UM ÚLTIMO BEIJO EM PARIS
POEMAS
Categorias
Poesia, Literatura Nacional, Entretenimento
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 687 vezes desde 03/09/2018
Versão
impressa
R$ 42,68
Valor total:
R$ 42,68
Versão
ebook
R$ 17,22
Disponível em:
PDF
Valor total:
R$ 42,68
Este livro pode estar à venda na:
Este ebook também pode estar à venda na:
Sinopse

43º livro do autor dos seguintes livros, todos eles publicados no Clube de Autores e na Amazon, em versão impressa e digital:

a)- Poemas:

1. OS OCEANOS ENTRE NÓS

2. PÁSSARO APEDREJADO

3. CABRÁLIA

4. NUNCA TE VI, MAS NUNCA TE ESQUECI

5. SOB O OLHAR DE NETUNO

6. O TEMPO QUE SE FOI DE REPENTE

7. MEMÓRIAS DE UM FUTURO ESQUECIDO

8. ATÉ A ÚLTIMA GOTA DE SANGUE

9. EROTIQUE

10. NÃO ME LEMBREI DE ESQUECER DE VOCÊ

11. ATÉ QUE A ÚLTIMA ESTRELA SE APAGUE

12. EROTIQUE 2

13. A CHUVA QUE A NOITE NÃO VIU

14. A IMENSIDÃO DE SUA AUSÊNCIA

15. SIMÉTRICAS – 200 SONETOS (OU COISA PARECIDA) DE AMOR (OU COISA PARECIDA”)

16. AS VEREDAS ONDE O MEU OLHAR SE PERDEU

17. A MAGIA QUE SE DESFEZ NA NOITE

18. QUAL É O SEGREDO PARA VIVER SEM VOCÊ?

19. OS TRAÇOS DE VOCÊ

20. STRADIVARIUS

21. OS SEGREDOS QUE ESCONDES NO OLHAR

22. ATÉ SECAREM AS ÚLTIMAS LÁGRIMAS

23. EROTIQUE 3

24. OS POEMAS QUE JAMAIS ESCREVI

25. TUA AUSÊNCIA, QUE ME DÓI TANTO

26. OS DRAGÕES QUE NOS SEPARAM

27. O VENTO QUE NA JANELA SOPRAVA

28. EROTIQUE 4

29. A NOITE QUE NÃO TERMINOU NUNCA MAIS

30. AS HORAS QUE FALTAM PARA TE VER

31. OLYMPUS: LIVRO 1 – EROS (1ª PARTE)

32. OLYMPUS: LIVRO 1 – EROS (2ª PARTE)

33. NO AR RAREFEITO DAS MONTANHAS

34. VOCÊ SE FOI, MAS ESTÁ AQUI

35. O AMOR QUE SE FOI E NÃO VOLTOU

36. OS VÉUS DA NOITE

37. OLYMPUS: LIVRO II - ARES, ARTHEMIS, ATHENA, CHRONOS, HADES, MORPHEUS E POSEIDON

38. MADRUGADAS DE SEDUÇÃO

39. O LUAR QUE EM TEUS OLHOS HABITA

40. OLYMPUS: LIVRO 1 – EROS (3ª PARTE)

41. ESSA SAUDADE QUE NÃO QUER IR EMBORA

b)- Contos e crônicas:

42. QUANDO SUA AUSÊNCIA ERA TUDO QUE HAVIA QUE HAVIA

Alguns trechos:

“Mas depois definho, / Pois minha hipotenusa / Não é a soma dos quadrados / De seus catetos, / Pois não liga para meus sonetos, / Em seus lixos jogados...”

“Invento histórias sobre paraísos arcanos, / Onde deuses brincam de bolinha de gude, / Desvendo tramas sobre amores profanos, / A quem a própria ilusão os ilude!“

“Desse teu infinito olhar, / Onde pulsa para mim um quasar, / E no qual percorri milhares de milhas, / Transbordam maravilhas...”

“Em um sonho, Deus me apareceu, / E seu Espírito por milagre me preencheu, / Então, línguas mortas de repente eu entendia, / E palavras estranhas invadiram minha Poesia!”

