Original
Go_to_top Bar
Seu carrinho está
vazio
Olá

Clube de Autores é a maior comunidade de autopublicação da América Latina. Inicie agora!

Livro OLYMPUS: LIVRO V - THESSALIA

300 POEMAS

Por: MARCOS AVELINO MARTINS Denunciar

Ajaxloader
de
R$ 64,69
por
R$ 60,14
por
R$ 20,45

Sinopse

60º livro do autor das seguintes obras, todos elas publicados no Clube de Autores e na Amazon, em versão impressa e digital:

1. OS OCEANOS ENTRE NÓS

2. PÁSSARO APEDREJADO

3. CABRÁLIA

4. NUNCA TE VI, MAS NUNCA TE ESQUECI

5. SOB O OLHAR DE NETUNO

6. O TEMPO QUE SE FOI DE REPENTE

7. MEMÓRIAS DE UM FUTURO ESQUECIDO

8. ATÉ A ÚLTIMA GOTA DE SANGUE

9. EROTIQUE

10. NÃO ME LEMBREI DE ESQUECER DE VOCÊ

11. ATÉ QUE A ÚLTIMA ESTRELA SE APAGUE

12. EROTIQUE 2

13. A CHUVA QUE A NOITE NÃO VIU

14. A IMENSIDÃO DE SUA AUSÊNCIA

15. SIMÉTRICAS – 200 SONETOS (OU COISA PARECIDA) DE AMOR (OU COISA PARECIDA)

16. AS VEREDAS ONDE O MEU OLHAR SE PERDEU

17. A MAGIA QUE SE DESFEZ NA NOITE

18. QUAL É O SEGREDO PARA VIVER SEM VOCÊ?

19. OS TRAÇOS DE VOCÊ

20. STRADIVARIUS

21. OS SEGREDOS QUE ESCONDES NO OLHAR

22. ATÉ SECAREM AS ÚLTIMAS LÁGRIMAS

23. EROTIQUE 3

24. OS POEMAS QUE JAMAIS ESCREVI

25. TUA AUSÊNCIA, QUE ME DÓI TANTO

26. OS DRAGÕES QUE NOS SEPARAM

27. O VENTO QUE NA JANELA SOPRAVA

28. EROTIQUE 4

29. A NOITE QUE NÃO TERMINOU NUNCA MAIS

30. AS HORAS QUE FALTAM PARA TE VER

31. OLYMPUS: LIVRO 1 – EROS (1ª PARTE)

32. OLYMPUS: LIVRO 1 – EROS (2ª PARTE)

33. NO AR RAREFEITO DAS MONTANHAS

34. VOCÊ SE FOI, MAS ESTÁ AQUI

35. O AMOR QUE SE FOI E NÃO VOLTOU

36. OS VÉUS DA NOITE

37. OLYMPUS: LIVRO II - ARES, ARTHEMIS, ATHENA, CHRONOS, HADES, MORPHEUS E POSEIDON

38. MADRUGADAS DE SEDUÇÃO

39. O LUAR QUE EM TEUS OLHOS HABITA

40. QUANDO SUA AUSÊNCIA ERA TUDO QUE HAVIA (contos e crônicas)

41. ESSA SAUDADE QUE NÃO QUER IR EMBORA

42. OLYMPUS: LIVRO 1 – EROS (3ª PARTE)

43. UM ÚLTIMO BEIJO EM PARIS

44. OLYMPUS: LIVRO III – APHRODITE, APOLLO, EREBUS, GAIA, HERA E ZEUS

45. DE QUAL SONHO MEU VOCÊ FUGIU?

46. O LABIRINTO NO FIM DO POEMA

47. CADÊ O AMOR QUE ESTAVA AQUI?

48. OS RIOS QUE FOGEM DO MAR

49. ÚLTIMOS VERSOS PARA UM PERDIDO AMOR

50. OLYMPUS: LIVRO IV – PANTHEON

51. AH, POESIA, O QUE FIZESTE?

52. UM VERSO SUICIDA

53. ELA SE FOI, E NEM DEIXOU MENSAGEM

54. A NAVE QUE TE LEVOU PARA LONGE

55. EROTIQUE 5

56. O LADO NEGRO DA POESIA

57. UM OLHAR VINDO DO INFINITO

58. APENAS UM CONTADOR DE HISTÓRIAS

59. RÉQUIEM PARA UM AMOR NAUFRAGADO

“Durou apenas alguns dias / A nossa aventura de amor, / Cheia de sonhos e alegrias, / E noites de vinho e furor...”

“Depois disto, jamais / Eu voltei, / E nunca mais / Eu a amei, / Pois se partiu / A ligação que havia, / Naquela noite vil / Soube que não mais me queria...”

“A lente do amor distorce / Retorce / Uma imagem retocada / Desfocada / Descolorida / Desfalecida / Como se vida tivesse / E o amor de volta trouxesse”

“Por onde estiveres, meu amor te acompanha, / Em algum rincão dessa Galáxia imensa, / Mesmo em alguma estrela estranha, / Sentirás contigo a minha presença!”

“Que atitude tomar para retomar a vida / Que havia antes desse sentimento opressor? / Como dominar essa sensação oprimida / Que começou com a visita do amor?”

“O que é essa incrível magia / Que me faz sonhar contigo, com ardor, / Por que me despertas tanta Poesia? / Acho que chamam isto de amor...”

