VESTÍGIOS DE UM FOGO QUE SE APAGOU
POEMAS
Categorias
Poesia, Literatura Nacional, Entretenimento
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 64 vezes desde 30/03/2021
Versão
impressa
R$ 46,67
Valor total:
R$ 46,67
Versão
ebook
R$ 19,80
Disponível em:
PDF
Valor total:
R$ 46,67
Este livro pode estar à venda na:
Este ebook também pode estar à venda na:
Sinopse

87º livro do autor das séries "OLYMPUS" e "EROTIQUE", todos eles publicados no Clube de Autores, exceto "Poeticamente teu", da Coleção Prosa e Verso 2019 da Prefeitura de Goiânia.

Alguns trechos:

“Será que algum dia finalmente terei paz, / E poderei dizer que o meu coração sossegou, / Transformado em cinzas por um último amor voraz, / Deixando vestígios de um fogo que afinal se apagou?”

“E, mesmo que por um dia apenas, / Leve-me a suas praias serenas, / E diga-me frases obscenas, / Beije-me como nunca o fez, / Ainda que seja pela última vez...”

“Então, entre aqueles povos, antes adversos, / A paz se fez por causa daqueles versos, / E juntos compuseram para eles uma linda melodia, / Criando assim uma nova forma de Poesia, / Que se espalhou, triunfante, / Semeando a paz, antes sonho delirante,”

“Dizem alguns que sou louco, / Por ir atrás de meus sonhos, / Mas e se for este o segredo? / Mas sempre fui meio louco sim, / Se não o fosse, não seria poeta,”

“No fundo, é porque eu lhe atraio, / Mas você tem medo de mim, / Mas não mordo, exceto em lugares estratégicos, / Onde suaves mordidas arranquem doces gemidos...”

“E depois de ficar insanamente nua, / Cubra com a mão seus segredos, / Faça cara de menina levada, / E pergunte se vou ficar aqui parado, / Ou se preciso que me instrua / A invadi-la, com meus lábios e dedos,”

“Não fuja, / Para seu mar não abrigar o meu rio, / Não ruja / Como uma leoa no cio! / Meus dentes não mordem ninguém, / Exceto para arrancar gemidos de prazer,”

“Depois do vendaval que nos separou, / Levando consigo histórias e destinos, / Como limpar a bagunça que o vento deixou, / E junto esquecer os nossos desatinos?”

“E então, a primeira coisa que fiz / Foi descobrir onde você mora / E vir aqui, cheio de medo, / Tocar a sua campainha, / E, ainda cheio de rubor, / Pois algumas coisas não mudam, / Perguntar-lhe, olhos nos olhos, / Se existe alguma forma, / Por mais difícil que seja, / De armar de novo / Aquelas doces armadilhas / Nesse seu olhar que jamais esqueci...”

“Descobri que de amor nada sei, / E até a Poesia de mim se cansou, / Fugiu da casca vazia que me tornei, / De tudo o que eu amava, nada restou...”

“Pois, nessas tramas que a vida tece, / Escritas por algum sádico escritor, / Quando, ao final de cada ato, a cortina desce, / Só o que vemos é mais uma cena de horror!”

“E imagino: onde será que andas? / De ti, nunca mais tive notícias, / Nunca mais te vi por essas bandas, / Mas nunca esqueci tuas delícias.”

“Quando tudo em volta eram ruínas, / Chegaste e rompeste minhas trevas, / Descobriste tesouros em minhas minas, / Fizeste jorrar amor de minhas fontes primevas!”

“Você está por aqui à minha volta, à solta, / Irredutível, de modo inconcebível, / Como se não houvesse partido / Para o lugar de onde não se volta...”

“Meu nome agora é Ninguém, / Contando os dias que me restam / Para juntar-me à multidão dos errantes, / Que vagam pelas profundezas do inferno, / Por toda a Eternidade...”

“Mas você nunca me amou, não sei o porquê, / E, se me disse, não guardei na memória, / Mas o tempo passou, nesse galope incessante, / E até hoje me lembro de seus olhos perversos, / Ao me dizer adeus naquela noite escaldante, / Que fez nascerem os mais tristes de meus versos...”

“Mas só tive amores que nunca quis, / O que tanto queria jamais consegui, / A dona do olhar que para mim brilhava / Nunca foi minha...”

