Go_to_top Bar
Seu carrinho está
vazio
Olá

Clube de Autores é a maior comunidade de autopublicação da América Latina. Inicie agora!

Livro SUICÍDIO

repercussões da morte no sistema familiar

Por: Rodrigues et al Denunciar

Ajaxloader
por
R$ 32,04
por
R$ 11,84

Sinopse

No final do século XVIII a loucura começou a ser estudada, com isso, percebendo suas características psiquiátricas. Desse modo, considera-se que a doença mental são como alterações que se manifestam no organismo vivo, com isso modificando sua forma de agir.

Certos tipos de alterações, segundo E. Bleuler subtende-se que o termo suicídio fragmenta o pensamento e impede de certa forma o contato com o ambiente. Assim, fazendo com que esse tipo de aspecto torne a doença mental como doenças cerebrais, segundo Carl Wernicke. A doença mental pode vir a interromper a relação “indivíduo e sociedade” por conta da maneira de ser do doente como a anormalidade, irracionalidade e até mesma à doença. Para que essa irregularidade seja iluminada é necessário que se faça regras, normas, para que haja uma possibilidade de diversificações que dê valor a existência do ser.

Definir loucura é difícil por conta normalidade e anormalidade que tende a ser um complementando o outro. Se há normalidade, haverá anormalidade e assim vice-versa. A expressão pessoal do indivíduo revela sua natureza, bem assim sua loucura. O modo de se comunicar com a sociedade faz com que o observador acredite ou não a depender do que for ocorrido. Também, a cultura pode influenciar na realidade do paciente afetando a relação: normal-anormal, saúde-doença e sua própria existência coletiva. De acordo com o sentido relativista, o que é cultura para nós de forma positiva, para outros se torna algo desnecessário à concepção.

Desse modo, a loucura juntamente com o suicídio é o afastamento da norma através de manifestações psíquicas comportamentais e entre o indivíduo e a cultura. Seguindo esse contexto, quando o papel da família não está sendo corretamente

8

seguido, sempre haverá algum tipo de interrupção mental que fara o indivíduo sentir uma certa incapacidade de ser ou de agir em algumas situações, fragilizando-o física e mentalmente.

Segundo Erick Erikson, sustentava que o nosso ego tem a força da auto identidade, o senso do “eu”. O ego é o grande auxiliador para adaptarmos a diversos meios para tentar nos deixar em equilíbrio social e mental. Erikson também diz que é na adolescência em que o ego começa a ter seu formato, sendo ele positiva ou negativo.

Ligados ao ego temos: o corpo egóico que se refere sobre as experiências corporais em que podemos enxergar nosso físico como algo diferente do normal. O ego ideal representa a imagem que temos de nós mesmos, responsável pela satisfação ou insatisfação. E a identidade egóica é a imagem que temos de nós nos papéis sociais. Essas três fases podem mudar em qualquer estágio da vida. Erick Erikson também fala que o ego surge de acordo com

a sociedade que é modelada [...] o ego existe como um potencial no nascimento, mas deve surgir em um ambiente cultural [...] (FEIST, Jess. Teoria da personalidade. 2008, p.245).

Assim, o ego passaria pelo princípio epigenético que seria a evolução gradual da personalidade e as demais estruturas fisiológicas. Caso um dos oito estágios não fosse concluído positivamente ou negativamente o indivíduo passaria a não chegar em uma maturidade adequada, não atingindo o estado de equilíbrio entre seu ego e a sociedade. Para entender os oito estágios do desenvolvimento psicossocial, tem que entender que:

1º - O crescimento ocorre de acordo com o princípio epigenético;

2º - Em cada estágio da vida haverá um elemento sintônico (harmonioso) e distônico (destrutivo);

3º - Entre esses elementos, produz a qualidade do ego ou a força do ego, chamado de força básica;

4º - Pouca força básica produzirá alguma patologia central de algum dos estágios;

10

5º - Os aspectos psicossociais dos estágios também têm vista biológica no desenvolvimento humano;

6º - A personalidade não é modelada nos primeiros estágios, pois a identidade egóica é formada a partir dos conflitos e de eventos adquiridos pelos estágios;

7º - A partir da adolescência a personalidade começa se moldar.

Ótima leitura...

Categorias: Suicídio, Saúde Mental, Saúde E Fitness, Psicologia
Palavras-chave: 1., 2., 3., 4., autodestrutivo, comportamento, depressão, mental, suicida, suicídio

Características

Cover_front_perspective
Número de páginas: 158

Edição: 1(2018)

ISBN: 978-85-5697-534-8

Formato: A5 (148x210)

Acabamento: Brochura c/ orelha

Tipo de papel: Offset 75g

Reconhecimento

Mais publicações desse autor

Comentários - 1 comentário(s)


ArteSam
Olá Rodrigues, tudo bem? Faço serviço de conversão epub, capa, solicitação de ISBN, providência de ficha catalográfica, revisão, book trailer, ilustrações, e outros... Caso tenha interesse, fale comigo. Meu site - www.sdmarini.com - e-mail: [email protected] - página no facebook: www.facebook.com/artesambr
Segunda às 16:20

Como funciona

Passo 1

Você publica seu livro online, gratuitamente.

Passo 2

Você diz quanto quer receber de direitos autorais.

Passo 3

Nós vendemos e você recebe o dinheiro por depósito direto na sua conta.

Serviços profissionais

Conheça nossos serviços

São vários serviços para auxiliá-lo em sua obra:

Depoimentos

"Acho que o Clube de Autores está revolucionando a ato de escrever no Pais. Ao democratizar o direito à fala escrita o Clube não só estimula as pessoas naquilo que lhes é único (ou seja, a capacidade de criar), como também a interagir neste mundo virtual. Na verdade, o Clube está antecipando o a..."

Felicíssimo Cardoso Neto

Formas de Pagamento (até 12x)

Segurança

Print


Clube de Autores Publicações S/A   CNPJ: 16.779.786/0001-27

Rua Otto Boehm, 48 Sala 08, América - Joinville/SC, CEP 89201-700