GUERRAS PORTUGUESAS
Categorias
Medieval, Europa, Antigo, Geografia E Historia, Educação, Didáticos
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 104 vezes desde 15/05/2020
Versão
impressa
R$ 65,31
Coloração
Acabamento
Valor total:
R$ 65,31
Versão
ebook
R$ 22,60
Disponível em:
epub
Valor total:
R$ 65,31
Este ebook também pode estar à venda na:
Sinopse

A história militar de Portugal é tão longa quanto a história do país, antes do surgimento do estado português independente.

Antes do surgimento de Portugal, entre os séculos IX e XII, seu território fazia parte de importantes conflitos militares - resultado principalmente de três processos.

O conflito entre Roma antiga e Cartago pelo domínio do mar Mediterrâneo ocidental ocorreu principalmente na Península Ibérica (Hispânia Romana) durante a Segunda Guerra Púnica, de 218 a 201 a.C.

A conquista romana da Hispânia, um longo processo de 218 a.C. (no contexto da Segunda Guerra Púnica) a 17 a.C. (já durante o imperador Augusto), teve três grandes confrontos em relação ao território português moderno:

A Guerra Lusitana de 155 a 139 a.C., entre os romanos e os lusitanos, nomeadamente durante o período em que estes foram liderados por Viriatus.

A expedição e conquista de Gallaecia (norte de Portugal e Galiza), de 135 e 132 a.C., liderada pelo cônsul Decimus Junius Brutus Callaicus.

As guerras cantábricas de 29 a 19 a.C., no último estádio da conquista romana, que, embora não sejam dirigidas às populações do atual território português, envolveram muito movimentos militares no que hoje é o norte de Portugal.

As guerras civis republicanas romanas que ocorreram, total ou parcialmente, na Hispânia, ainda que em interação e conexão com o processo de conquista, a saber:

A revolta de Sertório na Hispânia, de 83 a 72 a.C., sob a liderança de Sertório.

A Guerra Civil de César, de 49 a 45 a.C., entre Júlio César e os ótimos (republicanos conservadores), inicialmente liderados por Pompeu.

As invasões durante o período de migração e o declínio do Império Romano , no início do século V, e os subsequentes conflitos entre conquistadores (até o século VIII), a saber:

Invasão de Roman Gallaecia pelo suebi germânico (Quadi e Marcomanni ) sob o rei Hermeric, acompanhado pelo Buri em 409.

Invasão de Hispania pelos germânicos Vandals (Silingi - criada em Baetica e Hasdingi - criada em interior Gallaecia, perto do Suebi) eo Sarmatian alanos (criada em Roman Lusitânia), em 409.

Invasão da Hispânia pelos visigodos germânicos liderados pelo rei Teodorico, expandindo-se da Aquitânia e sob solicitação dos romanos, em 410, estabelecendo o Reino Visigótico da Hispânia.

A guerra entre os Suevi e os vândalos Hasdingi, onde os primeiros resistiram com a ajuda romana, em 419.

A guerra entre os alanos e os suevos e romanos, onde os dois últimos foram derrotados na Batalha de Mérida, em 428.

A guerra entre os visigodos e a aliança vandalismo-alanica, que terminou em 429, com a maioria dos vândalos e alanos se mudando para o norte da África.

As contínuas e dinâmicas disputas dinásticas entre os Suevi.

A guerra contínua entre os suevos e os visigodos, que terminou quando o rei visigodo Liuvigild conquistou o reino dos suebi em 585.

A guerra entre o Reino Visigótico da Hispânia e o Império Bizantino na província ibérica da Espanha, no sul, de 552 a 624.

A guerra dinástica e civil no Reino Visigótico entre os partidários de Achila II (controlando a maior parte da Hispânia oriental) e Roderic (controlando a maior parte da Península Ibérica).

A Reconquista começou como uma insurgência nas Astúrias em 722. Atualmente, historiadores e arqueólogos geralmente concordam que o norte de Portugal, entre os rios Minho e Douro, manteve uma parcela significativa de sua população, na área social e política cristã que até o final do século IX existia. não havia poderes políticos em exercício. No entanto, no final do século IX, a região faz parte de uma estrutura de poderes, as estruturas de poder galegas - asturianas , leonenses e portuguesas. O condado de Portugal cresceu lentamente em poder e território, formando um Reino separado de Portugal. que se expandiu às custas dos estados mouros de Al-Andalus, terminando sua Reconquista em 1249.