“Foi apenas uma casualidade, / Confundir paixão com felicidade, / Talvez tenha sido uma crise da meia-idade, / Esse amor que nem sei se foi de verdade.”

“Saudade é isto que me dói / De janeiro a dezembro, / Saudade é esta dor que me rói / Cada vez que de você eu me lembro...”

“Você é a única estrela de minha constelação, / E até o fim da vida quero seguir navegando / Nesse seu olhar que transborda emoção, / Onde vivo me perdendo e me encontrando...”

“E rastros de poemas deixou / Em seus caminhos, mas você nem nota, / Nem vê a lágrima que brota / De meus olhos, quando em você penso, / A cada vez que perco o bom senso,”

“Estou por aqui, sem promessas, / Caminhando com você lado a lado, / Juntando em silêncio as peças / De seu gigantesco quebra-cabeça, / Que seguirá me torturando, / Esperando que algo aconteça,”

“E vem aquele dia em que as máscaras caem / E o que parecia um amor tão lindo vem abaixo / Descobre-se que os antigos amantes se traem / E o violino Stradivarius era um contrabaixo!”

“E de repente, só resta a saudade / A lembrar de momentos esquisitos, / Onde só um lado abriu a porta, / E a outra permaneceu fechada, / Mas de que afinal isto importa, / Quando se chega ao fim da estrada?”

“E, quando chegar o outono, em julho, / Tomaremos, na piscina, aulas de mergulho, / Depois iremos para a praia em agosto, / Para eu encharcar de beijos seu rosto, / E ao começar o verão, em setembro, / Esquecerei seu aniversário, que nunca me lembro,”

“Ao longe, vejo tua imagem, / Devagar outra vez se afastando, / Meu olhar em teu vulto naufraga, / Indo em direção ao portão de embarque, / Embarcando para a mais triste viagem, / De mim novamente se distanciando, / Marcando-me de novo essa chaga, / Que não há quem desmarque!”

“Foi apenas um sonho de verão, / Que desaguou nesse inverno, / Narrado em uma triste canção / Guardada no bolso de meu terno.”

“Desde o início de tudo / Estava escrito que serias o escudo / Contra todos os meus medos / Que escorrem através de meus dedos / Nessas estranhas noites solitárias / Entre tempestades contrárias / Que me enchem de pavor / Nessas madrugadas cheias de horror”

“Que peça foi esta que a vida me pregou? / Como eu poderia esperar, jovem como era, / Toda aquela confusão que o amor provocou, / Todo o torvelinho que de mim estava à espera?”

“Nessa estranha ampulheta / Que controla meus minutos de dor, / Gravaste com tua própria caneta / Um recado de teu bailado opressor...”

“E agora, o que eu faço, / Depois de ficar tão lasso, / Tão a você entregue, / Por muito que negue, / Ainda que quisesse / Dizer que você não me enternece, / Mesmo que não queira / Ficar com você a vida inteira?”

“Afinal, como esperar de ti tal reação, / Logo tu, que tanto me desprezavas? / Como poderia esperar despertar teu vulcão / E responderes que também me amavas?”

“Don’t turn out the light / Let me see you at all / And your eyes’ bright / Will witness my fall”

“E, no momento em que eu fizer menção de ir embora, / Será que deixarias que eu apenas me fosse? / Ou será que perguntarias, em meu ouvido, a que hora / Voltarei para provar desse teu veneno tão doce?”

“O que pensava ser um amor perfeito / Estava cheio de imensas crateras, / E por isto naufragou desse jeito, / Soterrando todas as minhas quimeras.”

“Por mim, você pode ir para o inferno, / Talvez arranje por lá um demônio, / Ou pode ir para a Antártida no inverno, / Ou sufocar sob a camada de ozônio!”

“Nossos encontros são sempre assim / Combinamos para irmos ao cinema / Mas vou ver Tarantino em Berlim / E você Woody Allen em Ipanema”

“Fui eu quem lhe fez uma serenata, / Disfarçando a voz para não saber que era eu! / Por que você me trata com uma chibata, / Será que não quer um louco para chamar de seu?”

“Deixe que eu lhe conte histórias / De antigos amores famintos, / Que deixaram saudades ilusórias, / Enquanto aguço os meus instintos, / Pois o que sinto por você já é quase amor, / Mas não vá embora ainda, / Fique mais algumas horas, por favor, / Já lhe disse o quanto você é linda?”

“Desse crime cruel não me arrependo, / Mas na cadeia do amor perdido, às vezes me prendo, / E enquanto isto, vou vivendo assim, / A vida toda tentando sepultar você dentro de mim...”

“Quero lhe roubar um beijo valente, / Caliente, / Denso, / Imenso, / Que lhe invada as entranhas, / E revitalize sedes estranhas, / Tamanhas, / E em tuas suaves montanhas / Deixe arrepios / E vazios,”

“Nessas memórias que vêm não sei de onde, / Percebo que nós dois crescemos juntos, / Brincando de amarelinha e pique-esconde, / Sempre a inventarmos novos assuntos, / Indo juntos à sessão de cinema, / Comendo pipoca e tomando refrigerante, / Aprendendo e recitando um lindo poema, / Abraçando-nos e gargalhando a cada instante.”

“Que decote é esse como nunca vi igual? / Como pode um busto ser tão belo, / Encimado por esse teu olhar fatal, / E enfeitiçado por teu vestido amarelo?”

