pode dizer o mesmo, no entanto, sobre a alma dos pobres. Em Francisca, quando Camilo Castelo Branco e José Augusto veem os trabalhadores agrícolas, o jovem fidalgo segura o amigo pela manga do casaco e diz: “São apenas bêbados e nada mais”. Ao que seu amigo romancista lhe responde : “Das coisas visíveis, não se deve jamais dizer ‘nada mais’ ”.

Jacques Parsi

(Traduzido por Pedro Maciel Guimarães)

Categorias: Artes, Artes Cênicas, Crítica Literária
Palavras-chave: cinema, de, manoel, oliveira, portugal

Características

Cover_front_perspective
Número de páginas: 276

Edição: 1(2017)

ISBN: 978-85-9583-004-2

Formato: A5 (148x210)

Coloração: Preto e branco

Acabamento: Brochura c/ orelha

Tipo de papel: Offset 75g

Reconhecimento

Sobre o autor

Mini
José de Alencar

A Todas as Musas surgiu no universo editorial on-line em Julho de 2009, com a publicação do primeiro número da sua revista acadêmica. Mantendo rigorosamente os seus níveis de qualidade e periodicidade, essa publicação chegou, em fevereiro de 2011, ao seu quarto número, tendo sido já avaliada pela CAPES como B2 (excelente qualificação para uma revista independente).

A partir de 2010, a revista começou a ser impressa e a editora iniciou seus trabalhos no sistema de impressão sob demanda.


Mais publicações desse autor

Comentários - 0 comentário(s)


Como funciona

Passo 1

Você publica seu livro online, gratuitamente.

Passo 2

Você diz quanto quer receber de direitos autorais.

Passo 3

Nós vendemos e você recebe o dinheiro por depósito direto na sua conta.

Serviços profissionais

Conheça nossos serviços

São vários serviços para auxiliá-lo em sua obra:

Depoimentos

"Dou hoje meu testemunho para o site Clube de Autores por sua competência, solidariedade, capacidade criativa, e auxílio constantte a autores desconhecidos que, por essa generosidade e senso do que significa um espaço literário, estão plenamente engajados nesse projeto. Meus agradecimentos."

Regina Helena Sárapo

Formas de Pagamento (até 12x)

Segurança

Print


Clube de Autores Publicações S/A   CNPJ: 16.779.786/0001-27

Rua Otto Boehm, 48 Sala 08, América - Joinville/SC, CEP 89201-700