A Cadela

O presidente era uma puta.

Por Breno Ferreira Da Silva

Código do livro: 565619

Categorias

Horror, Ficção Científica, Caribeanho E Latino Americano, Literatura Nacional, Ficção, Drama

Compartilhe este livro
Esta página foi vista 505 vezes desde 30/06/2023
Versão
ebook
R$ 32,66
Leia em Pensática
Valor total:
R$ 32,66
Este ebook também pode estar à venda na:

Sinopse

Um país que já teve nove moedas, sete constituições, inúmeros sonhos e projetos, não pode ser nada mais que um cemitério; um cemitério de estrelas ou um hospício bárbaro incomparável.

A famosa operação lava-jato tinha desbancado grandes players da corrupção brasileira. Doleiros, tesoureiros, ministros, deputados, juízes, autoridades vigentes, presidentes de estatais… e até uma figura idolatrada: o ex-presidente da república.

Quando Alvarenga percebeu que havia um vácuo na política, antes dominada pelo partido vermelho, que teve seu líder preso pela lava-jato, surgiu a ideia da presidência. Na verdade, essa ideia tinha surgido dois anos antes da prisão do Lobo, no impeachment da sua fantoche do cargo de “presidenta da ré pública”.

Ninguém poderia dizer que ele era um patriota, pois não conhecia a história de seu próprio povo – e se conhecia, a ignorava completamente. Nem que era um conservador, pois havia alguns furos de que se relacionara com animais, como dizia rindo, e trocava de mulher como um brasileiro trocava de ânimo, a cada derrota na Copa do Mundo.

Jailson Alvarenga não era nada – era apenas o que os brasileiros inventaram dele.

Como se iludir o povo com privatizações, armamento, liberdade econômica e social, investimentos, crescimento e parceria com os EUA não fosse o suficiente, o presidente começou a fazer tudo que sempre dissera ser contra.

Era vergonhosa a sua subserviência aos norte-americanos. Prestar continência à bandeira deles e, como chefe de uma nação, dizer “i love you president” para o cara da Casa Branca, era no mínimo broxante para o imbroxável. Quem podia dizer que fora das câmeras e na sala mais recôndita de Washington, ele não provasse o seu amor genuíno com um blowjob bem feito?

Os nomeados ao governo eram aliados do partido contra o qual batalhara nas eleições. As políticas eram completamente em prol do sistema e dos políticos. Querendo repetir, quem sabe, os feitos do Lobo no Mensalão, tentou comprar o Congresso Nacional, mas abriu uma torneira de suborno de uma forma tão catastrófica que nem ele mesmo conseguia controlar. E em vez de comprar os parlamentares, ele acabou tornando-se refém do sistema, o maior covarde e traidor dos 500 anos, e a cadela do Presidente da Câmara e do chefe no Senado.

O orçamento secreto transformou o “toma lá, dá cá” no vicioso “toma lá, toma lá”. Se antes o governo oferecia dinheiro em troca de votos, agora ele era obrigado a dar o dinheiro e não recebia apoio algum.

Características

Número de páginas 7
Edição 1 (2023)
Idioma Português

Tem algo a reclamar sobre este livro? Envie um email para atendimento@clubedeautores.com.br

Fale com o autor

Breno Ferreira Da Silva

Nascido e criado em Tapiramutá, no interior da Bahia, Breno Ferreira Da Silva nasceu aos 11 de setembro de 2001. Completou o Ensino Médio em 2019, e segue escrevendo/publicando de forma independente.

Começou escrevendo poesias em 2017, quando tinha 16 anos, e publicou a primeira de suas obras em 2018, que tem por título Insígnia Poética.

Sua escrita sofreu inúmeras transformações conforme foi escrevendo mais e ganhando experiências. Partindo desde uma linha sentimental e politicamente inconformada para um negativismo literário e um realismo cruel. Seus contos revelam, como ele mesmo faz questão de frisar, "a desgraça do homem".

Seus escritos sofrem influência de vários autores que teve contato. Admirador de livros clássicos, econômicos e políticos, faz questão de realizar provocações e ironias ácidas em cada parágrafo de suas obras.

Para ele, a literatura significa um agente importante na transformação social. Não um meio de vida, como um emprego. Apesar das recompensas monetárias, cada escritor carrega o peso de uma geração e de sua época. Como foi com Machado de Assis, Aluísio de Azevedo, Bernardo Guimarães, Nelson Rodrigues e tantos outros.

Comentários

Faça o login deixe o seu comentário sobre o livro.

0 comentários