Capacitar para prevenir
o treinamento como estratégia para prevenção de acidente com perfurocortante entre a equipe de enfermagem
Categorias
Saúde Relacionada Ao Trabalho, Medicina Clínica, Epidemiologia, Saúde E Fitness, Medicina
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 1148 vezes desde 29/09/2017
Versão
impressa
R$ 39,21
Coloração
Valor total:
R$ 39,21
Versão
ebook
R$ 22,60
Disponível em:
PDF
Valor total:
R$ 39,21
Este livro pode estar à venda na:
Este ebook também pode estar à venda na:
Sinopse

Segundo o Ministério da Saúde, os números de acidentes de trabalho são alarmantes, do ano de 2002 a 2005 registrou-se 1.875.190, destes, 15.293 evoluíram para óbitos e 72.000 com incapacidades permanentes. O Brasil apresenta um caso de acidente a cada 5 minutos.

Dados do Ministério da Previdência Social mostram que os profissionais da área da saúde destacam-se entre os mais notificados. Segundo estimativas da Organização Mundial de Saúde, ocorrem por ano cerca de três milhões de acidentes perfurocortantes com agulhas contaminadas. Estes são responsáveis por 80% a 90% das transmissões de doenças infecciosas. Representando, de acordo com o risco para transmissão, dois milhões de acidentados expostos ao vírus da hepatite B (VHB), 900.000 ao vírus da hepatite C (VHC) e 170.000 ao vírus da imunodeficiência humana (HIV) dentre outros 60 patógenos possíveis de serem transmitidos após exposição a sangue e outros materiais biológicos.

Desde o início da epidemia da Aids em 1981, foram publicados em todo o mundo, 103 casos comprovados e 219 casos prováveis de profissionais que adquiriram HIV após exposição a risco biológico. As estimativas internacionais apontam 400 novos casos por ano de transmissão ocupacional para VHB e 1.000 novos casos por ano para VHC.

O impacto desses números tem gerado nos profissionais de saúde uma grande preocupação, trazendo: medo, ansiedade e insegurança diante a possibilidade de contaminação com doenças que podem ser fatais e que geralmente trazem as mais diversas reações de preconceito e estigma perante a sociedade. Diante desta problematização, constataram que as manifestações psicossomáticas dos acidentados incluem: medo, preocupação consigo e com o paciente, indiferença e até mesmo quadros mais graves, onde apesar do acompanhamento psiquiátrico o profissional acidentado não consegue inserir-se novamente na sociedade.

As consequências não se restringem apenas aos trabalhadores, envolvem a família, superiores e pessoas que fazem parte do convívio social desse trabalhador acidentado, sentimentos que são capazes de alterar toda sua dinâmica familiar e sua integridade moral. Surge o medo da chefia e de perder o emprego, de adoecer, conflitos internos, que muitos trabalhadores desenvolvem relacionados ao sentimento da indecisão em contar ou não o fato à família, a preocupação na possibilidade de transmissão de uma doença infecto contagiosa. Outro sentimento manifestado é a culpa pela ocorrência do acidente.

Outras consequências relacionadas aos aspectos psicossociais do profissional acidentado são a ansiedade frente a expectativa dos exames, a necessidade de suporte familiar e até mesmo a reavaliação do desejo de continuar exercendo a profissão. Além disso, há ainda as consequências fisiológicas relacionadas com os efeitos colaterais das profilaxias indicadas e ao acompanhamento clínico laboratorial pós exposição.

No tocante as consequências financeiras para a instituição e para o acidentado. Os custos estão relacionados com as profilaxias iniciais e todo o acompanhamento destinado ao trabalhador, gastos estimados de 71 a até 5.000 dólares, de acordo com as normas e rotinas de cada instituição. Os acidentes geram custos hospitalares, indenizações, afastamentos temporários ou permanentes e aumento da taxa de absenteísmo.

Importante ressaltar que embora o acidente por material biológico, ao longo do tempo, seja causador de agravos a saúde e até mesmo a morte, tanto o acidentado, quanto a instituição os menosprezam. Um estudo publicado em 2004 revelou que 80% dos profissionais que já se acidentaram não comunicaram a ocorrência e por consequência não receberam orientações e acompanhamento clinico - laboratorial. A subnotificação de acidentes tem sido alvo de estudos de vários pesquisadores, um deles revelou um índice de 91,9%, destes 34,4% representavam os acidentes perfurocortantes.

Ademais, em outro estudo se observou que dos trabalhadores que eram encaminhados para avaliação especializada, apenas 23,33% compareceram à consulta, indicando assim a necessidade de uma reavaliação da forma de encaminhamento pelos hospitais.

Em um levantamento realizado em um hospital público de São Paulo, evidenciou-se que um índice de 45% de abandono daqueles que inicialmente procuraram assistência médica. Vale ressaltar que a notificação e abertura da Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT) são obrigatórias para funcionários que possuem vínculos regidos pela Consolidação das Leis Trabalhistas.

A partir do exposto é relevante um aprofundamento neste cenário, a fim de colocar as práticas de biossegurança como um importante instrumento de proteção a vida, em qualquer que seja o ambiente de trabalho.

Cecília Angelita dos Santos

Características
ISBN 978-85-5697-325-2
Número de páginas 71
Edição 1 (2017)
Formato A5 (148x210)
Acabamento Brochura c/ orelha
Tipo de papel Offset 75g
Mais publicações desse autor
Ver a lista completa
Comentários
1 comentários
ArteSam
Sexta | 29.09.2017 às 15h09
Olá Cecília, tudo bem? Faço serviço de conversão epub, capa, solicitação de ISBN, providência de ficha catalográfica, revisão, book trailer, ilustrações, e outros... Caso tenha interesse, fale comigo. Meu site - www.artesam.com - e-mail: [email protected] - página no facebook: www.facebook.com/artesambr