Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO
CRÍTICA À REPRESENTATIVIDADE DAS COISAS
ANÁLISE EM EM SCHOPENHAUER E MERLEAU-PONTY
Categorias
Filosofia, Não Ficção, Epistemologia, Filosofia / Religião
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 7144 vezes desde 05/01/2011
Versão
impressa
de R$ 41,36 por
R$ 35,30
Valor total:
R$ 35,30
Versão
ebook
R$ 23,68
Disponível em:
epub
Valor total:
R$ 35,30
Este ebook também pode estar à venda na:
Sinopse

O estudo da representatividade das coisas é pertinente à reflexão filosófica contemporânea em face de que atualmente as Artes têm explorado sobejamente este liame entre a existência independente e a dependente do observador, de modo que novos problemas surgem neste aspecto, fomentados pela maior facilidade dos meios de difusão de informações.

Pretendemos demonstrar que existem falhas nas vertentes esboçadas por Schopenhauer e por Merleau-Ponty nas suas explicações sobre a realidade e o observador, e que elas ainda não foram superadas, nem sequer respondem de modo satisfatório à dificuldades apresentadas originalmente. Pretendemos também elaborar um enfoque eclético sobre as correntes defendidas por ambos e superar as dicotomias percebidas. Uma das grandes preocupações da Filosofia atual é ser útil àqueles que a cultivam, de modo que entendemos que a discussão que doravante se fará nestas páginas tem a sua relevância assegurada haja vista o interesse que ela desperta até entre aqueles que a fazem de forma leiga.

O assunto que se há de tratar propõe uma reflexão sobre a realidade das coisas em face do observador, analisando as interações que existem, as que devem existir e as que são dispensáveis para que se possa afirmar ou negar esta mesma realidade e independência. Tal questão foi objeto de especulações pelas correntes do Empirismo, do Idealismo e da Fenomenologia.

Características
Número de páginas 97
Edição 1 (2009)
Formato A5 (148x210)
Acabamento Brochura c/ orelha
Coloração Preto e branco
Tipo de papel Offset 75g
Fale com o autor
FÁBIO GARDENAL INÁCIO

Licenciatura Plena em Filosofia pelo Centro Universitário Claretiano. Bacharel em Direito e Especialista em Direito Processual pelo Centro Universitário Toledo de Araçatuba/SP. Extensão Universitária em Direito Público pela Escola Superior da Advocacia da OAB, cursada na Seccional de Araçatuba/SP. Especialista em Estudos Teológicos e Especialista em Teologia Bíblica pelo Centro de Pós-graduação Andrew Jumper (CPAJ), da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Fundamental em Teologia pelo Instituto Teológico Quadrangular. Ex-Oficial de Justiça do Egrégio TJSP. Técnico Judiciário no TRF3

Publicações relacionadas
Ver a lista completa
Impresso
de R$ 35,36
R$ 29,29
Ebook
R$ 17,22
Impresso
de R$ 44,06
R$ 37,99
Ebook
R$ 27,98
Impresso
de R$ 45,50
R$ 39,44
Ebook
R$ 12,49
Impresso
de R$ 31,90
R$ 25,84
Impresso
de R$ 51,35
R$ 45,29
Ebook
R$ 24,75
Impresso
de R$ 45,48
R$ 39,42
Ebook
R$ 20,45
Impresso
de R$ 50,41
R$ 44,34
Ebook
R$ 19,37
Impresso
de R$ 38,86
R$ 32,79
Impresso
de R$ 36,11
R$ 30,04
Ebook
R$ 17,22
Impresso
de R$ 36,62
R$ 30,56
Ebook
R$ 12,35
Comentários
3 comentários
Sexta | 27.11.2009 às 13h11
DEPOIMENTO DE FRANCISCO C. BAGGIO, na minha página de autor (3): Uma vasta bibliografia, os filmes citados, os pareceres de filósofos consagrados, demonstram que não faltou dedicação e carinho para a obra e quem dela usufruir terá uma agradável e proveitosa leitura. (Fim) Fonte: http://clubedeautores.ning.com/profile/FabioGardenalInacio em 26/11/2009.
Sexta | 27.11.2009 às 13h11
DEPOIMENTO DE FRANCISCO C. BAGGIO, na minha página de autor (2): Se sua intenção foi investigar Shopenhauer e Merlau-Ponty, e o fez com profundidade. Buscou o empirismo de John Locke e David Hume. O idealismo de René Descartes e Immanuel Kant , a Fenomenologia de Edmund Husserl. Explorou a questão da subjetividade nas pinturas e o idealismo no cinema. Com a riqueza das ilustrações chamou a atenção com sua tese que uma ilusão pode ser entendida como realidade por um indivíduo.(continua)
Sexta | 27.11.2009 às 13h11
DEPOIMENTO DE FRANCISCO C. BAGGIO, na minha página de autor (1): Apreciar Fabio Gardenau Inácio no seu trabalho grafado com maestria no Clube de Autores é muito útil e agradável. Critica à Representatividade das Coisas em Shopenhauer e Merlau-Ponty retrata a sua dedicação, acuidade e postura centrada, pesquisou profundamente sua tese e com temas emergentes como a física quântica, conseguiu vincular aspectos científicos à proposta filosóficas merleau-pontyana. (continua)