“Mas eu preferiria / (Que me desculpe a Poesia!) / Que esse deus desalmado / Tivesse me acertado, / Em vez dessa cruel flechada, / Quem sabe com uma pedrada / Bem no meio do rim...”

“Algures, alijando alquimistas alopáticos, / Aliados além alcance almejam alforria. / Alguém alterado alucinadamente alardeia: / Aleluia, Alá!”

“O ser humano é um animal erótico, / Seduzir faz parte de nossos legados, / A sedução é como um ato hipnótico, / Que espalha feromônios por todos os lados!”

“E meus risos deram lugar à tristeza, / Pois não há maior tormento que esse, / Chamado saudade, doença traiçoeira, / Provocada pela sua ausência...”

“E, quando você se vira, e me encara, / E vê esse espanto em meus olhos estampado, / Suas asas se abrem, e você ri da minha cara, / E da minha cegueira, típica de apaixonado!”

“De tudo o que me disseste, / Só de uma palavra eu me lembro, / Exatamente a última: "adeus", / E ela se espalhou como uma peste, / Naquele triste dia de Setembro, / Infiltrando-se nos dias meus, / Pelas minhas sinapses e neurônios, / Gânglios, células, veias e artérias, / Implacável, destruidora, / A alimentar meus demônios...”

“Quanto mais passam os anos, menos me restam, / Perdi há muito tempo o viço da juventude, / Essas marcas em meu rosto o atestam, / Mesmo que continue esbanjando saúde.”

“Eu já preparava o ataque / Para te dar um beijo, mas me deste um breque, / E, com aquele teu enorme chilique, / Confesso que levei um choque, / E acho que fiquei mais verde que o Hulk!”

“Mas o que é que posso fazer, / Exceto dar vazão a tantas histórias tão diferentes, / Que vivem a bailar pelos meus pensamentos, / Como se tivessem acabado de acontecer, / Ou outras que ainda nem sequer ocorreram?”

“Sou especialista em Letras Mortas / E estudioso em Ciências Apagadas, / Tentando em vão abrir sinistras portas, / Que deveriam permanecer para sempre fechadas!”

“No meu aniversário, num certo dia de Agosto, / Nesse clima seco, em mim faz um frio polar, / Por que minha nave te trouxe a bordo, / Em minhas viagens sem fim pelo inverno, / E essa lágrima doida insiste em rolar / Pelas rugas que marcam meu rosto?”

“De meu antigo eu, ando à procura, / Aos poucos, vou perdendo a sanidade, / E essa vacina contra amor não é a cura / Para essa doença chamada saudade...”

“O seu oceano engoliu o meu lago, / Seu martelo entortou o meu prego, / E o tempo virou meu maior inimigo! / Em nome da emoção, apague o meu fogo, / Só por ti o verbo amar de tantas formas conjugo...”

“Eu sem você, / Sou chuva sem temporal, / Um piloto sem brevê, / Um amor sem contato carnal.”

“Passamos uma noite juntos apenas, / E essa única noite foi um fracasso, / A comunhão de nossos corpos não deu liga, / Não protagonizamos eróticas cenas, / Tu és meio frígida, e eu sou meio devasso, / Não menciono teu nome em nada que eu diga.”

“Eu sou a sua lenda, e você, a minha história, / Eu sou a sua lembrança, e você, minha memória, / Eu sou a sua doença, e você, a minha cura, / Eu sou o seu amargor, e você, minha doçura,”

“Expulse‌ ‌de‌ ‌seu‌ ‌coração‌‌ / Tudo‌ ‌o‌ ‌que‌ ‌não‌ ‌for‌ ‌convidado,‌‌ / Expulse‌ ‌a‌ ‌tristeza‌ ‌e‌ ‌o‌ ‌pecado.‌‌ / Dê‌ ‌um‌ ‌adeus‌ ‌sem‌ ‌explicação‌‌ / A‌ ‌quem‌ ‌não‌ ‌lhe‌ ‌demonstra‌ ‌amor,‌‌ / Compre‌ ‌um‌ ‌bilhete‌ ‌sem‌ ‌volta‌‌ / Para‌ ‌quem‌ ‌lhe‌ ‌enche‌ ‌de‌ ‌revolta,‌‌ / E‌ ‌de‌ ‌um‌ ‌silêncio‌ ‌assustador.‌‌”

“Mas, quando chegar o meu dia enfim, / Libertarei a Poesia, em minha alma cativa, / Para que, mesmo após o meu fim, / A melhor parte de mim sobreviva...”