“Apaguei o seu telefone de minha agenda, / Vou passar um tempo na Dinamarca, / Quem sabe assim um dia eu aprenda / A secar essa tristeza que meus olhos encharca?”

“Estás imersa em meu sangue / E alimentas meu corpo exangue, / Que de vida é só um simulacro, / E tu, meu cálice de vinho sacro...”

“Descrevo em versos / Controversos / Toda a Poesia desse mundo / A vagar no espaço profundo / Onde reina essa imensa baderna / E ousamos sonhar com a vida eterna”

“Com você fiquei meio desapontado, / Rasguei e joguei no lixo sua resenha, / Não quero mais estar ao seu lado, / Meu lápis mental não mais a desenha!”

“Como podes me afetar tão forte / Por que me percorre esse arrepio / Como pude ter assim tanta sorte / Como teu mar veio aportar em meu rio?”

“Olho no espelho, não vejo ninguém, / Exceto uma sombra do que fui um dia, / A tua ausência não me fez nenhum bem, / Levou para longe o que me restava de Poesia...”

“Será que lerá os meus tristes versos, / Pelos quais uma lágrima brotara / De seus olhos, onde moram Universos / Onde, um dia, a Poesia reinara?”

“E então, de novo você some, / E se esquece até do meu aniversário, / Quando dezenas me ligam, menos você, / Deixando-me numa tristeza sem nome, / Onde o tempo é meu maior adversário, / Meus olhos transbordam, e sei bem porque...”

“Fuzilas-me com esses dois sóis / Que tens / E quase me destróis / Quando não vens / Pois às vezes desapareces / E somes em pleno ar / Sem ouvires minhas preces / Que desse teu olhar / São reféns”

“Amores são assim, traiçoeiros, / Chegam e se vão, ligeiros, / Virando depressa a esquina, / Enquanto o vento bagunça sua casa, / E a chuva escorre de seus olhos, / Deixando rastros pela vida inteira...”

“E pela vida inteira nos dissemos / Que, se nosso amor fosse acabar, / Haveria de ser em Paris, / Sob o luar refletido na Torre Eiffel.”

“Há 100 bilhões de estrelas no céu, / E posso vê-las todas em teu olhar, / Que se estendem a mim como um véu, / Nessa maravilha que me fascina, / E que me faz contigo sonhar, / A navegar pela noite nessa piscina”

“Você é a peça que faltava / Em meu quebra-cabeça / E agora espero até que anoiteça / Para mergulhar nessa sua lava / Que escorre copiosa / Nessa magia poderosa / Da fonte de seu prazer / Até você desfalecer”

“Ah, esse tempo desalmado, / Que nunca encontrou uma companheira, / Vinga-se de cada coração destroçado, / Fazendo-o sofrer pela vida inteira!”

“Você é minha musa, / Difusa, / Que me desparafusa, / Quando me olha confusa, / E devagar tira sua blusa, / Debaixo da qual nada usa, / E depois, docemente me abusa, / E nada recusa...”

“Perguntei à esfinge: “Quem sou eu? / Eu levo balas, mas não morro, / Morro de amor, mas continuo vivo, / Vivo sorrindo, mas triste sempre serei, / Serei eterno, assim que morrer, / Morrer não quero, / Quero apenas viver,”

“O que causou esse estranho tremor, / Se no Brasil não há terremotos? / Será porque de repente chegou o amor / Aguardado em meus sonhos mais remotos?”

“Cada vez mais, há casas / Que um dia foram lares, / Onde havia corpos em brasa, / E moravam todos os luares...”

“Podemos falar sobre séries ou futebol, / Sobre uma nevasca que caiu na Sibéria, / Sobre algum eclipse da Lua ou do Sol, / Mas falar sobre amor é coisa séria!”

”Todas as minhas plantas murcharam, / E a minha orquídea favorita secou, / Meus versos transbordantes minguaram, / E a minha inspiração se acabou!“

“Na última vez em que te vi, / Rasguei meus poemas esparsos, / Amaldiçoei o que senti por ti, / Desamarrei meus cadarços, / Enxuguei minhas garrafas de vinho, / Curti o primeiro porre em anos, / Toquei pela última vez meu pinho, / E enterrei todos os nossos planos...”

