Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO
UMA VEZ SALVO, SALVO PARA SEMPRE?
NEM CALVINO, NEM ARMÍNIO. BÍBLIA!!!
Categorias
Crítica Literária, Mensagens, Teologia, Europeu, Livros E Leitura
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 1865 vezes desde 03/09/2017
Versão
impressa
R$ 44,37
Coloração
Acabamento
Valor total:
R$ 44,37
Versão
ebook
R$ 22,60
Disponível em:
epub
Valor total:
R$ 44,37
Este ebook também pode estar à venda na:
Sinopse

2. A SALVAÇÃO E SUAS BASES

Se a salvação foi anunciada, consumada e é confirmada por Deus, deveria a mesma fundamentar-se no entendimento humano ou no próprio Deus? As bases da salvação é a natureza essencial de Deus, revelada nas Escrituras e a resposta humana em amorosa fé e obediência ao seu criador. A salvação é necessária, pois o homem pecou contra Deus e foi declarado culpado e afastado da sua glória. (Rm.3.23) A salvação é a manifestação do caráter bondoso e amoroso de Deus. (Jo.3.16) O homem pecou e se escondeu de Deus (Gn.3.9), mas Deus no seu amor veio em busca dele, pois sabia da sua incapacidade de se auto salvar, e de se auto regenerar. Vejamos então as bases da salvação:

2.1 O GRANDE AMOR DE DEUS

Os teólogos, bem e mal-intencionados; tem tentado através dos séculos escrever, discursar e fundamentar seus conceitos e teses sobre este tema tão importante: a salvação. É triste e frustrante, perceber que muitas dessas tentativas foram feitas baseadas na supremacia de um único atributo de Deus, sua Soberania. As Escrituras revelam perfeitamente que Deus é todo poderoso e por esta razão ele também é soberano, ao contrário não seria todo poderoso. (Gn.17.1) A soberania de Deus sempre esteve ligada a seu poder ilimitado nos atos da sua criação (Gn1.1/ Sl.19.1), nos atos de proteção (Pv.1.31) de libertação (Dt.7.8) de sustentação de todas as coisas (Heb.1.3) e na condução dos seus propósitos. (Jó 42.2) Deus sempre se utilizou da sua soberania para fazer valer seus atos de poder numa justificável demanda e não numa imposição arbitrária da sua vontade. Os calvinistas baseados neste único atributo fundamentaram toda sua visão teológica sobre a salvação. Se tudo que diz respeito a DEUS resumisse apenas em sua soberania, não teríamos a revelação de um Deus AMOROSO e que se compadece de suas criaturas, e sim, o autoritarismo de um déspota cruel que agiria única e exclusivamente para SATISFAZER sua VONTADE. Esta não é a imagem exata do Deus da Bíblia. Mil vezes, não é!

O coerente nas Escrituras, não é afirmar que na sua soberania Deus fez, agiu, decretou, planejou... (exceto nos casos antes citados), o que é correto e biblicamente afirmar é que no seu inefável e grandioso AMOR Deus fez, faz, fará, “decretou”, “predestinou”. O AMOR de Deus é a base de todas as coisas, inclusive das suas ações soberanas. Deus pode ser considerado soberano e totalmente desprovido de amor, porém é impossível Deus ser amor se não amar e se preocupar com suas criaturas. “Os céus manifestam a glória de Deus...”, a glória do seu amor! “Oh! Quão grande é tua bondade...” (Sl.31.19) “As misericórdias do senhor são a causa de não sermos consumidos; porque as suas misericórdias não têm fim. Novas são a cada manhã...” Lam.3.22,23.

A mensagem que Jesus mandou sua igreja pregar não é da soberania de Deus, mas sim, do seu grande amor. “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu filho unigênito, para que todo aquele que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna”. João 3.16 (ARC)