“Depois dessa última estação, não há mais passagens disponíveis, / O condutor já recolheu o derradeiro bilhete, / Tudo o que nos resta é nos lembrarmos dos momentos incríveis, / E de quando, no dicionário do amor, adicionamos o último verbete!”

“Adeus, minha amada, será que você também me ama? / Jamais saberei, e depois desse último poema, / Sobre o derradeiro instante que esse corte sublima, / E subitamente desse mundo me toma, / Sigo rumo à eternidade, se é que existe alguma...”

“Nessas silenciosas conversas / Entre nossos olhares, / Que se cruzam suavemente, / Vejo, em teus olhos imersas, / As luzes de vários pulsares, / Que me provocam mansamente...”

“Fui caçar uns dias na praia, / Mas no último dia de pilhérias / Esqueci de passar filtro polar, / E fiquei todo teimado! / Logo depois que revoltei, / Consultei-me com o ortopédico, / Que me receitou uma tomada, / Para curar minhas ataduras!”

“Minha cachorra nunca mais soltou / Os seus alegres latidos, / A música em minha casa nunca voltou, / Pois mortos por dentro não emitem ruídos.”

“Quando finalmente nos descolamos, / Mas abraçados ainda ficamos, / E esse fogo selvagem aos poucos morre, / Enquanto minha seiva de seus lábios escorre, / E então, a noite suavemente me responde, / Pois, vindo não sei de onde, / Vem-me à mente, num silêncio revelador, / A descoberta de que o nome desse fogo é amor...”

“Será que essa sensibilidade imensa, / Que mostro nas histórias que a noite tece , / Não passa de uma doença, / Que se manifesta assim que anoitece?”

“De narrar tragédias / Já ando cansado, / Mas como inventar comédias, / Nesses tempos onde rir é pecado, / Se hoje é politicamente incorreto / Sacanear com qualquer pessoa, / Pois baixaram um decreto / Proibindo mexer com quem nasceu em Lisboa, / Ou com quem tem cabelo pixaim, / Ou por acaso seja meio gorducho?”

“A Poesia é o meu último recurso / Para combater essa hecatombe em curso, / Esse holocausto que se abate sobre mim, / Materializado nessa noite sem fim...”

“De ti tenho sede, / Mas bato nessa parede / Que entre nós ergueste, / Quando, sem que eu visse, desceste / Suavemente do céu, / Com tênues asas de papel, / Como se um anjo fosses, / Com esses teus lábios doces, / Mas que dizem palavras de aço, / Que arrancam de mim um pedaço,”

“Sempre que tento desvendar teus mistérios, / Tu me olhas com esses olhos profundos / E perguntas se não tenho problemas mais sérios / Do que tentar invadir os teus mundos...”

“Pois poetas são assim, sonhadores, / Sempre surfando em ondas proibidas, /

Explorando cavernas mentais, / Imaginando replicar seus amores, / Guardando paixões reprimidas, / E sonhando com beijos siderais...”

“Se vier a 3ª onda, quem sabe, / Ao final dela, a Terra fique a salvo / Do pior de todos os vírus possíveis, / Que chamam por aí de ser humano!”

“Em minhas aventuras poéticas, / Ajo como se fosse blindado, / Enfrento deuses e dragões, / Tenho habilidades proféticas, / Penteio a juba de ferozes leões, / Prevejo o longínquo futuro, / Viajo de volta ao passado...”

“A long time ago, / I used to run of the sweet traps, / Implicit in your gaze to me, / But I didn't know the reason of running! / I was so young and shy, / And I was terrified of you, / Didn't want to fall in love and suffer.”

Características
ISBN 979-87-250-7590-8
Número de páginas 124
Edição 1 (2021)
Formato A5 (148x210)
Acabamento Brochura c/ orelha
Coloração Preto e branco
Tipo de papel Couche 90g

Tem algo a reclamar sobre este livro? Envie um email para atendimento@clubedeautores.com.br

Fale com o autor
MARCOS AVELINO MARTINS

BIOGRAFIA

Engenheiro Eletricista pela Universidade de Brasília por formação, Analista de Sistemas por opção, poeta por destino, casado, 2 filhos e 1 neto, apreciador de boa música, cinema, literatura, HQs, seriados e amigos (não necessariamente nesta ordem).