“Definitivamente eu a quero, / Mas não sei dizer o quanto, / Só sei que isto é sincero, / Por muito que me cause espanto!”

“Não é justo, ouvir as suas risadas, / Enquanto meus soluços disfarço, / Sem nem notar as minhas mirads, /

Ou sequer o meu sorriso esparso.”

“O ruim de ter esses momentos redivivos / É sofrer de novo os mesmos martírios, / Todos os fantasmas voltam a ficar vivos, / A paz que alcancei, trocada por velhos delírios...”

“E depois, tiras a última peça / E não há mais nada que impeça / De nossos corpos juntarmos / E um no outro nos encaixarmos, / Num vaivém que a noite assiste, / Durante o qual nada mais existe, / Exceto nós dois.”

“Depois, / Diáfana, / Divinal, / Deixou-se despir, / Despojada de dúvidas, / Desvendando-se, / Devorando-me, / Devagar, / Dilacerante, / Doida de desejo,”

“Como pode entre nós resistir / Assim toda essa cumplicidade? / Como pode nesse mundo cruel existir / Um amor que não se verga à maior tempestade?”

“Nossos insensatos corações, / Por diferentes razões, / Um ao outro se ofereceram, / Mas depois disto só padeceram, / Tentando resolver seus conflitos, / Calando no silêncio seus gritos,”

“Por que ela teve de ir e não voltar, / E depois daquela noite não mais a vi, / Em qual estrela terá ido morar, / Será que sabe que nunca mais a esqueci?”

“Ficaste pregada a mim como uma maldição. / Ou talvez seja apenas uma eternizada paixão, / Pois até hoje minhas noites escuras iluminas, / Para sempre impregnada em minhas retinas...”

“Desde quando me beijaste / Com teu toque me enfeitiçaste / E acabei virando esse triste traste, / Mas como te esquecer, se em tudo ficaste?”

“Quando o verão chegar, será que voltas, / Ou seguirás tua fuga, enquanto o mundo dá voltas? / Enquanto sigo minha sina, escrevendo versos, / Terás me esquecido, entre braços perversos?”

“Onde / Você se esconde? / E dos trilhos do bonde / A solidão me responde, / E, esperando que a noite me sonde, / A Escuridão comigo se corresponde, / Mas, por muito que a saudade me ronde, / Sigo a lhe buscar não sei aonde, / Enquanto o amor brinca comigo de esconde-esconde...”

“Depois daquela noite tão linda / O destino nos juntou / Demorou tanto a tua vinda / Mas o amor para sempre nos ligou”

“Pois isto é que me diz o meu instinto, / Talvez meu olhar tenha sido traidor, / E não é só isto que por você eu sinto, / Mas, se quiser, pode chamar de amor!”

“E agora eis-me aqui tão exposto / Com essas marcas de insônia no rosto / A te encarar perplexo / E a murmurar versos sem nexo / Mas agora é tarde demais / Pois não haverá nunca mais”

“Eu te perdoo, amor / Por cada verso manco, / Pelas páginas em branco / Do caderno de minha vida.”

“E nos alvoreceres ou nos ocasos / Abre a porteira para a próxima estrada / No fim da qual a felicidade reside / E a tristeza não tem mais lugar / Pois a sua paixão com a minha se divide / Num reino eterno onde o amor foi morar”

"Falemos sobre um filme do Tarantino, / Em que gastaram toneladas de sangue, / Sobre um parente que morreu de modo repentino, / Ou de uma baleia que encalhou num mangue!”

“Vives atrás de mim, com o dedo em riste, / Procurando minha agenda secreta, / Sem saber que ela sequer existe, / Mas quem te mandou amar um poeta?”

“Então nos entreolhamos, perplexos e ruborizados, / Você a me encarar, com um sorriso inseguro, / Porque a amizade entre nós era tudo que havia, / E perguntou, suavemente: por que demorou tanto?”

“Mas não pode ser você que voltou! / Deve ser outra que usa o mesmo frasco, / E que soube dessa saudade que me devastou, / E está aqui a me lembrar do meu fiasco...”

“Você não percebe meus olhares perdidos, / Quando você passa por mim requebrando, / Nem desconfia de meus sonhos proibidos, / E eles continuam, só não sei até quando!”

“E o primeiro beijo acontece, / E faz tremerem nossas estruturas, / Como se fosse causado por uma prece / Que unisse num instante duas criaturas...”

“Esses muros que entre nós se seguem / São praticamente intransponíveis, / Mas tuas lembranças me perseguem, / Daqueles nossos momentos incríveis!”

“Nossa história teve início / E também um meio, / Mas nunca teve final, / E deixou esse indício / De um breve passeio / Pelo espaço sideral,”

“Naquele dia, eu me salvei do incêndio, / Onde nosso amor em cinzas se transformou, / E depois disto, escrevi um compêndio, / Sobre essa tragédia, que tudo mudou!”

“Mas é uma pena você não me querer ao seu lado, / Pois sei que no fundo de mim você gosta, / Mas não sei porque, não quer me ver nem pintado, / Você é um enigma para o qual não tenho resposta!”

“Como esquecer teu corpo indomável, / De nossas noites de beijos e vinhos? / Como olvidar teu sorriso indecifrável, / Como arrancar de mim teus espinhos?”

“É nesse teu olhar que eu me banho / Para me livrar das tristezas diárias / É nesse brilho que vejo o tamanho / Dessas tuas paixões incendiárias”

“A tristeza não vai embora, / Seu amor é o remédio que me cura, / Mas essa solidão sempre me aflora, / E me diz que esse mal não tem cura...”

