Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO
GUERRAS NAPOLEÔNICAS
Categorias
França, Europa, Antigo, Geografia E Historia, Educação, Didáticos
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 139 vezes desde 21/06/2020
Versão
impressa
de R$ 73,38 por
R$ 67,32
Coloração
Acabamento
Valor total:
R$ 67,32
Versão
ebook
R$ 22,60
Disponível em:
epub
Valor total:
R$ 67,32
Este ebook também pode estar à venda na:
Sinopse

Napoleão tomou o poder em 1799, criando uma ditadura militar. Há várias opiniões sobre a data a serem usadas como o começo formal das guerras napoleônicas; 18 de maio de 1803 é frequentemente usado, quando a Grã-Bretanha e a França encerraram o único curto período de paz entre 1792 e 1814. As guerras napoleônicas começaram com a Guerra da Terceira Coalizão, que foi a primeira das Guerras da Coalizão contra os Primeiros Franceses.

A Grã-Bretanha encerrou o Tratado de Amiens e declarou guerra à França em maio de 1803. Entre as razões estavam as mudanças de Napoleão no sistema internacional na Europa Ocidental, especialmente na Suíça, Alemanha, Itália e Holanda. O historiador Frederick Kagan argumenta que a Grã-Bretanha ficou irritada em particular pela afirmação de Napoleão sobre o controle da Suíça. Além disso, os britânicos se sentiram insultados quando Napoleão afirmou que seu país não merecia voz nos assuntos europeus, embora o rei Jorge III fosse eleitor do Sacro Império Romano. Por seu lado, a Rússia decidiu que a intervenção na Suíça indicava que Napoleão não estava buscando uma solução pacífica de suas diferenças com as outras potências européias.

Os britânicos impuseram às pressas um bloqueio naval da França para privá-lo de recursos. Napoleão respondeu com embargos econômicos contra a Grã-Bretanha e procurou eliminar os aliados continentais da Grã-Bretanha para romper as coalizões contra ele. O chamado Sistema Continental formou uma liga de neutralidade armada para interromper o bloqueio e reforçar o livre comércio com a França. Os britânicos reagiram capturando a frota dinamarquesa, dividindo a liga e depois conquistando o domínio sobre os mares, permitindo que continuasse livremente sua estratégia. Napoleão venceu a Guerra da Terceira Coalizão em Austerlitz, forçando aImpério Austríaco fora da guerra e dissolução formal do Sacro Império Romano. Em poucos meses, a Prússia declarou guerra, desencadeando uma Guerra da Quarta Coalizão. Esta guerra terminou desastrosamente para a Prússia, derrotada e ocupada dentro de 19 dias após o início da campanha. Napoleão derrotou posteriormente a Rússia em Friedland, criando poderosos estados clientes na Europa Oriental e encerrando a quarta coalizão.

Simultaneamente, a recusa de Portugal em se comprometer com o Sistema Continental e a falha da Espanha em mantê-lo levaram à Guerra Peninsular e à eclosão da Guerra da Quinta Coalizão. Os franceses ocuparam a Espanha e formaram um reino cliente espanhol, encerrando a aliança entre os dois. O forte envolvimento britânico na Península Ibérica logo se seguiu, enquanto um esforço britânico para capturar Antuérpia falhou. Napoleão supervisionou a situação na Península Ibérica, derrotando os espanhóis e expulsando os britânicos da Península. Áustria, quer recuperar o território perdido durante a Guerra da Terceira Coalizãoinvadiram os estados clientes da França na Europa Oriental. Napoleão derrotou a quinta coalizão em Wagram.

A raiva pelas ações navais britânicas levou os Estados Unidos a declarar guerra à Grã-Bretanha na Guerra de 1812, mas não se tornou um aliado da França. As queixas sobre o controle da Polônia e a retirada da Rússia do Sistema Continental levaram Napoleão a invadir a Rússia em junho de 1812. A invasão foi um desastre absoluto para Napoleão; táticas de terra arrasada, deserção, falhas estratégicas francesas e o início do inverno russo obrigaram Napoleão a recuar com perdas maciças. Napoleão sofreu mais contratempos; o poder francês na Península Ibérica foi quebrado na Batalha de Vitória no verão seguinte, e uma nova coalizão começou a Guerra da Sexta Coalizão.