Escreve desde os 17 anos, inicialmente letras de músicas, alguns contos avulsos, poemas esparsos, e de alguns anos para cá, com uma produção intensa, já com 87 livros publicados, sendo 86 deles pelo Clube de Autores e pela Amazon, e 1 da Coleção Prosa e Verso 2019 da Prefeitura de Goiânia - GO.

LIVROS PUBLICADOS:

1. OS OCEANOS ENTRE NÓS

2. PÁSSARO APEDREJADO

3. CABRÁLIA

4. NUNCA TE VI, MAS NUNCA TE ESQUECI

5. SOB O OLHAR DE NETUNO

6. O TEMPO QUE SE FOI DE REPENTE

7. MEMÓRIAS DE UM FUTURO ESQUECIDO

8. ATÉ A ÚLTIMA GOTA DE SANGUE

9. EROTIQUE

10. ATÉ QUE A ÚLTIMA ESTRELA SE APAGUE

11. NÃO ME LEMBREI DE ESQUECER DE VOCÊ

12. EROTIQUE 2

13. A CHUVA QUE A NOITE NÃO VIU

14. A IMENSIDÃO DE SUA AUSÊNCIA

15. SIMÉTRICAS

16. AS VEREDAS ONDE O MEU OLHAR SE PERDEU

17. A MAGIA QUE SE DESFEZ NA NOITE

18. QUAL É O SEGREDO PARA VIVER SEM VOCÊ?

19. OS TRAÇOS DE VOCÊ

20. STRADIVARIUS

21. OS SEGREDOS QUE ESCONDES NO OLHAR

22. ATÉ SECAREM AS ÚLTIMAS LÁGRIMAS

23. EROTIQUE 3

24. OS POEMAS QUE JAMAIS ESCREVI

25. TUA AUSÊNCIA, QUE ME DÓI TANTO

26. OS DRAGÕES QUE NOS SEPARAM

27. O VENTO QUE NA JANELA SOPRAVA

28. EROTIQUE 4

29. A NOITE QUE NUNCA MAIS TERMINOU

30. AS HORAS QUE FALTAM PARA TE VER

31. OLYMPUS: LIVRO 1 – EROS (1ª PARTE)

32. OLYMPUS: LIVRO 1 – EROS (2ª PARTE)

33. NO AR RAREFEITO DAS MONTANHAS

34. VOCÊ SE FOI, MAS ESTÁ AQUI

35. O AMOR QUE SE FOI E NÃO VOLTOU

36. OS VÉUS DA NOITE

37. OLYMPUS: LIVRO II - ARES, ARTHEMIS, ATHENA, CHRONOS, HADES, MORPHEUS E POSEIDON

38. MADRUGADAS DE SEDUÇÃO

39. O LUAR QUE EM TEUS OLHOS HABITA

40. QUANDO SUA AUSÊNCIA ERA TUDO QUE HAVIA (contos e crônicas)

41. ESSA SAUDADE QUE NÃO QUER IR EMBORA

42. OLYMPUS: LIVRO I - EROS (3ª PARTE)

43. UM ÚLTIMO BEIJO EM PARIS

44. OLYMPUS: LIVRO III - APHRODITE, APOLLO, GAIA, HERA E ZEUS

45. DE QUAL SONHO MEU VOCÊ FUGIU?

46. O LABIRINTO NO FIM DO POEMA

47. CADÊ O AMOR QUE ESTAVA AQUI?

48. OS RIOS QUE FOGEM DO MAR

49. ÚLTIMOS VERSOS PARA UM PERDIDO AMOR

50. OLYMPUS: LIVRO IV - PANTHEON

51. AH, POESIA, O QUE FIZESTE?

52. UM VERSO SUICIDA

53. ELA SE FOI, E NEM DEIXOU MENSAGEM

54. A NAVE QUE TE LEVOU PARA LONGE

55. EROTIQUE 5

56. O LADO NEGRO DA POESIA

57. UM OLHAR VINDO DO INFINITO

58. APENAS UM CONTADOR DE HISTÓRIAS

59. RÉQUIEM PARA UM AMOR NAUFRAGADO

60. OLYMPUS: LIVRO V - THESSALIA

61. POETICAMENTE TEU (da Coleção Prosa e Verso 2019 da Prefeitura de Goiânia - GO)

62. AQUELA NOITE DO ADEUS

63. PASSOS QUE SE AFASTAM NA NOITE

64. FRAGMENTOS DE UM SONHO QUE PASSOU