“Quando pela primeira vez eu te vi, / Teu sorriso invadiu meu castelo, / Derrubando fossos e muralhas, / E indefeso, então eu me ofereci / Para defender o teu corpo tão belo / Contra todas as espadas e navalhas.”

“Junte-se a mim para cultivarmos um amor imenso, / Vamos juntos descartar o bom senso, / Pois amar nem sempre traz felicidade, / E às vezes, a paixão se converte em saudade, / Quando o amor se quebra em pedaços, / Quando você se fere com os estilhaços”

“A vida nos quis desse jeito, / Um ao outro fazendo companhia, / Nesse nosso amor tão perfeito, / Para sempre, eu e a Poesia...”

“O que é este súbito mal / Que às vezes me acomete, / Quando te vejo chegando, / Com esse teu sorriso fatal? / O que significa isto afinal, / O que é esse fogo que me derrete, / Quando te vejo passar rebolando, / Mais abençoada do que o Santo Graal?”

“Em um ambiente bucólico, / No interior de um templo católico, / Escrevi um poema melancólico, / Cheio de um teor simbólico.”

“Como adivinhar que nesse interno deserto, / No qual és apenas um vulto errante, / A minha dor é espalhada pelos ventos, / E, cheio de alimento, morro de fome?”

“Entre nós, existe um muro, / Que ergueste ao teu redor, / Para nós, já não há futuro, / Conheço cada tijolo de cor!”

“Mas o que eu podia fazer, / Se em ti o meu olhar pernoita, / Tentando em vão te acender / O fogo que em meu peito se amoita, / Nessa paixão maldita que só faz doer?”

“Por favor, não duvide / Desse amor enorme, / Que com muros colide / Nesse tempo disforme, / De relações instantâneas / Que mal captam um flagrante / E paixões momentâneas / Que só duram um instante.”

“E quando você me toca, / Não me provoca arrepios, / Mas meu olhar se desloca / Para onde correm seus rios! / E quando você me sorri, / Enfim eu me arrrependo, / E confesso que menti, / Pois a você eu me rendo...”

“E onde havia dois hoje há quatro / A tristeza foi só o que restou / E de nossa paixão de teatro / Só uma cortina rasgada ficou”

“No instante em que nossos olhos se cruzaram, / Soube que era contigo ou com mais ninguém, / Quando nossos olhares mutuamente se encantaram, / E depois nunca mais me encantei com alguém!”

“Sometimes when I’m waked / I follow dreaming of you, / And there you’re are naked / With your eyes of blue.”

“Depois de uma noite eufórica, / E de um último beijo apaixonado, / Deixe-me dormir sob suas pupilas, / Iluminado pelo seu lindo sorriso! / E, se eu não despertar nunca mais, / Que jeito mais feliz de morrer...”

“Há tantas nuances / Contidas em romances / Que pela vida se arrastam / De amantes que não se afastam / Entre idas e vindas / E esperanças infindas / Mensagens perdidas / Ligações interrompidas”

“Nessa sinistra ciranda, / Parece que a vida espera que eu aprenda / Como me livrar dessa tristeza infinda, / O amor com minha solidão tirando onda, / Nessa desilusão tão profunda!”

“Bailemos juntos por esse lindo salão / Onde a noite enluarada nos reuniu, / Nessas horas em que reina a paixão, / Numa oportunidade como nunca se viu.../ E, quando a alvorada nos separar, / Voltaremos a ser o que sempre fomos, / E nunca mais outra vez seremos um par, / Tão enamorados como hoje o somos...”

“Hoje, o dia depois de ontem, / Sob as bênçãos desse lindo luar, / Aguardo que mansamente despontem / As lágrimas suaves que insistem em rolar, / Em cada noite solitária que se inicia, / Sem ter hora para terminar, / Depois de mais um longo dia, / Até que o Sol emerge do mar...”

“Coloco minha melhor roupa para te ver, / Ponho um terno, passo perfume francês, / Mas sou como um livro que não queres ler / E passo despercebido de ti outra vez! / Mas não desisto, e continuo em vão a tentar, / Que um dia a te encarar teu olhar me flagre, / E com esses olhos cheios da magia do luar, / Leias enfim nos meus esse verdadeiro milagre!”

“Descuidei de você, perdi seu amor, / E descobri apenas tarde demais, / Que o amor não passa de um predador, / Um navio que se recusa a deixar o cais!”

“Ela me ouviu dando risada, / E quis saber se o motivo dessa alegria / Tinha alguma coisa de seu! / Respondi: queria que fosse por você provocada, / Como quis até ontem, em cada dia, / Só que nunca aconteceu! / Mas foi só um beijo apaixonado e ardente / Que a noite me deu de presente...”

“E serei para sempre incompleto, / Tentando remendar esse pedaço sumido, / Que se foi, como se fosse um mero objeto, / Deixando para trás um coração ferido! / Nessa vida que desmoronou, / Minha desilusão anda em alta, / E você é o pedaço meu que falta / Pois se foi, e nunca mais voltou...”