O calvário não aponta para um Deus soberano subjugando a todos de forma cruel, mas sim, revela o Deus humilde, amoroso, cheio de compaixão, que vai até as últimas consequências no interesse sincero e profundo pela felicidade das suas criaturas e de toda a criação. A cruz não é o emblema do triunfo da força, do poder, do egocentrismo, mas sim, o triunfo da submissão, do amor altruísta, sacrificial e desinteresseiro. Como se sente o ser humano mais afundado no pecado, ao saber, e ser convencido pelo Espirito Santo, que na CRUZ, a Trindade representada na pessoa do filho, foi capaz de se humilhar ao nível mais baixo para lhe salvar? O homem pode até rejeitar uma expressão de amor tão inaudita como esta, mas jamais pode deixar de ser tão profundamente sensibilizado em seu coração. Agora imagine transformar a cruz em soberania de um Deus que fez tudo isso não por todos os pecadores, mas por alguns eleitos que querendo ou não vão encontrar o caminho da reconciliação e os demais homens querendo ou não já nasceram marcados para o desprezo eterno de um “Deus” que jamais se importou com nenhum deles. Imagine ouvir as lindas melodias de amor, de salvação, de misericórdia, e ter que se conformar que você independente do que deseja fazer para agradar a Deus, se não for um “eleito” ele jamais se importará ou se voltará para você. Mas, bendito seja o Criador! Que para salvar, não lançou mão em primeiro lugar de seu poder (soberania) mas sim do seu grande amor que nos constrange e nos faz descobrir as grandezas da sua graça. O que transforma a cruz no maior emblema da graça é o fato dela ser disponível a todos. Nenhum pecador se sentiria seguro no céu, sem primeiro saber que está lá, porque Deus lhe ama igual a seu filho, e lhe deu o direito de escolher ir para lá. Se fôssemos para o céu somente pela soberania de Deus, quem me garantiria que um dia na eternidade, ele também, decidiria não me querer mais por lá e me lançasse no inferno? O que nos garante que Deus jamais fará isso é o seu inefável e imutável amor! (Mal.3.6) Quando olharmos para a beleza de Jesus e contemplarmos a sua glória e riquezas, iremos sempre amar a Deus mais e mais, por ter lhe enviado um dia na terra para nos salvar. A salvação tem sua base principal, neste inabalável fundamento: O amor de Deus. O amor de Deus é o que rege todas as coisas, inclusive seus atos soberanos. Na sua presciência antes de criar o homem, Deus sabia que o homem iria pecar e tinha consciência que seria acusado pelo homem de ser culpado pela sua queda: “...a mulher que me deste...” (Gn.3.12) Em outras palavras: “eu pequei porque o Senhor criou o meio possível para isto”. (Paráfrase do autor)

Se Deus agisse somente de forma soberana, teria ele, naquele momento, encerrado sua relação com a humanidade. Mas no seu amor Deus reconhece que precisa ajudar o homem a se levantar. Como Adão acusou Deus e a mulher de lhe fazerem cair, Deus no seu amor, na pessoa do seu filho se tornou semente na mulher para ser gerado nela a sua eterna salvação! Se por um lado os homens acusam Deus de lhes ter criado e permitido sua queda (se é que Deus seja culpado!), por outro lado, precisam reconhecer, que Deus no seu amor, já se humanizou e se entregou na pessoa do seu filho em sacrifício, para pagar pelo pecado do homem (humanidade). Isto não é soberania, isto é, Amor! Insondável e inescrutável amor! Infinito e imensurável amor! Amor sem definição! Amor no seu mais puro quilate! Aleluia! O que traz segurança eterna, é saber que somos amados profundamente. Até no lado humano, quando somos realmente amados é que nos sentimos felizes de fato. O amor traz segurança, paz, harmonia, felicidade e completude. A salvação eterna está fundamentada em bases seguras e racionais, se Deus criou o homem racional, como não terá ele condições de entender e explicar racionalmente sua fé? Existe as duas dimensões da razão: a primeira é a humana. Com esta entendemos o que é racionalmente entendível na dimensão natural. É o que homem natural, inteligente, sábio e imparcial, faz para melhorar e ajustar as coisas dessa vida passageira. No uso sincero da razão, é que o mundo natural cada vez mais se torna “evoluído” e agradável de se viver.

A segunda dimensão da razão é aquela que pela fé entendemos, ou seja, entendemos o que Deus quer que entendamos no mundo espiritual. Isto é possível através da fé que recebemos ao ouvirmos a palavra de Deus. “Pela fé entendemos...” diz o escritor aos hebreus. A fé é o meio divino, para que nossa capacidade racional seja aguçada e reconheça as coisas espirituais que de graça nos são reveladas. Dizer que somos salvos por eleição divina incondicional, e depois não saber dar uma explicação racional nem bíblica para isto, é anular totalmente I Pedro 3.15 “Antes, santificai a Cristo, como SENHOR em vosso coração; e estai sempre preparados para responder com mansidão e temor a qualquer que vos pedir a razão da esperança que há em vós”.

O Deus amoroso da bíblia, sempre se relaciona com o homem regenerado de uma maneira totalmente perceptível ao seu entendimento. Ele cura o entendimento cego dos incrédulos (II Co.4.4,6) Deus sempre tratou...

Características
Número de páginas 196
Edição 1 (2017)
Formato A5 (148x210)
Acabamento Brochura
Tipo de papel Offset 75g
Publicações relacionadas
Ver a lista completa
Impresso
R$ 34,65
Ebook
R$ 15,07
Impresso
R$ 50,10
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 39,59
Ebook
R$ 16,14
Impresso
R$ 37,18
Ebook
R$ 17,22
Impresso
R$ 42,50
Ebook
R$ 22,60
Ebook
R$ 23,68
Ebook
R$ 23,68
Comentários
1 comentários
ArteSam
Segunda | 04.09.2017 às 11h09
Olá Edmilson, tudo bem? Faço serviço de conversão epub, capa, solicitação de ISBN, providência de ficha catalográfica, revisão, book trailer, ilustrações, e outros... Caso tenha interesse, fale comigo. Meu site - www.artesam.com - e-mail: [email protected] - página no facebook: www.facebook.com/artesambr