Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO
Bases Filosóficas da Sinarquia
entendendo seus princípios
Categorias
Ciências Humanas E Sociais, Corpo, Mente E Espírito, Filosofia, Esoterismo, Espiritualidade, Geografia Humana
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 10788 vezes desde 22/02/2014
Versão
impressa
R$ 44,96
Valor total:
R$ 44,96
Valor total:
R$ 44,96
Sinopse

O sistema sinárquico não visa uma estrutura eclética, o que seria cair na social-democracia. O que o sistema sinárquico deseja é realizar a síntese daqueles dois sistemas, expurgando-os de suas parcialidades antagônicas.

Justamente por realizar essa conciliação, a Sinarquia não é nem liberal nem libertadora, mas profundamente libertária.

Vejamos as diferenças concretas traçadas pelo eminente professor.

O liberalismo assenta-se na ficção: povo, o socialismo, ao contrário, admite como fundamento outra ficção: a sociedade.

A Sinarquia conciliando o que há de positivo nessas duas ficções (povo e sociedade) assenta-se na realidade positiva: homens.

No liberalismo a economia não está organizada; desenvolve-se fácil e iniquamente. No socialismo, ao contrário, a economia é dirigida pelo Estado. As consequências são desastrosas: no liberalismo o produto de todo o trabalho pertence a um pequeno grupo de homens (poucos tem); no socialismo, ao contrário, o produto de todo trabalho pertence ao Estado (ninguém tem).

Na Sinarquia, sendo a economia regulada pelas necessidades, o produto do trabalho pertence a quem o produz (todos teem).

No liberalismo, o trabalhador trabalha enquanto vive; no socialismo, o trabalhador trabalha enquanto pode; na Sinarquia, o trabalhador trabalha enquanto precisa. É, como se vê claramente, a necessidade determinando, consequentemente, uma série de modificações não só na estrutura do liberalismo como na do socialismo. É fácil aponta-las.

No liberalismo por exemplo, há patrões, intermediários e juros. No socialismo o Estado exerce o papel de patrão e intermediário. Na Sinarquia não há patrão, nem intermediário, nem juros.

No liberalismo, o Banco pertence ao Estado, cobra juros negociando com a moeda como mercadoria.

Na Sinarquia o Banco pertence aos trabalhadores, não cobra juros e é o regulador do crédito.

Introdução............................................................................. 10

  1. Concepção Intelectual do mundo ..................................19

  2. Fontes Helegianas da Sinarquia .....................................35

  3. Método Dialético .............................................................53

  4. Fundamentos Gerais da Sinarquia...................................58

  5. Fontes Clássicas da Sinarquia ........................................62

  6. A Situação Filosófica da Sinarquia ..................................67

  7. A Forma Concreta da Sinarquia ......................................71

Características
Número de páginas 80
Edição 1 (2014)
Formato A5 (148x210)
Acabamento Brochura c/ orelha
Coloração Preto e branco
Tipo de papel Offset 75g
Fale com o autor
Joaquim Ribeiro

INSTITUTO SUTILIZAR - Livros e Treinamentos voltados para a Alquimia, Esoterismo e abordagens Holísticas.

Comentários
0 comentários