“Mas no fundo sei que não adianta / Fazer de conta que não te amo / Pois minha sede de ti é tanta / Que quando durmo eu te chamo / Inutilmente pois estás tão longe / Como seria possível estar / E minha sina parece a de um monge / Que fizesse preces a Deus e ao luar”

“Só restou a saudade onde havia o amor, / E essa triste ausência de nós / Até que eu morra me assombra, / E talvez também me assombre depois! / Isto é terrivelmente assustador, / E me conduz a um fim atroz, / Num abismo onde fica essa sombra, / Que foi o que sobrou de nós dois!”

“E foi assim que sempre vivemos, afinal: / Um barril de pólvora sempre a explodir, / Mesmo pelos mais insensatos motivos, / Agora aqui estamos, vendo a morte eclodir, / E este é o último instante em que estamos vivos, / E então você me beija, cravando-me o último punhal...”

“Esse teu mágico olhar telepata / Todos os meus segredos desvendou, / E quando estamos juntos me arrebata / E confesso que, sem ti, nada sou...”

“Talvez tenha sido num sonho poético, / Que acabou se tornando profético, / Pois aqui está você, para mim sorrindo, / Usando o seu sorriso mais lindo, / Com esse olhar cheio de promessas, / Encaixando com ele as últimas peças, / Depois de um período assustador, / De meu último quebra-cabeça de amor...”

“Ali reprimidos, esperando que alguém tocasse / Com um olhar apenas aquele fogo na face, / Que em um instante inesperado se revela, / Quando surge da forma mais bela, / Puro, inocente, apenas uma crisálida, / Despertada da maneira mais cálida / Por um tão aguardado olhar sedutor, / Para se tornar a borboleta que chamam de amor...”

“A paixão deixa cicatrizes como um açoite, / Que se compraz em deixar suas marcas, / O amor chega do mar junto com a noite, / E nos leva a passear em suas barcas...”

“Onde foi que você deixou / A felicidade que me escondeu, / Para onde foi que você levou / O beijo de amor que nunca me deu? / Onde foi que você cravou / O prego que de meu peito recolheu, / Por onde foi que você espalhou / As folhas do livro que você nunca leu?”

“Eu te amo, mas não te quero, / Sei que parece loucura, / Mas é assim que me sinto, / E nada acontece como espero, / Sua presença me tortura, / Longe de você fico faminto!”

“E, nesse passeio lindo que saboreamos, / Faz de conta que sou o seu cavaleiro andante, / Cavalgando num dragão aéreo, / Enfrentando com coragem o uivo dos ventos, / Desfilando esse amor que se tornou um mito, / A bordo desse lindo balão etéreo, / Que desafia cumulus nimbus cinzentos, / E a leva sem destino rumo ao infinito...”

“Ando tendo pensamentos impuros / Em relação a ela / Sonhando em vê-la em quartos escuros / E com sua lingerie amarela / Quem sabe se mostrar minha expertise / Em escrever poemas românticos / Ela se anime a me fazer um strip-tease / Seguido de beijos quânticos”

“Não sei como curar essa cegueira, / Que faz com que você não note / Como vê-la me provoca uma tremedeira, / E que um novo poema de repente me brote...”

“Esses pingos de chuva na janela / Sempre fazem que me recorde dela / E dos riscos molhados em sua face, / Esperando que seu amor retornasse.”

“Porque este era o nosso destino / Inexplicável como os grandes amores o são / Quando não se acabam num desatino / Mas numa incontrolável paixão / Como essa nossa aventura em carne e osso / Cujas lembranças em mim para sempre ficaram / E por alguns dias saudosas marcas no pescoço / E outras na alma que nunca mais se apagaram”

“É tua a culpa / Por meus olhos inchados, / Pela lassidão que ocupa / Os meus membros cansados. / São por tua causa / Esses poemas que escrevo, / Sem nenhuma pausa, / Onde minha dor descrevo.”

“Quantos segredos precisarei descobrir? / Quantos brontossauros renascerão no mar, / Quantos unicórnios deverão ressurgir, / Quantos sonhos enterrará este sonhador, / Quantos poemas deverei escrever para ti somente? / Será que para ver brotar em ti o amor, / Será preciso que eu te reinvente?”

“Esse nosso encontro, por Deus programado, / E não me olhe como se disto descresse, / Pois esse olhar fatal entre nós estava marcado / E um dia teria mesmo de acontecer, / Pois em meus sonhos eras onipresente, / E eu tinha certeza que um dia te encontraria, / E, hoje, que o céu te enviou para mim de presente, / Não negues que eu te encaixe para sempre em minha Poesia!”

“Por que não me medicas / Com uma transa vibrante? / Por que não me suplicas / Para ser para sempre teu amante? / Por que não me replicas / Com um abraço sufocante? / Por que não classificas / De amor nossa aventura errante?”

“Joguei para o ar tantas quimeras, / Que alçaram voo, e não voltaram, / Vi fugirem tantas primaveras, / Onde as flores que amava não voltaram...”

“Nesses teus olhos cravejados de astros, / Meu olhar poético passeia, sonhador, / Tentando encontrar os doces rastros / De algum perdido rastilho de amor... / Mas esses teus olhos sedutores / Ocultam bem de mim seus segredos, / E parecem não perceber que são causadores / Dos versos que se derramam de meus dedos...”

“Essa fonte que agora ouço murmurar / Versos e canções tão belas e tristes, / Descubro que de teus olhos está a jorrar, / Vertendo essa dor da qual não desistes. / E quando essa suave fonte seca, / Então o silêncio de novo impera, / E a noite estupefata vem e checa / Por que insistes nessa inútil espera.”

