Fog√£o a Lenha:

Teve medo, e ainda nem era homem.

Por Breno Ferreira Da Silva

Código do livro: 564352

Categorias

Romance, Psicológico, American, Literatura Nacional, Ficção, Drama

Compartilhe este livro
Esta p√°gina foi vista 466 vezes desde 26/06/2023
Vers√£o
ebook
R$ 32,66
Leia em Pens√°tica
Valor total:
R$ 32,66
Este ebook também pode estar à venda na:

Sinopse

Leia o conto gratuitamente e avalieūüėĀ: ‚≠ź‚≠ź‚≠ź‚≠ź‚≠ź

O conto Fog√£o a Lenha, conta a hist√≥ria de Beraldo, um jovem que mora na zona rural, e nutre uma paix√£o de inf√Ęncia por M√©rcia, sua amiga e vizinha, que depois de um tempo viaja com seus pais para a cidade de Piritiba, onde frequenta ambientes finos e mais requintados.

Durante todo esse tempo, Beraldo se julgava inferior, um jeca, porquanto dia após dia, estava na pocilga, no curral ou então nos pastos arrancando tocos no Grotão.

Ao passo que sua amada, passeia pela capital (Salvador), e até firma um noivado com um rapaz de boa família.

Entretanto, depois de tanto tempo, Mércia reaparece diante de Beraldo...

Características

N√ļmero de p√°ginas 6
Edição 1 (2022)
Idioma Português

Tem algo a reclamar sobre este livro? Envie um email para atendimento@clubedeautores.com.br

Fale com o autor

Breno Ferreira Da Silva

Nascido e criado em Tapiramutá, no interior da Bahia, Breno Ferreira Da Silva nasceu aos 11 de setembro de 2001. Completou o Ensino Médio em 2019, e segue escrevendo/publicando de forma independente.

Começou escrevendo poesias em 2017, quando tinha 16 anos, e publicou a primeira de suas obras em 2018, que tem por título Insígnia Poética.

Sua escrita sofreu in√ļmeras transforma√ß√Ķes conforme foi escrevendo mais e ganhando experi√™ncias. Partindo desde uma linha sentimental e politicamente inconformada para um negativismo liter√°rio e um realismo cruel. Seus contos revelam, como ele mesmo faz quest√£o de frisar, "a desgra√ßa do homem".

Seus escritos sofrem influ√™ncia de v√°rios autores que teve contato. Admirador de livros cl√°ssicos, econ√īmicos e pol√≠ticos, faz quest√£o de realizar provoca√ß√Ķes e ironias √°cidas em cada par√°grafo de suas obras.

Para ele, a literatura significa um agente importante na transformação social. Não um meio de vida, como um emprego. Apesar das recompensas monetárias, cada escritor carrega o peso de uma geração e de sua época. Como foi com Machado de Assis, Aluísio de Azevedo, Bernardo Guimarães, Nelson Rodrigues e tantos outros.

Coment√°rios

Faça o login deixe o seu comentário sobre o livro.

0 coment√°rios