“As paredes entre nós são cão imensas, / Que ramais conseguiremos derrubá-las! / As matas ao nosso fedor são tão densas, / Que escudo que nos resta é respeitá-las.”

“Senti / Uma saudade incontrolável, / De teu beijo indomável, / De nosso amor tão raro, / De nossas noites em claro, / Com paixão a nos beijarmos, / Com volúpia a nos amarmos. / Tive tanta vontade de te ver, / Pois como é possível viver / Sem ti?”

“Por todo este semestre, / Serei teu dedicado mestre / No Kama Sutra e suas artes eróticas, / Ensinando-te as posições exóticas / Do prazer sem limites, / A cada vez que me fites”

“Era para ter dado certo, / Aquele romance que você suicidou, / Mas cansei de esperar chover no deserto, / Aquele triste amor terminou...”

“Por isto, você que passa pela minha rua, / E me vê, vasculhando em vão o horizonte, / Não me console, pois a saudade continua, / Gravada para sempre em meu código-fonte!”

“A noite no céu ia alta / Quando uma ema pernalta, / Eufórica e cheia de graça, / Esqueceu-se de que era caça, / E fez com o leão uma piada, / Mas logo foi por ele devorada, / E dela nem uma pena sobrou, / E foi então que a festa acabou!”

“Quando você me quis, / Meu coração ficou por um triz, / Mas eu não a queria, / Pois ainda nada sabia / De paixão ou de amor,”

“E vamos escondendo nosso amor proscrito, / Fazendo de conta que somos desconhecidos, / Mas só nós sabemos desse desejo infinito, / E o silêncio acoberta nossos roucos gemidos...”

“As lágrimas estão sempre ali, à espreita, / Não se esgotaram ao lado do caixão / Que abrigou o corpo de quem nos deixou; / O destino nos legou a tristeza perfeita, / O resto da vida tentando conter a emoção, / Levantando-nos do chão para seguir com o show...”

“A vida nos ilude, / Esse tal Facebook / Não passa de um truque: / A moça linda que tirou tua paz / Postou uma foto de 30 anos atrás,”

“Logo comprou uma cobertura na Vieira Souto, / E um apartamento em Paris, / Uma vez, foi preso, e logo depois solto, / Escapou de outras prisões por um triz!”

“Eu te pedi uma bala de toffee, / E ganhei uma risada espontânea, / Que me inspirou uma linda estrofe / E me gerou uma paixão instantânea...”

“O coração bate cada vez mais fraco, / Cada uma de minhas veias está entupida, / E a cada dia surge um novo buraco / Nessa colcha de retalhos que chamam de vida...”

“Capturei a essência do sonhar / Só para contigo devanear, / E agora acordar não mais quero, / Porque para você não passo de um zero!”

“Vejo essa lágrima que de teus brotou / E me pergunto se precisarás de lupas / Para perceberes que tantas desculpas / Invento porque nosso amor terminou”

“Não fique triste, não há porque, / Depois que cair a última bomba, / Quem hoje de você tanto zomba / Terá virado cinzas como você!”

“Cansei-me desses jogos de paixão, / Tudo o que quero agora é sossego, / Vou ficar quieto na escuridão, / De cabeça para baixo, como um morcego!”

“Mas nada do que eu Lígia mudará isto, / O jeito é eu ir para o Norte, você para o Raul, / Você me expulsou de sua vida como um cisto / Que Clarice entrado na retina de teu olhar azul!”

“Depois que eu partir, / Para não mais voltar, / Saudades irás sentir, / Mas não vás chorar, / Pois assim são nossas vidas, / Entre bailes e batalhas, / Chegadas e partidas, / Flores e navalhas, / Oceanos e portos, / Tristeza e alegria, / Vivos e mortos, / Funk e Poesia, / Assim é este mundo, / Feito de extremos, / E no espaço de um segundo / Amamos e morremos...”

“Aconteceu o que parecia implausível: / Minha paixão ficou sem combustível, / O seu bilhete de amor ficou ilegível, / E me comportei de modo desprezível!”

