Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO
DA VONTADE DE POTÊNCIA AO ETERNO RETORNO
Uma Releitura Dialética de Nietzsche
Categorias
Filosofia / Religião, Psicologia, Filosofia, Ciências Humanas E Sociais
Compartilhe este livro
Esta página foi vista 949 vezes desde 29/01/2019
Versão
impressa
R$ 37,28
Valor total:
R$ 37,28
Versão
ebook
R$ 11,84
Disponível em:
PDF
Valor total:
R$ 37,28
Este livro pode estar à venda na:
Este ebook também pode estar à venda na:
Sinopse

O primeiro capítulo sintetiza os paradoxos presentes na noção schopenhaueriana de Vontade que serviu de inspiração para o principal conceito da filosofia de Nietzsche, o de Vontade de Potência.

O segundo capítulo introduz o conceito de vontade de potência, mostrando não só que a reflexão schopenhaueriana sobre a Vontade e suas representações foi repensada por Nietzsche a partir da relação entre Dioniso e Apolo, como mostrando também as reverberações da vontade de potência na sua filosofia como um todo.

O terceiro capítulo mostra como a noção de vontade de potência conduziu o pensamento de Nietzsche a uma noção oposta, a de eterno retorno. A noção de eterno retorno é um desdobramento interno da noção de vontade de potência, pois, quando levada às suas últimas consequências, a noção de vontade de potência nega sua manifestação plural unificando-se na noção de eterno retorno. Trata-se, então, de explicitar que além da relação antitética entre Apolo e Dioniso, há também uma relação antitética entre o conceito de vontade de potência e o de eterno retorno. Os capítulos quarto e quinto mostram como o conceito de vontade de potência conduziu Nietzsche a caminhos antípodas. Enquanto uma linha de pensamento o conduziu à arte como a atividade por excelência da vontade de potência, a outra linha o conduziu à guerra como atividade paradigmática. Dissociadas uma da outra, essas duas linhas conduziram aos dois estilos de interpretação culturalmente mais influentes da obra nietzschiana: o estilo nazifacista, que apresentou o nome de Nietzsche para o mundo como o filósofo da vontade de poder imperialista, e o estilo pós-moderno de interpretação, que o disseminou como o precursor da contracultura, da reviravolta linguística e da resistência ao imperialismo. Esses capítulos mostram como mesmo assimétricas, ambas as intepretações caem na armadilha do partidarismo, identificando o pensamento de Nietzsche com um aspecto da sua obra em detrimento do outro que o contradiz.

O sexto capítulo mostra como essas duas linhas aparentemente excludentes são, no fundo, duas faces da ideia paradoxal de vontade de potência. A ideia de vontade de potência se desdobra como um movimento composto por dois momentos: um de dissolução do legado cristão responsável pelo niilismo na cultura oitocentista, e o outro de coagulação de uma forma de estar no mundo que tinha como modelo as antigas culturas aristocrático-guerreiras greco-romana. A arte e a guerra são, então, mostradas como metáforas raízes para os modos de funcionamento da vontade de potência. O sétimo e último capítulo tem como foco a relação compensatória entre a obra de Nietzsche e o cristianismo responsável pelo o niilismo de sua época, mostrando de que maneira os traços daquilo que ela compensa retornaram moldando sub-repticiamente o núcleo do seu pensamento.

Características
ISBN 978-85-909680-2-3
Número de páginas 285
Edição 1 (2019)
Formato A5 (148x210)
Acabamento Brochura c/ orelha
Coloração Preto e branco
Tipo de papel Offset 75g
Mais publicações desse autor
Ver a lista completa
Comentários
0 comentários