A coalizão derrotou Napoleão em Leipzig, precipitando sua queda do poder e eventual abdicação em 6 de abril de 1814. Os vencedores exilaram Napoleão a Elba e restauraram a monarquia de Bourbon . Napoleão escapou de Elba em 1815, reunindo apoio suficiente para derrubar a monarquia de Luís XVIII, desencadeando uma sétima e última coalizão contra ele. Napoleão foi decisivamente derrotado em Waterloo e abdicou novamente em 22 de junho. Em 15 de julho, ele se rendeu aos britânicos em Rochefort e foi permanentemente exilado na remota Santa Helena. O Tratado de Paris, assinado em 20 de novembro de 1815, encerrou formalmente a guerra.

A monarquia Bourbon foi restaurada mais uma vez, e os vencedores começaram o Congresso de Viena, para restaurar a paz no continente. Como resultado direto da guerra, o Reino da Prússia se tornou uma grande potência no continente, enquanto a Grã-Bretanha, com sua inigualável Marinha Real e crescente Império, tornou-se a superpotência dominante no mundo, iniciando a Pax Britannica. O Sacro Império Romano foi dissolvido, e a filosofia do nacionalismo, que surgiu no início da guerra, contribuiu grandemente para os posteriores.unificação dos estados alemães , e os da península italiana. A guerra na Península Ibérica enfraqueceu bastante o poder espanhol, e o Império Espanhol começou a se desfazer; a Espanha perderia quase todas as suas posses americanas em 1833. O Império Português encolheu, com o Brasil declarando independência em 1822.

As guerras revolucionaram a Europa; a aplicação do recrutamento em massa e a guerra total levaram a campanhas de escala sem precedentes, pois nações inteiras comprometeram todos os seus recursos econômicos e industriais a um esforço coletivo de guerra. Taticamente, o exército francês redefiniu o papel da artilharia, enquanto Napoleão enfatizou a mobilidade para compensar desvantagens numéricas, e a vigilância aérea foi usada pela primeira vez em guerra. Os guerrilheiros espanhóis de grande sucesso demonstraram a capacidade de um povo impulsionado pelo nacionalismo fervoroso contra uma força de ocupação. Devido à longevidade das guerras, à extensão das conquistas de Napoleão e à popularidade dos ideais da Revolução Francesa , os ideais tiveram um profundo impacto na cultura social européia. Muitas revoluções subsequentes, como a da Rússia, encararam os franceses como sua fonte de inspiração, enquanto seus princípios fundadores expandiram muito a arena dos direitos humanos e moldaram as filosofias políticas modernas em uso hoje.

Características
Número de páginas 454
Edição 1 (2020)
Formato A4 (210x297)
Acabamento Brochura
Tipo de papel Offset 75g
ADEILSON NOGUEIRA

ADEILSON SANTANA NOGUEIRA — Nascido em Estância-SE, em 30/06/1969, filho de Francisco de Carvalho Nogueira (I.M.) e de Maria Aldeiza Santana Nogueira, desde cedo apresentou interesse pela literatura e pela poesia, tanto é assim que, aos 11 já escrevia os primeiros poemas, com premiação em concurso de poesia no Colégio Costa e Silva, em Aracaju, cuja temática era a discriminação racial, também obtendo premiações na cidade de Lagarto, no Colégio Polivalente. Aos 10 anos, recebeu das mãos do Prefeito Heráclito Rollemberg, em Aracaju, o Certificado que lhe concedia o título de secretário mirim da educação. Em 1987 teve poemas publicados em dois livros no Rio de Janeiro: Brasil Literário (Crisalis Editora) e Poesia Brasileira (Shogun Editora e Arte), além de diversos escritos para o Jornal de Campos, Styllo, Primo Notícias, em Tobias Barreto, Folha da Jhô, em Lagarto, e Jornal da Manhã e Jornal da Cidade, em Aracaju. Jornalista, Radialista, Bacharel em Direito, Escritor, Tutor em EAD e Docente do Ensino Superior, possui mais de 1.000 títulos publicados. Em 1987, a convite, fez um programa direcionado à cultura na Rádio Progresso de Lagarto, fato que o estimulou a fazer o curso de radialista na cidade de Itabuna-BA, tendo passado pela Rádio Progresso, Rádio Clube de Itapicuru, Rádio Luandê FM e Rádio Imperatriz (atual Ilha AM). Em 1999, ocupava o cargo de assessor de Comunicação na Prefeitura de Tobias Barreto, onde coordenou o Jornal Cidadania pra valer, de publicação mensal, na gestão do então prefeito Diógenes Almeida, fazendo parte, também, do colegiado das Políticas Educacionais. Professor desde 1988, prestou serviços à educação nos Colégios Monsenhor Basilíscio Raposo, Colégio Nsª Srª Menina, Ranchinho Feliz, Educandário Nsª Srª do Carmo, Colégio Cenecista Arnaldo Dantas, na Barra dos Coqueiros, além do SENAC e do CENAPE – curso pré-vestibular. Sempre que possível, levou oficiais da polícia militar à sala de aula para darem palestras contra o uso de entorpecentes. Em 1992, viajou para o Japão, onde trabalhou na Mitsubishi Motors Corporation, sediada na cidade de Nagoya, retornando em 1994. Primeiro representante da Anistia internacional em Sergipe, foi graças ao seu esforço decisivo junto ao Ministério da Justiça do Governo Peruano, sob a ditadura Fujimori, que a Anistia conseguiu a liberdade para um outro professor, injustamente encarcerado por comentar questões políticas em sala de aula. No Brasil e no Japão comandou greves, neste último, conheceu de perto a perseguição promovida pelos sindicatos patronais ao proletariado.

