Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO
Diários
Pedagogias libertárias em rodas de conversas
Categorias
Ciências Humanas E Sociais, Educação, Não Ficção, Antropologia, Estudo Das Minorias
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 1533 vezes desde 08/11/2016
Versão
impressa
R$ 30,01
Valor total:
R$ 30,01
Versão
ebook
R$ 13,06
Disponível em:
PDF
Valor total:
R$ 30,01
Este livro pode estar à venda na:
Este ebook também pode estar à venda na:
Sinopse

Um grupo de militantes e jovens universitários, em meio a frequentadores diversos, reunidos para discutir pedagogias libertárias em rodas de conversas quinzenais: é esse o conteúdo em forma de um despretensioso diário de campo que é apresentado ao leitor nas páginas que se seguem.

Por outro lado, não é fácil definir o perfil de todos que, eventualmente, frequentaram as nossas rodas durante o ano de 2014. Afinal, ela funcionou de forma bastante livre, como convém a um espaço compartilhado por anarquistas, ou, se não exatamente anarquistas em sua totalidade, pelo menos, por pessoas que praticavam a gestão horizontal nos debates. Talvez seja mais fácil falar sobre como funcionava a roda para dar uma imagem mais refinada do que lá acontecia. Ela funcionava de forma aberta, talvez a única regra realmente presente em todos os encontros foi a que preservava a vez de falar: com o dedo erguido cada um se “inscrevia” em sua vez de participar nas conversas. Pessoas entravam e saíam, dois ou três se mantiveram frequentes ao longo do ano, e muito se planejou, esboçou, conversou e se compartilhou naquelas rodas de domingo à tarde. Tento passar um pouco disso tudo nos relatos que se seguem.

Como verão, alguns nomes aparecem uma ou duas vezes. Outros, pelo contrário, afirmam-se presentes constantemente, e podem se tornar familiares ao leitor. Acredito que aqui não devo induzir o leitor a destacar esse ou aquele, uma vez que a roda, ao se abrir novamente através deste livro, será uma experiência do leitor com o que puder ser marcante para ele.

Outro ponto que é difícil definir é o fato deste livro trazer um material que não foi escrito nem planejado para ser publicado. A essa questão já bastante controvertida entre pesquisadores – especialmente os antropólogos -, emendo uma segunda: afinal, qual a relevância de agora publicar essas notas? Tentando responder a primeira questão, não a respondendo com uma sequência de novas indagações, acredito que retomar as anotações trouxe problemas práticos como: até que ponto revisar ou alterar o texto original das “cadernetas”? O que cortar? Como não descaracterizar o que foi observado e como não ficar apenas nos relatos, condenando assim todo o conteúdo pesquisado? O que posso dizer é que tentei interferir o mínimo possível para não perder certo viço do que ficou gravado, por acreditar que há também uma questão de estilo sobre a qual se debruçar. Sei que corro o risco de parecer presunçoso ao publicar essas notas. Mas espero que realmente há bons motivo para assumir tal risco. Somente os outros poderão julgá-los. Algumas informações incompletas ou elipses diversas não foram retiradas do texto, porque se trata de uma escolha: deixar em destaque a quantidade de informações nas quais mergulhamos e a complexidade de se tentar abarcar os fenômenos que nos afetam. Um diário de campo não é todo planificado, na verdade se trata de uma escrita ainda em processo. Trata-se, sobretudo, de desnudar os desafios da pesquisa de campo e todo o processo da produção do conhecimento, ainda que sob condições polissêmicas ao extremo, sobretudo por se tratar de um espaço aberto, com diversas entradas e saídas de frequentadores, alguns deles pessoas de passagem na ocupação e na cidade, tendo em vista que lá também funcionava uma hospedagem solidária, além dos habituais moradores de rua que para lá se dirigiam.

Quanto a segunda questão, posso afirmar que os registros de um diário de campo têm suas qualidades: o texto fresco das anotações, acredito ser um material que possa interessar aos professores, estudantes e interessados em geral pelos campos da educação. É esse estilo despretensioso, às vezes atropelado ou mesmo em tom de puro desabafo, que parece fazer valer à pena me arriscar. Trata-se de uma leitura menos acadêmica , mais palatável a quem corre pelos corredores entre uma sala e outra, de uma escola para a outra e não encontra muitas condições para se aventurar em densas questões estritamente teóricas. Creio que este livro é endereçado também a esse leitor, o do "chão" das escolas públicas. A relevância pode estar aí, mas também em outros aspectos que caberão ao próprio leitor encontrar no livro.

Características
ISBN 978-85-922074-3-4
Número de páginas 80
Edição 1 (2016)
Formato A5 (148x210)
Acabamento Brochura c/ orelha
Coloração Preto e branco
Tipo de papel Offset 75g
Fale com o autor
Gilbert Daniel da Silva

Publicou o livro de contos Amanhã, À Noite, Chegaremos Lá (Editora Ler para Escrever, 2016), o romance Mocinho, Adeus (Clube de Autores, 2018), e os livros de não-ficção, Piolho Nababo: Uma Etnografia da Antigaleria de Arte (CRV Editora, 2016) e Educação Como Experimentação (Clube de Autores, 2018).

Gilbert Daniel Medium: medium.com/@gilbertdanielsilva

Comentários
0 comentários