A bola, a arte e a vida
Código do livro: 471753
Categorias
Futebol, Não Ficção, Esportes E Lazer
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 76 vezes desde 05/08/2022
Versão
impressa
R$ 35,86
Valor total:
R$ 35,86
Valor total:
R$ 35,86
Este livro pode estar à venda na:
Sinopse

Neste novo livro, o jornalista e escritor especializado em futebol, Wesley B Machado publica textos autorais selecionados sobre as relações de artistas como Moraes Moreira, Aldir Blanc, Roberto Bolaños e Elton John com o esporte mais popular do mundo. Nesta obra, Wesley divulga também trechos de uma entrevista exclusiva que realizou com o “Enciclopédia do Futebol” Nilton Santos e outras entrevistas, como com o atacante César, autor do gol do título da Libertadores de 1983 do Grêmio, o cronista esportivo e ex-presidente da Liga Campista de Desportos (LCD), Josélio Rocha; e o editor de livros de futebol, César Oliveira, que versou sobre o centenário de João Saldanha. Há ainda textos sobre o futebol paulista alternativo, futebol capixaba, futebol argentino, futebol escocês e futebol belga; e sobre a paralisação do futebol no início da Pandemia de Covid em 2020. Os textos desta coletânea foram publicados em diversos veículos de mídia, como os sites Museu da Pelada, Verminosos por Futebol e Viva La Resenha e o blog Estrela Solitária no Coração. O prefácio é do professor de jornalismo e comentarista da ESPN, Celso Unzelte. A capa foi ilustrada por Ricardo Rodrigues.

Características
ISBN 9786500212730
Número de páginas 136
Edição 2 (2022)
Formato A5 (148x210)
Acabamento Brochura c/ orelha
Coloração Preto e branco
Tipo de papel Offset 75g

Tem algo a reclamar sobre este livro? Envie um email para atendimento@clubedeautores.com.br

Wesley B. Machado

Sou escritor de Campos dos Goytacazes-RJ, nascido em 23 de junho 1981, filho dos servidores públicos estatutários Fernando e Ezilane e irmão mais velho da correspondente bancária Fernanda e do sociólogo Weverthon Machado.

Na minha infância eu já gostava de escrever. Fiz um livreto sobre meu avô paterno, Fernando Machado, ferroviário e líder sindical que foi preso político durante a ditadura militar no Brasil porque guardava em casa jornais e livros que foram considerados subversivos. Ele ficou sete meses preso em Água Santa, Rio de Janeiro.

Fui incentivado a ler por meu avô Fernando, que comprava muitos jornais e levava na casa dos meus pais. Na minha infância eu também gostava muito de gibis.

Na adolescência, estudando na Escola Técnica Federal de Campos, tive um contato maior com a literatura a partir da biblioteca da ETFC.

Com o sobrenome de um dos maiores, senão o maior escritor do Brasil, Machado de Assis, eu tinha o sonho de ser escritor. Mas este sonho só começou a ser realizado em 2011 quando eu tinha 30 anos. Tive uma crônica selecionada entre as sete melhores no II Concurso de Crônicas Alvinegras do Botafogo de Futebol e Regatas, meu time do coração. A crônica foi publicada em um livro coletânea denominado "A magia do 7", editado pela Livros Ilimitados na série "Meu Livro do Fogão". Esta publicação me incentivou a publicar no ano seguinte, 2012, o livro "Saudosas Pelejas - A história centenária do Campos Athletic Association" sobre os 100 anos do Roxinho, time da minha cidade na qual joguei e fui campeão mirim no início da década de 1990 e que naquele momento estava com suas atividades profissionais paralisadas desde 1989. Passaram-se oito anos desde 2012 até eu publicar outros livros, estes em formato eBook, dois em 2020 e mais dois em 2021. Dois destes quatro eBooks lançados durante os auges da Pandemia de Covid-19 foram publicados agora em formato impresso pelo Clube de Autores, o "Botafogo, Roxinho e outros textos sobre futebol" e o "A bola, a arte e a vida". Neste meio tempo, desde 2011 quando participei da coletânea de crônicas do Botafogo que me incentivou a me tornar escritor, eu participei de mais quatro coletâneas, uma em 2014 sobre o centenário do que é considerado o principal escritor campista, José Cândido de Carvalho, autor de "O coronel e o lobisomem"; outra coletânea sobre a Quarentena em 2020; ainda em 2020 uma coletânea sobre o músico Luizz Ribeiro, precursor do rock em Campos; e em 2021 uma coletânea sobre animais de estimação.

Por fim, sou servidor público estatutário, casado desde 2008 com a servidora pública estatutária Nilcea e pai da Luiza e da Júlia, nascidas em 2009 e 2014 respectivamente.

Comentários

Faça o login deixe o seu comentário sobre o livro.

0 comentários