O condado de Portugal cresceu lentamente no poder e suas contagens começaram a se chamar duques, um dos quais se tornou regente do Reino de Leão entre 999 e 1008. Em 1070, o conde português Nuno Mendes desejou o título português e a Batalha de Pedroso foi travada em 18 de fevereiro de 1071, o conde foi morto em combate liderado por Garcia II da Galiza . Depois anexou o condado e passou a se chamar "rei de Portugal e da Galiza" ( Garcia Rex Portugallie et Galleciae) Os irmãos de Garcia, Sancho II de Castela e Alfonso VI de Leon, uniram e anexaram o Reino de Garcia durante o mesmo ano, que concordaram em dividi-lo entre si; no entanto, o rei de Castille foi morto por um nobre naquele mesmo ano e Alfonso levou Castille para si e para Garcia. recuperou seu reino de Portugal e Galiza, mas em 1073 o Alfonso VI reuniu todo o poder e começou a se denominar Imperator totius Hispaniæ (Imperador de toda a Hispania) desde 1077. Quando o Imperador morreu, a Coroa foi deixada para sua filha Urraca, enquanto Teresa herdou o Condado de Portugal .

Características
Número de páginas 353
Edição 1 (2020)
Formato A4 (210x297)
Acabamento Brochura
Tipo de papel Offset 75g
ADEILSON NOGUEIRA

ADEILSON SANTANA NOGUEIRA — Nascido em Estância-SE, em 30/06/1969, filho de Francisco de Carvalho Nogueira (I.M.) e de Maria Aldeiza Santana Nogueira, desde cedo apresentou interesse pela literatura e pela poesia, tanto é assim que, aos 11 já escrevia os primeiros poemas, com premiação em concurso de poesia no Colégio Costa e Silva, em Aracaju, cuja temática era a discriminação racial, também obtendo premiações na cidade de Lagarto, no Colégio Polivalente. Aos 10 anos, recebeu das mãos do Prefeito Heráclito Rollemberg, em Aracaju, o Certificado que lhe concedia o título de secretário mirim da educação. Em 1987 teve poemas publicados em dois livros no Rio de Janeiro: Brasil Literário (Crisalis Editora) e Poesia Brasileira (Shogun Editora e Arte), além de diversos escritos para o Jornal de Campos, Styllo, Primo Notícias, em Tobias Barreto, Folha da Jhô, em Lagarto, e Jornal da Manhã e Jornal da Cidade, em Aracaju. Jornalista, Radialista, Bacharel em Direito, Escritor, Tutor em EAD e Docente do Ensino Superior, possui mais de 1.000 títulos publicados. Em 1987, a convite, fez um programa direcionado à cultura na Rádio Progresso de Lagarto, fato que o estimulou a fazer o curso de radialista na cidade de Itabuna-BA, tendo passado pela Rádio Progresso, Rádio Clube de Itapicuru, Rádio Luandê FM e Rádio Imperatriz (atual Ilha AM). Em 1999, ocupava o cargo de assessor de Comunicação na Prefeitura de Tobias Barreto, onde coordenou o Jornal Cidadania pra valer, de publicação mensal, na gestão do então prefeito Diógenes Almeida, fazendo parte, também, do colegiado das Políticas Educacionais. Professor desde 1988, prestou serviços à educação nos Colégios Monsenhor Basilíscio Raposo, Colégio Nsª Srª Menina, Ranchinho Feliz, Educandário Nsª Srª do Carmo, Colégio Cenecista Arnaldo Dantas, na Barra dos Coqueiros, além do SENAC e do CENAPE – curso pré-vestibular. Sempre que possível, levou oficiais da polícia militar à sala de aula para darem palestras contra o uso de entorpecentes. Em 1992, viajou para o Japão, onde trabalhou na Mitsubishi Motors Corporation, sediada na cidade de Nagoya, retornando em 1994. Primeiro representante da Anistia internacional em Sergipe, foi graças ao seu esforço decisivo junto ao Ministério da Justiça do Governo Peruano, sob a ditadura Fujimori, que a Anistia conseguiu a liberdade para um outro professor, injustamente encarcerado por comentar questões políticas em sala de aula. No Brasil e no Japão comandou greves, neste último, conheceu de perto a perseguição promovida pelos sindicatos patronais ao proletariado.

De 2005 a 2012, ocupou o cargo de Assessor Jurídico na Prefeitura Municipal de Tobias Barreto, de onde presidiu a comissão responsável pelo 2º Concurso Público na gestão da então prefeita Marly Barreto, além de colaborar na Lei que criou o Plano Diretor, entre tantas outras. Membro da Academia Tobiense de Letras e Artes – ATLAS, da qual é o atual presidente (biênio 2015-2017).

Numismata desde os seis anos de idade, suas 10 palestras sobre coleção de moedas antigas, registradas em DVD’s, viajaram pelos quatro cantos do País, para os Estados Unidos e Europa, tendo seu nome sempre lembrado nos encontros de colecionadores por todo o País.

Mais publicações desse autor
Ver a lista completa
Impresso
R$ 40,28
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 61,63
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 60,35
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 49,00
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 62,35
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 47,00
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 50,59
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 51,15
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 40,28
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 42,20
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 56,19
Ebook
R$ 22,60
Publicações relacionadas
Ver a lista completa
Impresso
R$ 60,35
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 50,59
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 40,28
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 42,20
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 59,76
Ebook
R$ 33,37
Impresso
R$ 40,60
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 41,80
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 40,28
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 40,28
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 89,22
Ebook
R$ 22,60
Comentários
0 comentários