Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO
GUERRAS RUSSAS
Categorias
Ex Repúblicas Soviéticas, Civilização, Antigo, Geografia E Historia, Educação, Didáticos
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 117 vezes desde 28/05/2020
Versão
impressa
R$ 75,06
Coloração
Acabamento
Valor total:
R$ 75,06
Versão
ebook
R$ 22,60
Disponível em:
epub
Valor total:
R$ 75,06
Este ebook também pode estar à venda na:
Sinopse

A revolução de fevereiro substituiu o czar pelo governo provisório russo, 1917, que foi derrubado pela revolução bolchevique de 1917. O exército russo, exausto por sua participação na Primeira Guerra Mundial, estava nos estágios finais de desintegração e colapso.

Embora a influência bolchevique nas fileiras fosse forte, o corpo de oficiais era formado por muitos que se opunham violentamente ao comunismo. Os bolcheviques consideraram o exército czarista um dos fundamentos do odiado antigo regime e decidiram aboli-lo em favor do estabelecimento de um novo exército leal à causa marxista . Assim, o núcleo do exército czarista tornou-se o núcleo do exército provisório russo, que se tornou o núcleo do Exército Branco, que, em colaboração intermitente com forças intervencionistas de fora da Rússia (do Japão, Grã-Bretanha, França e Estados Unidos), ajudou os brancos e tentou conter o Exército Vermelho durante a Guerra Civil Russa.

Em 28 de janeiro de 1918, o líder bolchevique Vladimir Lenin decretou o estabelecimento do Exército Vermelho, fundindo oficialmente os 20.000 guardas vermelhos, 60.000 soldados letões com 200.000 marinheiros da frota do Báltico e um punhado de soldados da guarnição de Petrogrado. Leon Trotsky serviu como seu primeiro comissário para a guerra.

O início do Exército Vermelho era igualitário e, portanto, pouco disciplinado. Os bolcheviques consideraram as fileiras militares e saudaram os costumes burgueses e os aboliram; soldados agora elegeram seus próprios líderes e votaram em quais ordens seguir. Esse arranjo foi abolido, no entanto, sob pressão da Guerra Civil Russa (1918-1921), e as fileiras foram restabelecidas.

Durante a guerra civil, os bolcheviques lutaram contra grupos contra-revolucionários que ficaram conhecidos como exércitos brancos, bem como exércitos patrocinados pelos ex-aliados da Rússia, como a Grã - Bretanha e a França, que viram a necessidade de derrubar o governo bolchevique. O Exército Vermelho desfrutou de uma série de vitórias iniciais sobre seus oponentes e, em uma onda de otimismo, Lenin ordenou que o Exército Ocidental Soviético avançasse para o Oeste no vácuo criado pelas forças alemãs que se retiravam das áreas de Ober-Ost. Esta operação varreu a recém-criada República Popular da Ucrânia e a República Popular da Bielorrússia e, eventualmente, levou à invasão soviética da Segunda República Polonesa, um estado recém-independente do antigo Império Russo. Ao invadir a Polônia e iniciar a Guerra Polonês-Soviética, os bolcheviques expressaram sua crença de que acabariam por triunfar sobre as forças capitalistas opostas, tanto em casa como no exterior.

A esmagadora maioria dos oficiais profissionais do exército russo era de nobreza (dvoryanstvo); além disso, a maioria deles se juntara aos exércitos brancos. Portanto, o Exército de Trabalhadores e Camponeses enfrentou inicialmente uma escassez de líderes militares experientes. Para remediar isso, os bolcheviques recrutaram 50.000 ex-oficiais do Exército Imperial para comandar o Exército Vermelho. Ao mesmo tempo, eles uniram comissários políticos às unidades do Exército Vermelho para monitorar as ações e a lealdade dos comandantes profissionais, formalmente denominados "especialistas militares" (voyenspets, para voyenny spetsialist). Em 1921, o Exército Vermelho havia derrotado quatro exércitos brancos e detido cinco contingentes estrangeiros armados que haviam intervindo na guerra civil, mas começaram a enfrentar reveses na Polônia.

Após a guerra civil, o Exército Vermelho tornou-se uma organização militar cada vez mais profissional. Com a maioria de seus cinco milhões de soldados desmobilizados, o Exército Vermelho foi transformado em uma pequena força regular, e milícias territoriais foram criadas para a mobilização em tempo de guerra. As escolas militares soviéticas, estabelecidas durante a guerra civil, começaram a formar um grande número de oficiais treinados leais ao poder soviético. Em um esforço para aumentar o prestígio da profissão militar, o partido restabeleceu fileiras militares formais, rebaixou comissários políticos e, finalmente, estabeleceu o princípio do comando individual.