65. OLYMPUS: LIVRO VI – PARTHENON

66. PASSAGEM PARA A SAUDADE

67. A PORTA DA SOLIDÃO

68. NUNCA MAIS TEUS BEIJOS

69. EROTIQUE 6

70. CIRANDA POÉTICA

71. AS HISTÓRIAS QUE NÃO TE CONTEI

72. A ÚLTIMA VEZ EM QUE TE AMEI

73. ESSA AUSÊNCIA QUE ME DEVORA

74. A NOITE IMENSA SEM ELA

75. OLYMPUS: LIVRO VII – ACROPOLIS

76. PORÕES E NAUFRÁGIOS

77. UM TROVADOR NO SÉCULO XXI

78. RESQUÍCIOS DE UM SORRISO TEU

79. CRONOS ENLOUQUECEU!

80. OLYMPUS: LIVRO VIII - MUSAS E MEDUSAS

81. SOMBRAS QUE RESTARAM DE NÓS

82. EROTIQUE 7

83. A CAIXA DE TINTAS DE DEUS

84. PONTES PARA LUGAR NENHUM

85. VELAS SOLTAS AOS VENTOS SOLARES

86. HISTÓRIAS QUE A NOITE NOS TRAZ

87. VESTÍGIOS DE UM FOGO QUE SE APAGOU

Participante das antologias:

• “Declame para Drummond 2012” (2012), com o poema “Máscaras”;

• Antologia 2015 – Literatura Goyaz” (2015), com os poemas “Os oceanos entre nós” e “Morpheus”;

• “Desafio” (2016), com os poemas “Finito”,”De solidão e de sonhos” e “Olhar”;

• “Dez Poetas e Eu – Vol. 3” (2016), com os poemas “Átimo”, “Diário”, “Julgamento”, “Roleta russa”, “Buracos negros”, “Paronímia”, “As últimas gotas de orvalho”, “Repositório”, “Simplesmente você” e “Quando eu te conheci”; e

• “Raiz da Poesia” (2017), antologia internacional entre países de língua portuguesa, com os poemas “Os segredos que escondes no olhar”, “Borboleta”, “Autópsia”, “La nuit”, “O tio da suspeita”, “Aldebaran” e “Os sons do silêncio”.

Página no site “Templo de Delfos”, relicário da Literatura:

http://www.elfikurten.com.br/2016/08/marcos-avelino-martins.html

Contato: cygnusinfo@gmail.com

Celular: (62) 99971-9306

Mais publicações desse autor
Ver a lista completa
Impresso
R$ 67,27
Ebook
R$ 23,03
Impresso
R$ 45,36
Ebook
R$ 19,80
Impresso
R$ 45,14
Ebook
R$ 19,80
Impresso
R$ 45,05
Ebook
R$ 19,80
Impresso
R$ 46,04
Ebook
R$ 19,80
Impresso
R$ 45,23
Ebook
R$ 19,80
Impresso
R$ 67,05
Ebook
R$ 19,80
Impresso
R$ 45,99
Ebook
R$ 19,80
Impresso
R$ 45,99
Ebook
R$ 19,80
Impresso
R$ 54,90
Ebook
R$ 21,96
Publicações relacionadas
Ver a lista completa
Impresso
R$ 33,20
Ebook
R$ 25,19
Impresso
R$ 42,63
Ebook
R$ 15,50
Impresso
R$ 65,26
Ebook
R$ 46,71
Impresso
R$ 43,69
Ebook
R$ 25,19
Impresso
R$ 48,03
Ebook
R$ 25,19
Impresso
R$ 43,70
Ebook
R$ 17,65
Impresso
R$ 35,61
Ebook
R$ 16,58
Impresso
R$ 34,22
Ebook
R$ 16,58
Impresso
R$ 41,79
Ebook
R$ 25,19
Impresso
R$ 44,68
Ebook
R$ 23,99
Impresso
R$ 38,45
Ebook
R$ 14,42
Comentários

Faça o login deixe o seu comentário sobre o livro.

0 comentários