“Em meio àquela tempestade terrível, / Aquele seu sorriso enorme me cativou, / E parei em sua frente, debaixo da chuva, / Olhando para você sem dizer nada, / Hipnotizado de uma forma incrível, / E comprovei que você me enfeitiçou, / Quando seu beijo me vestiu como uma luva, / E invadiu meus sonhos desde a sua chegada...”

“E, ao fim desses loucos passeios, / Você me leva para o seu quarto, / E desnuda devagar os seus seios, / Dos quais jamais ficarei farto! / O mundo joga seus dados soturnos, / Enquanto a mim você se rende, / E, nesses nossos jogos noturnos, / A Poesia, ruborizada, conosco aprende!”

“Por que você não deixa / De sugar todo o meu sangue, / Deixando-me assim exangue, / Murcho como uma ameixa?”

“Pois fico atrás de você, submisso, / Esperando para você me dar mole, / Mas só você ainda não sabe disso, / Não vê meu olhar que a você engole, / Nem o meu sorriso de presa fácil, / Esperando a chance para lhe dar o bote, / E colocá-la como rainha em meu palácio, / Onde seu olhar brilhe como um archote,”

“O Mal está por aí à espreita, / Os olhos dele são implacáveis, / A tragédia conosco se deita, / Nessas noites inexplicáveis! / Caçadores andam pelas noites / Atrás de suas presas humanas, / Amantes portam balas e açoites / Debaixo de suas camas profanas!”

“Senti-me como se estivesse sonhando acordado, / Flutuando entre nuvens em plena rua, / No meio de um trânsito caótico e assustador, / Mas tudo o que via eras tu ao meu lado, / Encantando-me com cada risada tua! / Serão esses os sintomas do amor?”

“Só tu me deixas assim, / Tão perto do abismo / E tão distante de mim; / E teus olhos cheios de lirismo / Os meus sonhos pervertem, / E para ti os leva, / Enquanto meus olhos vertem / Esse amor que me subleva”

“Depois dessa noite, exaurida, / Você iria se arrepender / De nunca ter me querido em sua vida, / Até perceber o que iria perder. / Mas aí, já seria tarde demais, / Pois não quero com você ter um caso, / Apenas uma vez, depois nunca mais, / Mesmo se depois nos encontrarmos por acaso.”

“Talvez um dia / Quando eu já houver partido / Você descubra os poemas proscritos / Onde lhe revelo todo o amor que sentia / Por esses versos frágeis vertido / Nos doces sentimentos por você ali descritos...”

“Acreditarias se eu te confessasse / Que sou um escravo da saudade? / Corresponderias se eu te beijasse, / Como morro de vontade?”

“Agora me repreendo, como posso ter sido / Desta forma tão cego e tolo, / Como pude não ter percebido / Aqueles teus tantos sinais? / Mas isto não me serve de consolo, / Pois não te verei nunca mais...”

“Como duvidar que o amor existe / Se eu o vejo todos os dias? / Como duvidar que o amor resiste / Às tempestades mais sombrias?”

“Arranjei uma nova tática / Para chamar a tua atenção / Mas não sei se é prática / E se tem alguma razão / Essa ideia errática / Que já me trouxe aflição / Pois depois que fizeste plástica / E ficaste com esse corpão / Mesmo com minha mente elástica / Corro o risco de levar um bofetão”

“Qual é o teu doce mistério / Por que me encantas? / Eu que era tão sério, / Não sei porque me espantas / E em teu rastro me levas, / Como é que me fazes / Confrontar minhas trevas / Com teus olhos audazes?”

“Kiss my lips / Like you never did / Make a little apocalypse / That you had always forbid”

“Tudo o que me resta / É fazer de conta / Que não mais a quero, / Mas uma lágrima como esta / Que dos meus olhos desponta, / Tonta, revela que não sou sincero...”

“Já não há mais chance de salvação, / Inoculamos raiva por simples contágio, / A insensatez tomou o lugar da razão, / Mesmo antes do derradeiro naufrágio!”

“Adeus, meu derradeiro amor, rasgue esses versos, / Depois de ler esse desesperado e último apelo, / Uma triste despedida, antes dos dias perversos, / Pela frente, até que a morte encerre esse pesadelo!”

“Mesmo que por esse beijo me condene, / Lembrarei dele eternamente, pois sei / Que será uma lembrança perene / Do único beijo que um dia lhe dei...”

“Num instante se desfez em pó / Tudo o que entre nós existia, / E cada um de nós ficou só, / Como antes era tudo que havia!”

“Quem sabe o remédio esteja ao meu alcance, / E baste um sorriso seu para me medicar, / Ou um olhar devastador, mesmo de relance, / Seja tudo de que preciso para me curar?”

“Nunca te disse o quanto me encantas, / E sonho em juntar nossas línguas sedentas, / Para fazer com que por horas sintas / Todo o prazer que nunca me contas, / E responder o que não me perguntas...”

“Onde mais eu poderia encontrar / Tanta força para me redimir? / Nos braços de quem iria acordar / Antes desse submarino partido submergir?”

“Olhei para você e pedi desculpa, / E você respondeu que era só o destino / E que nenhum de nós dois tinha culpa, / Aquele brilho a jorrar de seu olhar cristalino! / Não percebi e nem liguei quando meu voo partiu, / De tão tomado que estava por tanta paixão, / Pois encontrei um amor como nunca se viu, / E tudo aconteceu num bendito esbarrão...”

