Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO
Ventos Menineiros
Categorias
Autoajuda, Filosofia, Literatura Infanto Juvenil, Crescimento Pessoal, Espiritual, Meditations
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 1561 vezes desde 09/10/2016
Versão
impressa
R$ 29,15
Valor total:
R$ 29,15
Versão
ebook
R$ 11,84
Disponível em:
epub
Valor total:
R$ 29,15
Este livro pode estar à venda na:
Este ebook também pode estar à venda na:
Sinopse

Marcos, teus poemas são lindos, originais, bem escritos e brincam nas metáforas. Fazia tempo que eu não lia nada tão bonito.

Dizem que os espíritos mais elevados são capazes de ver as coisas belas do mundo. E tua poesia tem uma energia muito linda, positiva. Meus sinceros parabéns. Ao ler teus poemas, a gente chega ao final e decide ler novamente para degustar mais vagarosamente cada verso, cada combinação. Estou surpresa com a qualidade dos teus escritos. Em algumas partes eu voltei a leitura várias vezes, para visualizar melhor a construção.

Que me perdoem os tantos poetas que tenho lido ultimamente, mas se tiver que apontar algum em especial, dessa nossa época, com toda certeza será Marcos D. Gontijo. O poeta que brinca com os versos. Na verdade, em tua poesia, a sensação que se tem é que os versos vão se derramando sozinhos pelas linhas...Você nasceu para isso.

No mais, gostaria de acrescentar que compactuo com a opinião do poeta Marion Cruz sobre a tua poesia, e também que teu "poetizar" me lembra imensamente Manoel de Barros. Nossa, quanta riqueza percebida em todas as coisas para a quais você olha. Olhos abençoados, que enxergam a mais bonita essência de tudo.

Desejo que Deus te abençoe grandemente. Que você continue com esse dom mágico de perceber a beleza nas coisas mais simples e nas coisas complexas, e com essa destreza de saber brincar com as palavras tornando-as tão belas, tão mágicas.

Grande abraço poeta. Muita, muita, muita inspiração para você sempre.

Andrea Cristina Lopes - Revisora, escritora, poeta

==================

Impressões, interações e emoções ao ler os poemas da obra.

Ao poeta tudo é permitido, e assim como os ventos, criam-se os versos gracejos e do mundo que se comtempla surgem as revivências dos mais sublimes encantamentos.

E laborosos, os dias chegam plenos de iludências, surpreendências, quando em chuvadas tardes cantam os ventos tamborilantes.

Palavreando, dando forma às novas palavras, asar nos ventos, sendo quem é. Não esquivar-se com o contraditório, reconhecer-se o todo das partes.

Presenciar luz, estender passagem, não ter medo do sonho. O belo se esconde tão dentro da gente!

As lembranças vigiam os passos, a saudade mina nos olhos.

A natureza tem muitas faces, mas apenas a face do poeta se volta ao voo da ave sobre a água, ao brilho do inseto que adenta a noite em passeios suaves, à árvore que se dobra ao cantar o vento. E seus olhos se refestelam nas palavras de amor.

Assim segue o poeta, a suspirar do tempo, acolhendo outros fatos. Uma metamorfose que brinda as lições recebidas e bebe do gosto da terra. E no pendular das transformações faz de conta que a saudade finda em alguma dimensão. Tudo é um mágico compartilhar.

Tudo é um eterno construir. E a cada vida pulsante, um naco de vento, um todo do pensamento.

Por estradas surreais a poesia crepita. Dessas que respira o solo quente, semeia ilhas, colhe arquipélagos. A minha poesia se encolhe, se intimida diante do clarão que refestela meus olhos. As palavras não chegam a fazer sentido ao tentar descrever, nada alcança tão alto grau de beleza. Meus olhos sorriem ao ler tão mágica poesia.

A poesia que ele canta: desperta sonolências por entre os ares translúcidos, profundos, vivos feito luz que ressalta do espelho.

Cada verso rima amor, os mais lindos encantos que a natureza é capaz de produzir. São poemas que despertam um novo mundo, onde o sol reina em brilho sobre as águas e a relva fresca jamais perde seu viço.

Nada é imperceptível à sensibilidade do poeta. Ele ilumina o que já não tem brilho, dá forma, faz ritmo, dança quando os sons são insípidos. E nas doces manhãs, colhe o que se reflete, faz versos Faz versos de fogo, espelhos e purpurinas.