Características
Número de páginas 475
Edição 1 (2020)
Formato A4 (210x297)
Acabamento Brochura
Tipo de papel Offset 75g
ADEILSON NOGUEIRA

ADEILSON SANTANA NOGUEIRA — Nascido em Estância-SE, em 30/06/1969, filho de Francisco de Carvalho Nogueira (I.M.) e de Maria Aldeiza Santana Nogueira, desde cedo apresentou interesse pela literatura e pela poesia, tanto é assim que, aos 11 já escrevia os primeiros poemas, com premiação em concurso de poesia no Colégio Costa e Silva, em Aracaju, cuja temática era a discriminação racial, também obtendo premiações na cidade de Lagarto, no Colégio Polivalente. Aos 10 anos, recebeu das mãos do Prefeito Heráclito Rollemberg, em Aracaju, o Certificado que lhe concedia o título de secretário mirim da educação. Em 1987 teve poemas publicados em dois livros no Rio de Janeiro: Brasil Literário (Crisalis Editora) e Poesia Brasileira (Shogun Editora e Arte), além de diversos escritos para o Jornal de Campos, Styllo, Primo Notícias, em Tobias Barreto, Folha da Jhô, em Lagarto, e Jornal da Manhã e Jornal da Cidade, em Aracaju. Jornalista, Radialista, Bacharel em Direito, Escritor, Tutor em EAD e Docente do Ensino Superior, possui mais de 1.000 títulos publicados. Em 1987, a convite, fez um programa direcionado à cultura na Rádio Progresso de Lagarto, fato que o estimulou a fazer o curso de radialista na cidade de Itabuna-BA, tendo passado pela Rádio Progresso, Rádio Clube de Itapicuru, Rádio Luandê FM e Rádio Imperatriz (atual Ilha AM). Em 1999, ocupava o cargo de assessor de Comunicação na Prefeitura de Tobias Barreto, onde coordenou o Jornal Cidadania pra valer, de publicação mensal, na gestão do então prefeito Diógenes Almeida, fazendo parte, também, do colegiado das Políticas Educacionais. Professor desde 1988, prestou serviços à educação nos Colégios Monsenhor Basilíscio Raposo, Colégio Nsª Srª Menina, Ranchinho Feliz, Educandário Nsª Srª do Carmo, Colégio Cenecista Arnaldo Dantas, na Barra dos Coqueiros, além do SENAC e do CENAPE – curso pré-vestibular. Sempre que possível, levou oficiais da polícia militar à sala de aula para darem palestras contra o uso de entorpecentes. Em 1992, viajou para o Japão, onde trabalhou na Mitsubishi Motors Corporation, sediada na cidade de Nagoya, retornando em 1994. Primeiro representante da Anistia internacional em Sergipe, foi graças ao seu esforço decisivo junto ao Ministério da Justiça do Governo Peruano, sob a ditadura Fujimori, que a Anistia conseguiu a liberdade para um outro professor, injustamente encarcerado por comentar questões políticas em sala de aula. No Brasil e no Japão comandou greves, neste último, conheceu de perto a perseguição promovida pelos sindicatos patronais ao proletariado.

De 2005 a 2012, ocupou o cargo de Assessor Jurídico na Prefeitura Municipal de Tobias Barreto, de onde presidiu a comissão responsável pelo 2º Concurso Público na gestão da então prefeita Marly Barreto, além de colaborar na Lei que criou o Plano Diretor, entre tantas outras. Membro da Academia Tobiense de Letras e Artes – ATLAS, da qual é o atual presidente (biênio 2015-2017).

Numismata desde os seis anos de idade, suas 10 palestras sobre coleção de moedas antigas, registradas em DVD’s, viajaram pelos quatro cantos do País, para os Estados Unidos e Europa, tendo seu nome sempre lembrado nos encontros de colecionadores por todo o País.

Mais publicações desse autor
Ver a lista completa
Impresso
R$ 54,40
Ebook
R$ 33,37
Impresso
R$ 56,88
Ebook
R$ 33,37
Impresso
R$ 58,32
Ebook
R$ 33,37
Impresso
R$ 51,04
Ebook
R$ 33,37
Impresso
R$ 51,04
Ebook
R$ 33,37
Impresso
R$ 55,04
Ebook
R$ 33,37
Impresso
R$ 52,96
Ebook
R$ 33,37
Impresso
R$ 51,76
Ebook
R$ 33,37
Impresso
R$ 52,56
Ebook
R$ 33,37
Impresso
R$ 52,16
Ebook
R$ 33,37
Impresso
R$ 53,92
Ebook
R$ 33,37
Impresso
R$ 53,76
Ebook
R$ 33,37
Publicações relacionadas
Ver a lista completa
Impresso
R$ 38,85
Ebook
R$ 17,22
Impresso
R$ 40,28
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 40,28
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 29,52
Ebook
R$ 11,84
Impresso
R$ 40,28
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 40,28
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 40,28
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 40,28
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 40,28
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 40,28
Ebook
R$ 22,60
Impresso
R$ 40,28
Ebook
R$ 22,60
Comentários
0 comentários