“Nasceram para serem assim, / Instantâneos e solitários, / E mal nasceram, chegam ao fim, / Sob a maldição dos horários / Que controlam a duração / De amores malfadados, / Que não passam de efêmera paixão, / Soltando destroços por todos os lados...”

“E agora fica te jogando iscas / Que não queres mais morder, / E meu nome de tua agenda riscas / Enquanto uma lágrima insiste em escorrer...”

“Pois uma coisa apenas é certa: / Meu corpo dormirá num jazigo, / Mas estará para sempre contigo / Minha alma, enfim liberta!”

“Pensei que não te esqueceria jamais, / Mas em ti, já quase não penso. / Em meus sonhos, não vives mais, / Desvaneceu-se aquele amor imenso...”

“The darkness exists since the beginning, / Tangible over all the things, / And even when you think you’re winning, / It comes and cuts your wings!”

Características
ISBN 9781720027300
Número de páginas 103
Edição 1 (2018)
Formato A5 (148x210)
Acabamento Brochura c/ orelha
Coloração Preto e branco
Tipo de papel Offset 75g
Fale com o autor
MARCOS AVELINO MARTINS

BIOGRAFIA

Engenheiro Eletricista pela Universidade de Brasília por formação, Analista de Sistemas por opção, poeta por destino, casado, 2 filhos e 1 neto, apreciador de boa música, cinema, literatura, HQs, seriados e amigos (não necessariamente nesta ordem).

Escreve desde os 17 anos, inicialmente letras de músicas, alguns contos avulsos, poemas esparsos, e de alguns anos para cá, com uma produção intensa, já com 75 livros publicados, pelo Clube de Autores e pela Amazon.

LIVROS PUBLICADOS:

1. OS OCEANOS ENTRE NÓS

2. PÁSSARO APEDREJADO

3. CABRÁLIA

4. NUNCA TE VI, MAS NUNCA TE ESQUECI

5. SOB O OLHAR DE NETUNO

6. O TEMPO QUE SE FOI DE REPENTE

7. MEMÓRIAS DE UM FUTURO ESQUECIDO

8. ATÉ A ÚLTIMA GOTA DE SANGUE

9. EROTIQUE

10. ATÉ QUE A ÚLTIMA ESTRELA SE APAGUE

11. NÃO ME LEMBREI DE ESQUECER DE VOCÊ

12. EROTIQUE 2

13. A CHUVA QUE A NOITE NÃO VIU

14. A IMENSIDÃO DE SUA AUSÊNCIA

15. SIMÉTRICAS

16. AS VEREDAS ONDE O MEU OLHAR SE PERDEU

17. A MAGIA QUE SE DESFEZ NA NOITE

18. QUAL É O SEGREDO PARA VIVER SEM VOCÊ?

19. OS TRAÇOS DE VOCÊ

20. STRADIVARIUS

21. OS SEGREDOS QUE ESCONDES NO OLHAR

22. ATÉ SECAREM AS ÚLTIMAS LÁGRIMAS

23. EROTIQUE 3

24. OS POEMAS QUE JAMAIS ESCREVI

25. TUA AUSÊNCIA, QUE ME DÓI TANTO

26. OS DRAGÕES QUE NOS SEPARAM

27. O VENTO QUE NA JANELA SOPRAVA

28. EROTIQUE 4

29. A NOITE QUE NUNCA MAIS TERMINOU

30. AS HORAS QUE FALTAM PARA TE VER

31. OLYMPUS: LIVRO 1 – EROS (1ª PARTE)

32. OLYMPUS: LIVRO 1 – EROS (2ª PARTE)

33. NO AR RAREFEITO DAS MONTANHAS

34. VOCÊ SE FOI, MAS ESTÁ AQUI

35. O AMOR QUE SE FOI E NÃO VOLTOU

36. OS VÉUS DA NOITE

37. OLYMPUS: LIVRO II - ARES, ARTHEMIS, ATHENA, CHRONOS, HADES, MORPHEUS E POSEIDON

38. MADRUGADAS DE SEDUÇÃO

39. O LUAR QUE EM TEUS OLHOS HABITA

40. QUANDO SUA AUSÊNCIA ERA TUDO QUE HAVIA (contos e crônicas)

41. ESSA SAUDADE QUE NÃO QUER IR EMBORA

42. OLYMPUS: LIVRO I - EROS (3ª PARTE)

43. UM ÚLTIMO BEIJO EM PARIS

44. OLYMPUS: LIVRO III - APHRODITE, APOLLO, GAIA, HERA E ZEUS

45. DE QUAL SONHO MEU VOCÊ FUGIU?

46. O LABIRINTO NO FIM DO POEMA

47. CADÊ O AMOR QUE ESTAVA AQUI?

48. OS RIOS QUE FOGEM DO MAR

49. ÚLTIMOS VERSOS PARA UM PERDIDO AMOR

50. OLYMPUS: LIVRO IV - PANTHEON

51. AH, POESIA, O QUE FIZESTE?

52. UM VERSO SUICIDA

53. ELA SE FOI, E NEM DEIXOU MENSAGEM

54. A NAVE QUE TE LEVOU PARA LONGE

55. EROTIQUE 5

56. O LADO NEGRO DA POESIA

57. UM OLHAR VINDO DO INFINITO

58. APENAS UM CONTADOR DE HISTÓRIAS

59. RÉQUIEM PARA UM AMOR NAUFRAGADO

60. OLYMPUS: LIVRO V - THESSALIA

61. POETICAMENTE TEU

62. AQUELA NOITE DO ADEUS

63. PASSOS QUE SE AFASTAM NA NOITE

64. FRAGMENTOS DE UM SONHO QUE PASSOU

65. OLYMPUS: LIVRO VI – PARTHENON

66. PASSAGEM PARA A SAUDADE

67. A PORTA DA SOLIDÃO

68. NUNCA MAIS TEUS BEIJOS

69. EROTIQUE 6

70. CIRANDA POÉTICA

71. AS HISTÓRIAS QUE NÃO TE CONTEI

72. A ÚLTIMA VEZ EM QUE TE AMEI

73. ESSA AUSÊNCIA QUE ME DEVORA

74. A NOITE IMENSA SEM ELA

75. OLYMPUS: LIVRO VII – ACROPOLIS

76. PORÕES E NAUFRÁGIOS

77. UM TROVADOR NO SÉCULO XXI

78. RESQUÍCIOS DE UM SORRISO TEU

Participante das antologias:

• “Declame para Drummond 2012” (2012), com o poema “Máscaras”;

• Antologia 2015 – Literatura Goyaz” (2015), com os poemas “Os oceanos entre nós” e “Morpheus”;

• “Desafio” (2016), com os poemas “Finito”,”De solidão e de sonhos” e “Olhar”;

• “Dez Poetas e Eu – Vol. 3” (2016), com os poemas “Átimo”, “Diário”, “Julgamento”, “Roleta russa”, “Buracos negros”, “Paronímia”, “As últimas gotas de orvalho”, “Repositório”, “Simplesmente você” e “Quando eu te conheci”; e

• “Raiz da Poesia” (2017), antologia internacional entre países de língua portuguesa, com os poemas “Os segredos que escondes no olhar”, “Borboleta”, “Autópsia”, “La nuit”, “O tio da suspeita”, “Aldebaran” e “Os sons do silêncio”.

Página no site “Templo de Delfos”, relicário da Literatura:

http://www.elfikurten.com.br/2016/08/marcos-avelino-martins.html

Contato: [email protected]

Celular: (62) 99971-9306

Mais publicações desse autor
Ver a lista completa
Impresso
R$ 43,68
Ebook
R$ 17,22
Impresso
R$ 43,45
Ebook
R$ 17,22
Impresso
R$ 65,81
Ebook
R$ 20,45
Impresso
R$ 43,50
Ebook
R$ 17,22
Impresso
R$ 52,31
Ebook
R$ 19,37
Impresso
R$ 43,32
Ebook
R$ 17,22
Impresso
R$ 43,41
Ebook
R$ 17,22
Impresso
R$ 43,45
Ebook
R$ 17,22
Impresso
R$ 43,41
Ebook
R$ 17,22
Impresso
R$ 42,64
Ebook
R$ 17,22
Publicações relacionadas
Ver a lista completa
Comentários
0 comentários