Mudar o cenário, vazar as cores, ter e querer o melhor do dia. Ouvir as histórias, encantamento, sonhos, magia e estar em paz, saber plantar e rabiscar o céu com pensamentos.

A poesia nasce do que de mais lindo pode haver em nós. As joias que seguem no peito, o dia especial na lembrança. A esperança com o vindouro e a paz com o que não se tem.

De onde dormem os sonhos, é o amor que beija as fantasia. É o amor que sorri luz ás razões e cores ás sombras.

É o tempo que acorda as sementes. Nada mais intenso do que um olhar que dardeja em sentimentos. E o poeta escuta os ventos e deita sua essência, e assim, som sona seus sonhos e seus desvarios.

O poeta reside onde é possível ler os rabiscos no céu, nos cheiros da infância. O poeta é infinito, nele tudo se faz presente e o poeta tudo vê, tudo nota, tudo sorve, tudo habita. E com seus olhos tomados pelo que há de mais belo, segue. Vai ele Meninando aos ventos, cantarolando sob as gotículas refletidas de sol.

Para o poeta não há limites e seus olhos voam longe. Só poetas desvendam segredos guardados nas chaves, só poetas vem nas portas um outro horizonte. E só o poeta decifra os dizeres do tempo. Cria palavras, cria sentidos diversos às palavras corriqueiras. E capta das entrelinhas a essência mais pura, é capaz de ler ipês. Só o poeta pode ler com os melhores olhos, todas as coisas do mundo.

É preciso alumiar. Poetizar é ter olhos amplos, por vezes imensos. É preciso ter o alcance dos olhos dos homens luzes.

Andrea Cristina Lopes - Revisora, escritora, poeta

Características
ISBN 978-85-921868-0-7
Número de páginas 88
Edição 1 (2016)
Formato A5 (148x210)
Acabamento Brochura c/ orelha
Coloração Preto e branco
Tipo de papel Offset 75g
Marcos Delgado Gontijo

O poeta Marcos Delgado Gontijo nasceu na cidade mineira de Bom Despacho onde viveu até os 19 anos. Mudou-se para Belo Horizonte onde cursou engenharia de minas e fez mestrado na área. Trabalhou em empresas do setor mineral, foi professor universitário e ingressou (em 2010) no Serviço Público Federal. Atualmente mora em João Monlevade – MG, é casado e pai de dois filhos.

Poeta dinâmico, apaixonado pela natureza e adepto a leitura, escreve desde os 15 anos. A infância simples, marcada pelo convívio com coisas do campo, bem como a adolescência pacata na cidade do interior mineiro carregam sua riqueza poética.

Em 2013 publicou seu primeiro livro: Milho de Grilo – um livro de recordações. Desde então, publicou: O Pormenor (2013), A Fala na Rouquidão (2014), Um Dia para Ter Meu Assovio (2016), A Oração do Fogo (2016) e Ventos Menineiros (2016). Atualmente escreve os Livros Coração de Búfalo e Vagamundos e Girassóis.

Site Oficial: http://asfabricasdotempo.wixsite.com/as-fabricas-do-tempo

Wattpad: https://www.wattpad.com/user/Marcosdgontijo

Pedidos pelo site: https://clubedeautores.com.br

e-Book Kindle - https://www.amazon.com.br

Canal: https://www.youtube.com/channel/UC3dfFz60LPrhS7akYmHJefg

E-mail: [email protected]

Mais publicações desse autor
Ver a lista completa
Impresso
R$ 29,60
Ebook
R$ 11,84
Impresso
R$ 29,52
Ebook
R$ 12,92
Impresso
R$ 28,82
Ebook
R$ 11,84
Impresso
R$ 29,77
Ebook
R$ 11,84
Impresso
R$ 30,18
Ebook
R$ 11,84
Comentários
1 comentários
Roberto Matheus da Costa
Terça | 18.10.2016 às 15h10
Te vi na parte de autores em destaque e resolvi passar por aqui para desejar-lhe boas vendas e muitas felicidades na sua trajetória. Também escrevo poemas e tenho alguns publicados aqui e um livro publicado pela CHIADO Editora de Portugal. Grande abraço e sucesso!