De 2005 a 2012, ocupou o cargo de Assessor Jurídico na Prefeitura Municipal de Tobias Barreto, de onde presidiu a comissão responsável pelo 2º Concurso Público na gestão da então prefeita Marly Barreto, além de colaborar na Lei que criou o Plano Diretor, entre tantas outras. Membro da Academia Tobiense de Letras e Artes – ATLAS, da qual é o atual presidente (biênio 2015-2017).

Numismata desde os seis anos de idade, suas 10 palestras sobre coleção de moedas antigas, registradas em DVD’s, viajaram pelos quatro cantos do País, para os Estados Unidos e Europa, tendo seu nome sempre lembrado nos encontros de colecionadores por todo o País.

Mais publicações desse autor
Ver a lista completa
Impresso
de R$ 52,40
R$ 46,34
Ebook
R$ 33,37
Impresso
de R$ 51,92
R$ 45,86
Ebook
R$ 33,37
Impresso
de R$ 53,92
R$ 47,86
Ebook
R$ 33,37
Impresso
de R$ 66,55
R$ 60,49
Ebook
R$ 33,37
Impresso
de R$ 54,40
R$ 48,34
Ebook
R$ 33,37
Impresso
de R$ 56,88
R$ 50,82
Ebook
R$ 33,37
Impresso
de R$ 58,32
R$ 52,25
Ebook
R$ 33,37
Impresso
de R$ 51,04
R$ 44,98
Ebook
R$ 33,37
Impresso
de R$ 51,04
R$ 44,98
Ebook
R$ 33,37
Impresso
de R$ 55,04
R$ 48,98
Ebook
R$ 33,37
Impresso
de R$ 52,96
R$ 46,90
Ebook
R$ 33,37
Impresso
de R$ 51,76
R$ 45,70
Ebook
R$ 33,37
Publicações relacionadas
Ver a lista completa
Impresso
de R$ 34,84
R$ 28,78
Ebook
R$ 11,84
Impresso
de R$ 43,25
R$ 37,18
Ebook
R$ 22,60
Impresso
de R$ 85,22
R$ 79,16
Ebook
R$ 11,84
Impresso
de R$ 40,28
R$ 34,22
Ebook
R$ 22,60
Impresso
de R$ 42,20
R$ 36,13
Ebook
R$ 22,60
Impresso
de R$ 72,34
R$ 66,28
Ebook
R$ 22,60
Impresso
de R$ 50,28
R$ 44,22
Ebook
R$ 20,45
Impresso
de R$ 45,40
R$ 39,33
Ebook
R$ 22,60
Impresso
de R$ 39,36
R$ 33,29
Ebook
R$ 17,22
Impresso
de R$ 41,72
R$ 35,65
Ebook
R$ 22,60
Impresso
de R$ 40,28
R$ 34,22
Ebook
R$ 22,60
Impresso
de R$ 38,16
R$ 32,10
Comentários
0 comentários