“E, nesses momentos onde fico tão frágil, / Tudo o que eu queria era lhe dar um abraço / E um beijo que lhe transmitisse amor por contágio, / E então lhe confessar que, sem você, nada faço!”

“Vacinei-me um dia contra você, / Mas a vacina deu efeito contrário, / Pois as cepas inoculadas de seu vírus / Destruíram de uma vez, não sei porque, / Minhas defesas contra esse amor lendário, / Contra o qual foram inúteis juras e tiros!”

“Vendi um pouco do amor que não tenho, / E entreguei apenas uma parte, / Pois do lugar de onde não venho, / Enganar é uma forma de arte.”

“És para mim um enigma sem solução, / Não encontro a resposta para essa charada, / Sempre que me vês, dás sinais de irritação, / Mas quando não estou olhando, sinto tua mirada!”

“E, quando éramos adolescentes, / Algo então começou a mudar, / Você já não era minha amiga somente, / Andávamos de mãos dadas sob o luar...”

Categorias: Poesia, Literatura Nacional, Entretenimento
Palavras-chave: erotismo, fantasia, lirismo, poemas, poesia, romantismo

Características

Cover_front_perspective
Número de páginas: 438

Edição: 1(2019)

ISBN: 978-16-953-4887-5

Formato: A5 (148x210)

Coloração: Preto e branco

Acabamento: Brochura c/ orelha

Tipo de papel: Couche 90g

Reconhecimento

Sobre o autor

Mini
MARCOS AVELINO MARTINS

BIOGRAFIA

Engenheiro Eletricista pela Universidade de Brasília por formação, Analista de Sistemas por opção, poeta por destino, casado, 2 filhos e 1 neto, apreciador de boa música, cinema, literatura, HQs, seriados e amigos (não necessariamente nesta ordem).

Escreve desde os 17 anos, inicialmente letras de músicas, alguns contos avulsos, poemas esparsos, e de alguns anos para cá, com uma produção intensa, já com 50 livros publicados, pelo Clube de Autores e pela Amazon.

LIVROS PUBLICADOS:

1. OS OCEANOS ENTRE NÓS

2. PÁSSARO APEDREJADO

3. CABRÁLIA

4. NUNCA TE VI, MAS NUNCA TE ESQUECI

5. SOB O OLHAR DE NETUNO

6. O TEMPO QUE SE FOI DE REPENTE

7. MEMÓRIAS DE UM FUTURO ESQUECIDO

8. ATÉ A ÚLTIMA GOTA DE SANGUE

9. EROTIQUE

10. ATÉ QUE A ÚLTIMA ESTRELA SE APAGUE

11. NÃO ME LEMBREI DE ESQUECER DE VOCÊ

12. EROTIQUE 2

13. A CHUVA QUE A NOITE NÃO VIU

14. A IMENSIDÃO DE SUA AUSÊNCIA

15. SIMÉTRICAS

16. AS VEREDAS ONDE O MEU OLHAR SE PERDEU

17. A MAGIA QUE SE DESFEZ NA NOITE

18. QUAL É O SEGREDO PARA VIVER SEM VOCÊ?

19. OS TRAÇOS DE VOCÊ

20. STRADIVARIUS

21. OS SEGREDOS QUE ESCONDES NO OLHAR

22. ATÉ SECAREM AS ÚLTIMAS LÁGRIMAS

23. EROTIQUE 3

24. OS POEMAS QUE JAMAIS ESCREVI

25. TUA AUSÊNCIA, QUE ME DÓI TANTO

26. OS DRAGÕES QUE NOS SEPARAM

27. O VENTO QUE NA JANELA SOPRAVA

28. EROTIQUE 4

29. A NOITE QUE NUNCA MAIS TERMINOU

30. AS HORAS QUE FALTAM PARA TE VER

31. OLYMPUS: LIVRO 1 – EROS (1ª PARTE)

32. OLYMPUS: LIVRO 1 – EROS (2ª PARTE)

33. NO AR RAREFEITO DAS MONTANHAS

34. VOCÊ SE FOI, MAS ESTÁ AQUI

35. O AMOR QUE SE FOI E NÃO VOLTOU

36. OS VÉUS DA NOITE

37. OLYMPUS: LIVRO II - ARES, ARTHEMIS, ATHENA, CHRONOS, HADES, MORPHEUS E POSEIDON

38. MADRUGADAS DE SEDUÇÃO

39. O LUAR QUE EM TEUS OLHOS HABITA

40. QUANDO SUA AUSÊNCIA ERA TUDO QUE HAVIA (contos e crônicas)

41. ESSA SAUDADE QUE NÃO QUER IR EMBORA

42. OLYMPUS: LIVRO I - EROS (3ª PARTE)

43. UM ÚLTIMO BEIJO EM PARIS

44. OLYMPUS: LIVRO III - APHRODITE, APOLLO, GAIA, HERA E ZEUS

45. DE QUAL SONHO MEU VOCÊ FUGIU?

46. O LABIRINTO NO FIM DO POEMA

47. CADÊ O AMOR QUE ESTAVA AQUI?

48. OS RIOS QUE FOGEM DO MAR

49. ÚLTIMOS VERSOS PARA UM PERDIDO AMOR

50. OLYMPUS: LIVRO IV - PANTHEON

51. AH, POESIA, O QUE FIZESTE?

52. UM VERSO SUICIDA

53. ELA SE FOI, E NEM DEIXOU MENSAGEM

54. A NAVE QUE TE LEVOU PARA LONGE

55. EROTIQUE 5

56. O LADO NEGRO DA POESIA

57. UM OLHAR VINDO DO INFINITO

58. APENAS UM CONTADOR DE HISTÓRIAS

59. RÉQUIEM PARA UM AMOR NAUFRAGADO

60. OLYMPUS: LIVRO V - THESSALIA

Participante das antologias:

• “Declame para Drummond 2012” (2012), com o poema “Máscaras”;

• Antologia 2015 – Literatura Goyaz” (2015), com os poemas “Os oceanos entre nós” e “Morpheus”;

• “Desafio” (2016), com os poemas “Finito”,”De solidão e de sonhos” e “Olhar”;

• “Dez Poetas e Eu – Vol. 3” (2016), com os poemas “Átimo”, “Diário”, “Julgamento”, “Roleta russa”, “Buracos negros”, “Paronímia”, “As últimas gotas de orvalho”, “Repositório”, “Simplesmente você” e “Quando eu te conheci”; e

• “Raiz da Poesia” (2017), antologia internacional entre países de língua portuguesa, com os poemas “Os segredos que escondes no olhar”, “Borboleta”, “Autópsia”, “La nuit”, “O tio da suspeita”, “Aldebaran” e “Os sons do silêncio”.

Página no site “Templo de Delfos”, relicário da Literatura:

http://www.elfikurten.com.br/2016/08/marcos-avelino-martins.html

Contato: [email protected]

Celular: (62) 99971-9306


Mais publicações desse autor

PASSOS QUE SE AFASTAM NA NOITE

PASSOS QUE SE AFASTAM NA NOITE

MARCOS AVELINO MARTINS
de R$ 42.46
R$ 37,91 Impresso
R$ 17,22 Ebook
AQUELA NOITE DO ADEUS

AQUELA NOITE DO ADEUS

MARCOS AVELINO MARTINS
de R$ 42.78
R$ 38,23 Impresso
R$ 17,22 Ebook
RÉQUIEM PARA UM AMOR NAUFRAGADO

RÉQUIEM PARA UM AMOR NAUFRAGADO

MARCOS AVELINO MARTINS
de R$ 42.6
R$ 38,05 Impresso
R$ 17,22 Ebook
APENAS UM CONTADOR DE HISTÓRIAS

APENAS UM CONTADOR DE HISTÓRIAS

MARCOS AVELINO MARTINS
de R$ 42.91
R$ 38,37 Impresso
R$ 17,22 Ebook
PÁSSARO APEDREJADO

PÁSSARO APEDREJADO

MARCOS AVELINO MARTINS
de R$ 41.9
R$ 37,35 Impresso
R$ 17,22 Ebook
ATÉ QUE A ÚLTIMA ESTRELA SE APAGUE

ATÉ QUE A ÚLTIMA ESTRELA SE APAGUE

MARCOS AVELINO MARTINS
de R$ 41.98
R$ 37,43 Impresso
R$ 24,75 Ebook
ELA SE FOI, E NEM DEIXOU MENSAGEM

ELA SE FOI, E NEM DEIXOU MENSAGEM

MARCOS AVELINO MARTINS
de R$ 42.37
R$ 37,82 Impresso
R$ 17,22 Ebook
A NAVE QUE TE LEVOU PARA LONGE

A NAVE QUE TE LEVOU PARA LONGE

MARCOS AVELINO MARTINS
de R$ 43.53
R$ 38,98 Impresso
R$ 17,22 Ebook
OLYMPUS LIVRO III

OLYMPUS LIVRO III

MARCOS AVELINO MARTINS
de R$ 63.17
R$ 58,62 Impresso
R$ 11,84 Ebook
UM OLHAR VINDO DO INFINITO

UM OLHAR VINDO DO INFINITO

MARCOS AVELINO MARTINS
de R$ 42.69
R$ 38,14 Impresso
R$ 17,22 Ebook
EROTIQUE 5

EROTIQUE 5

MARCOS AVELINO MARTINS
de R$ 43.0
R$ 38,46 Impresso
R$ 17,22 Ebook
O LADO NEGRO DA POESIA

O LADO NEGRO DA POESIA

MARCOS AVELINO MARTINS
de R$ 48.57
R$ 44,02 Impresso
R$ 20,45 Ebook

Comentários - 0 comentário(s)


Fale com o autor

*Seu nome

*Seu email

*Mensagem


Como funciona

Passo 1

Você publica seu livro online, gratuitamente.

Passo 2

Você diz quanto quer receber de direitos autorais.

Passo 3

Nós vendemos e você recebe o dinheiro por depósito direto na sua conta.

Serviços profissionais

Conheça nossos serviços

São vários serviços para auxiliá-lo em sua obra:

Depoimentos

"Recebi meus livros do clube de autores. Obrigada por me ajudarem a realizar o projeto mais demorado e difícil da minha vida. O trabalho de vocês é absolutamente perfeito. O livro ficou lindo! Quero agradecer o atendimento, o acabamento e confecção do livro. Chorei de felicidade ao perceber o cu..."

Maria Dudah Senne

Formas de Pagamento (até 12x)

Segurança

Print


Clube de Autores Publicações S/A   CNPJ: 16.779.786/0001-27

Rua Otto Boehm, 48 Sala 08, América - Joinville/SC, CEP 89201-700